Consultor Jurídico

Retransmissão de rádio

Pagamento de direito autoral por som ambiente não depende de lucro

O pagamento de direitos autorais por reprodução sonora não depende do objetivo de lucro da atividade. Dessa forma, um supermercado de Bauru (SP) foi condenado a pagar direitos autorais por retransmitir programa de rádio como sonorização ambiente no estabelecimento. A decisão da 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça é favorável ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad).

As instâncias anteriores julgaram o pedido do Ecad improcedente por entenderem o contrário: que o pagamento de direitos autorais depende da pretensão de lucro, enquanto o supermercado apenas instalou a sonorização do ambiente para conforto dos clientes.

No STJ, o ministro Luis Felipe Salomão, relator do caso, explicou que a nova Lei de Direitos Autorais afastou a necessidade de que o estabelecimento tenha o objetivo de lucrar com a execução de músicas, já que a expressão “que visem a lucro direto ou indireto” foi excluída da antiga norma.

De acordo com a Súmula 63 do STJ, “são devidos direitos autorais pela retransmissão radiofônica de músicas em estabelecimentos comerciais” — circunstância em que o caso se enquadra, segundo o relator. O ministro citou jurisprudência para esclarecer que aparelhos de rádio e televisão em quartos de motéis e hotéis, lugares de frequência coletiva, também devem receber o mesmo tratamento.

Salomão ainda afirmou que, de acordo com a doutrina, reproduzir programa já transmitido por estação de rádio sem autorização significa violar os direitos do autor, mesmo que este já tenha dado seu consentimento à rádio, porque se trata de nova reprodução. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 1152820 




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 28 de junho de 2014, 17h12

Comentários de leitores

1 comentário

Contradição

AC-RJ (Advogado Autônomo)

O ECAD possui uma filosofia de trabalho incompreensível e contraditória. Música vinda de rádio em supermercados é sujeita ao pagamento de direitos autorais, mas música ao vivo tocada em bares não. Pelo menos, é o que ocorre no Rio de Janeiro em que bares que tocam música ao vivo não são fiscalizados e muito menos autuados ... E a intenção de lucro é mais que evidente. Dá para entender?

Comentários encerrados em 06/07/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.