Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo eletrônico

OAB-RJ pede que CNJ reveja decisão sobre advogada cega

Por 

Após o Conselho Nacional de Justiça negar que uma advogada cega continue a usar papel por ter problemas no acesso eletrônico, a seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro apresentou pedido de reconsideração ao que classificou de tratamento “cruel”. No documento protocolado na última segunda-feira (27/1), a OAB-RJ diz que a decisão causa “óbice” ao exercício profissional da advogada Deborah Prates e faz com que ela fique à mercê da piedade de terceiros.

Deborah, que atua no Rio, usa o computador e escreve e-mails com uma ferramenta que traduz em áudio os textos que aparecem na tela. A profissional relata que essa ferramenta passou a travar com a implementação do Processo Judicial Eletrônico (PJe). Em novembro de 2013, ela solicitou ao CNJ uma liminar que permitisse provisoriamente a continuidade do uso do papel, afirmando que o PJe ignora normas de acessibilidade para a internet e que hoje precisa implorar a outras pessoas para enviar petições eletrônicas, sentindo-se dependente.

O ministro Joaquim Barbosa, presidente do conselho, avaliou em dezembro que não havia razões suficientes para conceder a liminar, já que “o motivo explanado pela reclamante (...) não configura o perigo de dano irreparável ou de difícil reparação”. Barbosa suspendeu a reclamação por entender que já tramita no CNJ um pedido semelhante apresentado pelo Conselho Federal da OAB.

Para a seccional da Ordem no Rio, há claro risco de dano irreparável no tratamento dispensado à reclamante. A decisão de Barbosa retira dela a sua dignidade, “pois a submete à vexatória situação de se valer de outra pessoa para cumprir seu mister”, diz o pedido. O procurador-geral da OAB-RJ, Luiz Gustavo Bichara, um dos signatários, diz que a negativa é grave, pois viola convenções internacionais sobre direitos humanos e o próprio regimento do CNJ, que prevê condições de acessibilidade.

“Trata-se de um capricho. Passamos vários séculos peticionando em papel. Um grupo de pessoas com deficiência não pode agora continuar fazendo isso por mais um tempo até que o sistema seja adaptado?”, questiona Bichara. Segundo ele, a OAB-RJ registrou reclamações de vários outros profissionais com deficiência.

Clique aqui para ler o pedido.

Processo: 0006968-22.2013.2.00.0000

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 28 de janeiro de 2014, 17h41

Comentários de leitores

1 comentário

Serve para todos ?

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Quem negou o pedido foi justamente aquele Ministro que, por ter sérios problemas de coluna, vive "dependurado" sobre o encosto da cadeira,se contorcendo nos julgamentos plenários do STF. Já imaginaram se isso fosse interpretado como ato inconveniente à solenidade do cargo e lhe fosse "exigido" que, igualmente aos seus pares, permanecesse sentado durante toda a sessão ? Pois é exatamente isso: a colega precisa trabalhar e, para tanto,tem que peticionar no papel. Todos entendemos essa sua necessidade especial, tal qual os outros Ministros "entendem" a necessidade especial e incomum do presidente do CNJ, Min. Barbosa de usar a cadeira, mesmo estando em pé, estranhamente, como apoio do corpo, ao invés da bunda.
É a prova provada de que, no Brasil, existe muita lei e nenhum cumprimento.
"ARDENTIBUS IN ANUS OUTREM, REFRIGERATUM EST"

Comentários encerrados em 05/02/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.