Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Parceiro privado

PPPs são boa alternativa em meio à crise nos presídios

Por  e 

Os recentes eventos ocorridos nos presídios no Maranhão são apenas a ponta do iceberg dos problemas enfrentados pelo sistema prisional brasileiro.

Restrições orçamentárias e limitações técnicas são algumas das diversas dificuldades que o Poder Público enfrenta para construir novas unidades prisionais, bem como manter e gerenciar as já existentes.

Nesse cenário, as parcerias público-privadas (PPPs) despontam como uma alternativa capaz de lidar tanto com o deficit de vagas como com a qualidade dos serviços públicos prestados aos detentos. Por meio de PPPs, é possível alocar ao parceiro privado a responsabilidade pela construção de novas unidades (ou a reforma das já existentes), bem como pela sua manutenção e gestão. Dentre as atividades a serem prestadas pelo particular, podem estar serviços de zeladoria (manutenção predial), hotelaria (alimentação, limpeza e vestuário), segurança interna e atividades voltadas aos presos, tais como serviços médicos, psicológicos, educacionais e de capacitação profissional. Já as atividades de execução penal dos presos são indelegáveis e permanecem exclusivamente com o Poder Público.

No cenário internacional, o uso de PPPs para a construção, reforma e manutenção de presídios já encontra exemplos diversos, especialmente na Europa e Estados Unidos. No Brasil, o uso de PPPs para a construção e manutenção de presídios também não é novidade – embora seu uso no setor seja ainda incipiente.

Exemplo marcante e até agora bem sucedido está no estado de Minas Gerais, com a primeira PPP (modalidade concessão administrativa) na área. Conforme noticiado pela mídia, o projeto já está em fase de operação, tendo a Unidade I do complexo prisional recebido o primeiro grupo de detentos, transferidos de outras instalações, em janeiro de 2013.

Por meio desta contratação, foi delegada ao parceiro privado a construção e operação, pelo prazo de 27 anos, de um complexo penal. Além da construção do complexo, ao parceiro privado foram delegados ainda os serviços de gestão predial, a prestação de serviços assistenciais aos presos (nas áreas jurídica, psicológica, médica, odontológica, psiquiátrica, assistencial, pedagógica, esportiva, social e religiosa) e a responsabilidade por disponibilizar a eles alguma ocupação profissional. A remuneração do privado paga pelo Estado é calculada conforme diferentes variáveis, tais como taxa de disponibilização e ocupação das vagas e a qualidade dos serviços prestados pelo particular. O escritório participou da estruturação do sistema de garantias ao parceiro privado, que acabou sendo adotado pelo projeto.

O estado de Pernambuco também utilizou o modelo de PPP para a construção do Centro de Ressocialização de Itaquitinga (contrato assinado em janeiro de 2009), e o governo de São Paulo tem sinalizado que pretende firmar uma PPP para a implantação e gestão de novos presídios na região da Grande São Paulo.

Cite-se, ainda, que tramita no Senado o Projeto de Lei n° 513/2011, que “estabelece normas gerais para a contratação de parceria público-privada para a construção e administração de estabelecimentos penais", na modalidade de concessão administrativa.

Como podemos ver, cada vez mais se desperta para as vantagens que as PPPs apresentam para melhorar o sistema prisional, oferecendo condições dignas aos presos, com a possibilidade de sua efetiva ressocialização.

* Publicado originalmente no informativo "Litteraexpress", nº 465.

Marina Fontão Zago é sócia do Escritório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.

Fernanda Esbizaro Rodrigues é sócia do Escritório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Sociedade de Advogados.

Revista Consultor Jurídico, 24 de janeiro de 2014, 15h25

Comentários de leitores

3 comentários

boa idéia, inclusive para a assistência jurídica

daniel (Outros - Administrativa)

boa idéia, mas não seria bom privatizar tudo, apenas alguns, e também privatizar alguns mutirões de assistência jurídica através de PPP

Aqui não dá !

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Na verdade as parcerias público/privadas normalmente funcionam perfeitamente nos demais países e não só nesse setor(presídios),mas em vários outros. Não teria o menor problema se o Brasil tbém seguisse o exemplo alienígena,não fosse por um pequeno mas incontornável detalhe: AQUI NÃO DÁ! É que não há um setor público (eu reafirmo:UM SEQUER)em que não haja CORRUPÇÃO.Nesse caótico panorama,qquer.parceria restará contaminada,também,por esse processo avassalador e destrutivo. Nós temos inúmeros exemplos em outras áreas (estradas,aeroportos,transportes, etc)onde isso pode ser comprovado. Somos uma Nação peculiar,ímpar, pontual. O que é bom às demais,muito provavelmente não vai funcionar nesta terra da "vantagem". Enqto. n/houver uma assepsia moral,ética,funcional e de caráter não adianta: NÃO FUNCIONA! Temos que colocar a casa em ordem se quisermos sobreviver (ou possibilitar que nossos filhos sobrevivam) nos próximos 30 anos.Eu disse 30? Na verdade duvido que, desse jeito, cheguemos a esse número.

Falácias

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Falácias! Inexiste qualquer restrição orçamentária para que se cuide dos presídios. O que ocorre na verdade é desvio de dinheiro. No Maranhão, por exemplo, foi mostrado pela mídia a luxuria que envolve o Governo, com compra de artigos de luxo de todos os gêneros. Cargos desnecessários abundam para todos os lados, ao passo que os vencimentos dos servidores públicos são astronômicos enquanto a produtividade é baixa. Basta se sanear a máquina para que haja dinheiro suficiente para fazer com que todos os presídios brasileiros sejam exemplo para o mundo.

Comentários encerrados em 01/02/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.