Consultor Jurídico

Comprovação do dano

Para TST, deixar de registrar em carteira não gera dever de indenizar

A falta da assinatura na carteira de trabalho, por si só, não caracteriza o dano moral. Esse foi o entendimento da 8ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho que, ao acolher recurso da empresa Multigrain, absolveu-a de pagar indenização por danos morais a um analista de sistemas. Em decisão unânime, a turma decidiu que “é necessário que haja comprovação do prejuízo moral decorrente da falta das anotações, o que não foi o caso”.

O funcionário só teve a carteira de trabalho assinada por ordem da Justiça após fazer uma reclamação trabalhista de reconhecimento de vínculo. A 70ª Vara do Trabalho de São Paulo determinou, então, a anotação do vínculo da CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social) e o pagamento das verbas decorrentes, mas negou a indenização. Concluiu-se que “a demora do pagamento ou seu reconhecimento, em juízo, não tem amplitude suficiente para gerar danos morais”.

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) resolveu modificar a sentença e condenou a empresa a indenizar o funcionário em R$ 3 mil. Os desembargadores entenderam que, com a falta do registro, o trabalhador “deixou de ostentar a condição de empregado, de consumidor a crédito, bem como de ter acesso à rede de proteção social e previdenciária”.

A Multigrain, então, decidiu recorrer ao TST. A relatora do caso, ministra Dora Maria da Costa, disse que o TRT não registrou nenhum prejuízo de ordem moral pela falta do registro da CTPS, e que “limitou-se a meras deduções em torno de eventuais desconfortos que o fato poderia trazer”. Para ela, como não foi cometido nenhum ato ilícito, não há motivo para se falar de condenação em dano moral.

Ainda segundo a relatora, apesar dos transtornos que isso possa ter causado ao funcionário, não ficou comprovado, no processo, ato ilítico por parte da empresa que gere direito à reparação por dano moral, como prevem os artigos 186 e 927 do Código Civil. Com informações da Secretaria de Comunicação Social do Tribunal Superior do Trabalho.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 17 de junho de 2014, 12h43

Comentários de leitores

2 comentários

Enuviado

Carlos Crede (Funcionário público)

Esse processo é bem interessante pois houve a necessidade de se caracterizar o dano moral. De fato toda vez que esse trabalhador foi impedido de realizar algum ato comum a qualquer outro trabalhador em virtude da falta de registro houve um dano moral contra sua honra , contra sua integridade enquanto cidadão, o problema é provar isso no processo, fato a se pensar procuro acreditar que a desembargadora entendeu a situação mas foi impedida de agir pela falta de provas, lamentável para esse trabalhador.

Por essas

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Por essas e outras é que a escravidão não tem fim no Brasil. Pimenta nos olhos dos outros é mesmo refresco. Juízes trabalhistas desconhecem completamente o instituto do dano moral.

Comentários encerrados em 25/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.