Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Envolvimento criminoso

Dar carona para homicida fugir justifica manutenção de prisão preventiva

Ajudar um homicida a fugir é suficiente para justificar prisão preventiva, pois está configurada a participação no crime. Este foi o entendimento da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça para negar provimento a um recurso em Habeas Corpus.

O homem alegou ter dado carona ao autor dos disparos e que não tinha conhecimento de sua intenção criminosa. Por isso, não haveria motivo para sua prisão ser mantida. Sustentou também ser réu primário, com residência e trabalho, e afirmou que a violência do crime só poderia ser atribuída ao autor dos tiros.

O crime aconteceu dentro de uma igreja em Paracatu (MG) e fez uma vítima. Segundo a denúncia, embora não tenha sido o autor dos disparos, o autor do pedido de HC atuou na premeditação do crime, entregou a arma utilizada e ajudou o homicida a fugir.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o juiz que determinou a prisão cautelar apontou motivos convincentes para justificar a medida. Uma delas foi o meio que resultou em perigo comum, tendo em vista que foram disparados 11 tiros dentro de uma igreja evangélica durante o culto, atingindo, ainda, uma terceira pessoa.

Para o relator do caso no STJ, ministro Rogério Schietti Cruz, a prisão se justifica em razão da gravidade do crime praticado e da periculosidade social do autor, demonstradas pelas circunstâncias dos fatos.

Segundo Schietti, tanto o autor do crime quanto o recorrente já haviam se envolvido em diversas brigas, o que demonstra terem comportamento violento. Para o ministro, em decisão monocrática, as alegações da defesa não são suficientes para reformar a decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que manteve a prisão ao julgar o HC originário.

De acordo com o artigo 312 do Código de Processo Penal, a prisão preventiva “poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

RHC 46.177

Revista Consultor Jurídico, 20 de junho de 2014, 8h37

Comentários de leitores

2 comentários

muito mais que carona...

GERPOL MS (Advogado Autônomo)

"Segundo a denúncia, embora não tenha sido o autor dos disparos, o autor do pedido de HC atuou na premeditação do crime, entregou a arma utilizada e ajudou o homicida a fugir', enfim me parece que o 'paciente' foi mentor, mandante e manipulador do autor do homicídio que mais parece um marionete... quem apertou o gatilho na verdade foi o titereiro-paciente. Felizmente a tese não colou.

Ainda há esperança

LeandroRoth (Oficial de Justiça)

Decisões corretas como esta provam que ainda há esperança para o Brasil.
.
Temos que dar valor à vida. Não podemos mais dar respostas fracas e pusilânimes diante de crimes de sangue. Imaginem se o Judiciário deixa esses sujeitos responderem ao processo em liberdade? Certamente a família do morto não vai querer esperar de 10 a 15 anos até o trânsito em julgado, e buscará a vingança com as próprias mãos. E com novas mortes, novas vinganças, e por aí vai.
.
A prisão preventiva para garantia da ordem pública existe justamente para evitar que, se aproveitando do tempo do processo, acusados perigosos fiquem soltos e o caos se instale na sociedade. Que a resposta da Justiça seja sempre pronta e rigorosa contra homicidas.

Comentários encerrados em 28/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.