Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conduta do advogado

Reforma do Código de Ética não traz mudanças relevantes, diz parecer

Por 

As poucas mudanças propostas no projeto de reforma do Código de Ética e Disciplina do Advogado são “inoportunas e direcionadas”. É o que diz o parecer técnico do professor Modesto Carvalhosa sobre o projeto, apresentado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil no dia 31 de maio. De acordo com o parecer, “em mais de 60% do novo texto são feitas apenas propostas de alterações quanto à sinonímia ou inversão de redação, sem que nada novo tenha sido alterado quanto ao mérito da fundamentação vigente”.

O atual Código de Ética da OAB está em vigor desde 1995. Seu projeto foi elaborado com base em consultas a todas as subseccionais de OAB do país e, principalmente, no Código de Ética do antigo Instituto dos Advogados do Brasil, de 1930, assinado por Ruy Sodré. Segundo o parecer de Carvalhosa, o texto original não foi revogado pelo texto de 1995. Apenas foram feitos acréscimos ou substituição de redação, quando o novo termo dispunha em contrário do anterior.

Não foi o que aconteceu com o atual projeto. Há a disposição expressa, no artigo 80, de que, com a entrada em vigor do novo código, o antigo será inteiramente revogado. Ou seja, trata-se de uma substituição. Para o parecerista, trata-se de um erro. “As mudanças sugeridas e a troca de sinônimos, bem como inversões de textos vão destruir um exaustivo trabalho feito para a implantação do que consolidadamente existe.”

Carvalhosa é contra a ideia de se reformar o código. “Regras éticas não são revogáveis”, diz o parecer. “Podem, quando muito, deixar de ser usadas em face de costumes alterados ao longo do tempo e chamados de ‘nova moral’. A honestidade, lealdade, a dignidade e outras virtudes podem ter maior ou menor valoração em determinados períodos do relacionamento humano, porém, em tempo algum migrará para o sentido oposto.”

Outro argumento de Modesto Carvalhosa é o fato de o antigo código do IAB, de 1930, ter sido baseado em ideias propostas por Francisco Morato. O Código de Ética atual tomou por base as ideias do código anterior, mas também trouxe para o texto questões resolvidas pelos tribunais de ética e disciplina da OAB — principalmente da turma deontológica da seccional São Paulo, que responde por um terço de todos os advogados do país.

A proposta de reforma, escreve o professor, “não considerou em nenhum momento de jurisprudência sobre ética, disponível em 10 volumes pela seccional paulista com o título Julgados do Tribunal de Ética e Disciplina”. “Da mesma forma não foram levados em conta as discussões e os resultados de quinze ‘Seminários de Ética da Seccional Paulista’, onde se destacaram os mais proeminentes estudiosos do assunto.”

Prova disso, diz, é que o projeto de reforma não tratou do que deveria tratar: a conduta do advogado no juízo arbitral. “Em vez de se preocupar em assinar um texto que pretende apenas substituir o texto anterior com sinônimos e inversões de redação, o projeto deveria se preocupar em acrescentar o que se faz necessário com a mudança da prática da advocacia”, afirma Carvalhosa.

Publicidade e propaganda
Das poucas mudanças que o projeto traz, Carvalhosa se preocupa com a “abertura” que o texto dá aos anúncios publicitários de escritórios. O código atual, diz ele, deixa claro que anunciar serviços de forma a captar clientes atenta contra a ética da profissão. Por isso, a publicidade de escritórios deve ser feita de maneira sóbria, atendo-se normalmente ao nome da banca e dos sócios.

Já com o projeto, segundo o parecerista, “conseguiram igualar o advogado de outras plagas a um bem de consumo”. “Pretendem transformar um profissional da lei, defensor da moralidade, elemento imprescindível à aplicação da Justiça (artigo 133 da Constituição Federal), em vendedor de produtos jurídicos”, diz o parecer.

Carvalhosa analisa que a crescente demanda por advogados decorre da conquista de direitos constitucionais de terceira geração, como os do consumidor, das minorias, da mulher, e a ampliação das prerrogativas individuais. Com isso, continua o professor, ficou necessária maior “intervenção do advogado nos complexos conflitos sociais institucionalizados”, o que pede do profissional da advocacia retidão ética.

Ele reconhece que a profissão se distancia da ideia de “relacionamento personalíssimo”, mas ao permitir que se ampliem “as possibilidades de propaganda profissional”, “estaremos nos quedando em face dos ‘marqueteiros’”. Para Carvalhosa, essa mudança favorece os grandes escritórios de advocacia em detrimento das pequenas sociedades. Segundo o professor, a pressão das grandes sociedades pela flexibilização das regras deixa de ser de bastidores e passa a ser perceptível com o projeto de reforma do Código de Ética.

“A mudança das regras existentes como está sendo proposto vai lançar os advogados de pequenas cidades ao total ostracismo. Muitos deles só conseguem sobreviver na profissão graças aos convênios estabelecidos pela OAB. Como farão seus anúncios promocionais, oferecendo produtos jurídicos? Nos serviços de alto-falantes da praça? Nos bancos de jardins? Como poderão concorrer ao poderio das grandes mídias que serão acionadas pelas grandes sociedades de advogados, hoje verdadeiras empresas de prestação de serviços de advocacia, voltados primordialmente à captura de poderosos clientes, numa dinâmica com tudo semelhante às empresas de publicidade.” 

Clique aqui para ler o parecer do professor Modesto Carvalhosa.

 é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 2 de junho de 2014, 19h33

Comentários de leitores

6 comentários

receio.

Og Sousa (Advogado Autônomo - Civil)

Essas mudanças interessa somente às grandes bancas, que já são detentoras do grande volume de causas, e clientes de peso, enquanto o advogado iniciante, do interior, etc., ficarão a esmo, catando o que sobrar. Vai ser assim!...

Perigoso.

Og Sousa (Advogado Autônomo - Civil)

Entendo que essas alterações deveriam ser exaustivamente discutidas em todo o país, pois como a maioria vislumbra, nota-se que os maiores beneficiados serão as grandes bancas, já detentoras das grandes carteiras. O advogado pooderá se assemelhar ao corretor de imóveis: um perigo.

Hipocrisia

advogadovirtual (Advogado Sócio de Escritório - Previdenciária)

Escritórios são empresas.
É tosco pensar as relações sociais como na década de 30 conforme informa o texto.
A sociedade se globalizou, os meios de comunicação de massa são parte de nossa realidade, mas alguns ainda insistem em manter regras dos tempos da advocacia de nossos avós.
Todos os dias os tribunais "vomitam" dezenas de decisões importantíssimas aos cidadãos, que não podem ser repassadas ao público de maneira correta porque não são a expertise dos jornalistas e os juízes e promotores não podem se manifestar sob pena de suspeição.
Bilhões de reais são perdidos porque as pessoas não sabem de seus direitos.
Na verdade toda vez que uma grande corporação bancária, telefônica ou de energia se sente atingida por informações repassadas por um advogado ao público, TENHAM A CERTEZA QUE ELE SERÁ REPRESENTADO.
O problema não é ético, é econômico. O código de ética é usado contra os advogados que causam problemas a essas corporações. Serve como retaliação. Para as grandes corporações vale a pena a lei do silêncio.
O CED é tão ruim, mas tão ruim, que todos os advogados em algum momento acabam por o infringir. Impossível advogar 100% de acordo com o CED, IMPOSSÍVEL.
Na prática a maioria das infrações acabam sendo mutuamente "toleradas" por todos.
O CED na parte da publicidade presta um desserviço à nação e só é aplaudido por professores e filósofos da deontologia.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/06/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.