Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Erro grosseiro

Interposição de recurso em vara errada gera perda de prazo

O protocolo de um recurso em uma vara diferente da que proferiu a decisão contestada leva à perda de prazo. Para a 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG), é obrigação da parte apresentar contestação perante o juízo correto. O colegiado negou pedido de uma empresa que teve os embargos considerados intempestivos ao encaminhá-los à 35ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, enquanto o processo estava correndo na 4ª Vara.

Após o bloqueio de valores em sua conta corrente, o sócio da companhia executada pleiteara a desconsideração da personalidade jurídica da empresa reclamada, o reconhecimento da indicação de bens à penhora e a configuração de excesso de penhora. Mas o equívoco fez o juízo da 4ª Vara ter acesso só mais tarde ao pedido. O réu recorreu à segunda instância com a alegação de que havia respeitado o prazo legal e que, por isso, a indicação de outra vara não seria razão para ter o recurso considerado intempestivo.

Na avaliação da relatora, desembargadora Camila Guimarães Zeidler, “o endereçamento incorreto da peça recursal não caracteriza simples erro de digitação; ao contrário, configura erro grosseiro e, portanto, inescusável, pois é dever da parte protocolizar a impugnação ou recurso dirigindo-se ao órgão jurisdicional que prolatou a decisão atacada”.

Ela afirmou que a informação correta é um dos pressupostos de constituição válida do processo, nos termos dos artigos 176 e 500, inciso I, do Código de Processo Civil. O entendimento da relatora foi seguido por unanimidade pelos colegas da corte. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-3.

Clique aqui para ler o acórdão.

Processo 0001172-73.2011.5.03.0004

Revista Consultor Jurídico, 28 de junho de 2014, 8h07

Comentários de leitores

4 comentários

péssima decisão

Alexandre M. L. Oliveira (Defensor Público Federal)

A jurisprudência do STJ, citada no caso abaixo, é compatível com os ditames constitucionais.
Fico com a jurisprudência do STJ, citada no julgado do TJPE abaixo:
TJ-PE - Agravo AGV 90118820128170000 PE 0014335-59.2012.8.17.0000 (TJ-PE)
Data de publicação: 11/09/2012
Ementa: PROCESSO CIVIL - AGRAVO LEGAL - ART. 557 , § 1º , DO CPC -RECURSO EQUIVOCADAMENTE PROTOCOLADO NO JUÍZO DE ORIGEM - OBEDIÊNCIA AO PRAZO LEGAL - INEXISTÊNCIA DE MÁ-FÉ - ERRO ESCUSÁVEL - TEMPESTIVIDADE - PRECEDENTES DO C. SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. I - Na esteira do entendimento esposado pela Corte de Uniformização de Jurisprudência em Matéria Infraconstitucional - STJ é "tempestivo o recurso apresentado dentro do prazo legal, embora entregue em Cartório diverso daquele em que corre o feito" (REsp 11240 / SP, Relator: Ministro Carlos Alberto Menezes Direito). No mesmo sentido: STJ-4ª T., REsp 187.117, min. Barros Monteiro, j. 22.8.00, DJU 16.10.00; REsp 56240 PR 1994/0032974-1, Relator: Min. Costa Leite, Julgamento: 07/02/1995, Órgão Julgador: T3 - Terceira Turma, Publicação: DJ 13/03/1995 p. 5293; STJ - RP 180/341: 2ª, AI 775.617 - AgRg. II - Deveras, como preconizado pelo Ministro SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA, "a concepção moderna do processo, como instrumento de realização da justiça, repudia o excesso de formalismo, que culmina por inviabilizá-la." (REsp. 15.713). III - Nessa contextura, o mero equívoco no endereçamento do recurso que, conquanto tenha sido manejado no prazo legal, fora protocolado no juízo de origem, quando o deveria ser perante esta c. Corte de Justiça, não se traduz em erro grosseiro suficientemente apto a ensejar a sua intempestividade.

Erro Material

DJU (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Se o erro material do juiz pode ser corrigido a qualquer momento, não gerando consequências, por que o equívoco do advogado também não o pode?

Mentalidade ultrapassada

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Decisão rasteira e equivocada, típico da mentalidade cartorária que vige no País, contrariando a jurisprudência unânime sobre a matéria.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/07/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.