Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Demandas da classe

AMB, Ajufe e Anamatra criticam CNJ e pedem mais participação dos magistrados

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) divulgaram nota nesta quarta-feira (18/6) para criticar uma série de decisões do Conselho Nacional de Justiça, entre elas  a revisão da Resolução 70, na última segunda-feira (16/6). As entidades classificam as decisões de “discriminatórias, antidemocráticas e antiassociativas”.

O documento aponta que desde 2009 era determinada a participação efetiva de magistrados de primeiro e segundo graus, indicados pelas respectivas entidades de classe, não só na elaboração, mas na execução de suas propostas orçamentárias e planejamentos estratégicos. Entretanto, as entidades apontam que isso foi suprimido com a alteração normativa.

As entidades afirmam essa postura “têm um patrocínio ideológico infeliz e o mesmo viés que inspira centenariamente a cultura do centralismo administrativo burocrático”. Elas pedem que o CNJ recue das medidas adotadas e as reconheçam como parceiras do conselho.

Na nota, as entidades também se queixam das restrições às propostas apresentadas por elas para a adoção de uma política de valorização da jurisdição de primeiro grau. O documento aponta que foram limitadas a participação e o voto dos magistrados que viessem a ser indicados pelas entidades para compor comissões e núcleos gestores das iniciativas que dizem respeito à lotação de pessoal e a reorientação das prioridades do orçamento. 

Assinam a nota João Ricardo dos Santos Costa (presidente da AMB), Paulo Luiz Schmidt (presidente da Anamatra) e Antônio César Bochenek (presidente da Ajufe). 

Clique aqui para ler a nota assinada pelas três entidades

Revista Consultor Jurídico, 18 de junho de 2014, 15h25

Comentários de leitores

6 comentários

Críticas e só críticas

Jorge Luiz de Oliveira da Silva (Juiz Militar de 1ª. Instância)

É impressionante como determinadas pessoas se dedicam diariamente, por intermédio deste veículo, a destilar seu ódio e suas críticas destrutivas a tudo que não seja um espelho. Magistrados, Membros do MP, advogados que não comunguem com seu pensamento, OAB....enfim....para essa pessoa nada presta........Magistrados e Membros do MP devem se manter parados no tempo em termos de remuneração; OAB só será boa se protagonizar ações que esse cidadão entenda que são positivas....enfim...um amontoado de palavras que não engrandecem nada e nada destinam de bom à nossa sociedade. Desculpem o desabafo, não costumo ficar tecendo críticas....até porque não tenho tempo para isso.....mas, existem certas coisas que realmente beiram ao absurdo.

Sem proposta

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Então me aponte, sr. Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância), uma única "proposta" da magistratura e das associações de magistrados que visam melhor o Judiciário mas não envolvem mais dinheiro na conta dos juízes no final do mês, mais poderes, menos controle? Diga-me uma só que seja viável.

Preconceito ou pré-conceito

Daniel André Köhler Berthold (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Se o comentarista cronologicamente anterior lesse a nota (ou mesmo a notícia), perceberia que se trata de outro assunto.
É difícil debater com quem tem preconceito ou pré-conceito.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.