Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Braços cruzados

Justiça bloqueia conta de sindicato dos metroviários de SP após greve

O desembargador Rafael Pugliesi, do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo, determinou o bloqueio das contas bancárias dos sindicatos dos metroviários e dos engenheiros do Metrô de São Paulo para assegurar o pagamento da multa aplicada pela greve no metrô paulista.

Do sindicato dos metroviários, Pugliese ordenou o bloqueio de R$ 900 mil. Inicialmente, o valor era de R$ 3 milhões, mas, na manhã desta terça-feira (10/6), o desembargador reviu o valor, porque a greve foi suspensa na noite de segunda-feira (9/6). Do sindicato dos engenheiros, foram bloqueados R$ 400 mil.

O montante bloqueado na conta dos metroviários deve-se ao valor da multa aplicada pelos quatro primeiros dias de greve — R$ 400 mil —, acrescido de multa de R$ 500 mil pelo prosseguimento da greve. A multa recebida pelo sindicato dos engenheiros é referente aos quatro primeiros dias de greve, uma vez que a categoria decidiu voltar ao trabalho no domingo. Pela determinação do desembargador, caso a greve seja reiniciada quinta-feira (12/6), novos valores deverão ser bloqueados.

Pugliesi considerou a greve abusiva e, no domingo (8/6), determinou o imediato retorno ao trabalho, estipulando multa diária de R$ 500 mil em caso de descumprimento. Na semana passada, a desembargadora Rilma Aparecida Hemetério já havia estipulado multa de R$ 100 mil por dia de paralisação.

A greve dos metroviários teve início na última quinta-feira e foi suspensa temporariamente ontem (9/6) pelos dois sindicatos. Nesta quarta-feira (11/6) uma nova assembleia de trabalhadores do Metrô decidirá se a paralisação será retomada na quinta-feira (12), die da abertura da Copa do Mundo. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 10 de junho de 2014, 20h14

Comentários de leitores

1 comentário

Abusividade e descumprimento a ordem judicial

GFerreira (Advogado Assalariado - Trabalhista)

O Tribunal do trabalho considerou a greve abusiva, logo o descumprimento a ordem judicial de retorno imediato ao trabalho é crime, não basta apenas a aplicação da multa, deve-se exigir que os responsáveis sejam também processados pelo crime de desobediência.
Acho que os servidores do metrô-SP, devem repensar nas próximas eleições a direção do Sindicato, aliás 42 já foram demitidos sem direito e pelo que se sabe as demissões serão
ratificadas pela Justiça do Trabalho, ai que saber o sindicato vai ajudar esses 42 demitidos?
Caso haja assembléia, com certeza a maioria que é gente do bem vai votar pela continuidade do trabalho e isso não se deve a copa do mundo, mas se deve a responsabilidade que cada um tem, tanto com a sua função como com a sua família.

Comentários encerrados em 18/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.