Consultor Jurídico

Notícias

Distribuição de processos

CNJ demite quatro servidores do TJ-MA por fraude

Por unanimidade, o Plenário do Conselho Nacional de Justiça decidiu, nesta terça-feira (11/2), demitir quatro servidores do Tribunal de Justiça do Maranhão.  Após procedimento administrativo, o CNJ concluiu que houve o envolvimento deles em fraudes na distribuição de processos judiciais em tramitação no Fórum de São Luís. Os demitidos são Antônio Felipe Araújo Ribeiro, Simone de Castro Veiga Trovão, Flávio Henrique Silva Balata e Rosângela Quinzeiro de Assunção e Silva.

Segundo o voto do conselheiro Paulo Teixeira, relator do processo, eles distribuíam por dependência, e não por sorteio, processos sem identidade de partes, de pedidos ou outra característica que justificasse tal procedimento. Assim, destacou o conselheiro, violaram o Código de Processo Civil (CPC), o Código de Normas da Corregedoria-Geral de Justiça do Maranhão e o Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Maranhão.

Para o relator, que votou pela demissão do grupo e foi seguido pelos demais conselheiros, os servidores requeridos direcionavam processos para determinados juízos, contrariando as regras da distribuição por sorteio entre os juízos de mesma competência, em total violação ao princípio do juiz natural e às regras de competência de distribuição constantes do Código de Processo Civil.

O conselheiro Paulo Teixeira também lembrou que a atuação dos servidores está relacionada a fatos anteriormente apurados e julgados pelo CNJ, que resultaram na punição de magistrados para os quais os processos eram distribuídos de forma irregular. Algumas das ações resultaram no levantamento de vultosas quantias, tendo favorecido partes e advogados.

“As normas elementares do sistema de distribuição de processos foram deliberadamente abolidas pelos servidores nos casos destacados. Em alguns processos (os quais, lembrem-se, foram envolvidos em desvios de conduta dos magistrados posteriormente), os servidores requeridos optaram por desprezar as normas básicas que orientam a atividade que deveriam dominar – distribuição dos feitos. Agiram, portanto, em desacordo com a lei”, destacou o conselheiro em seu voto.

O Processo Administrativo Disciplinar em questão foi originalmente instaurado pela Corregedoria-Geral de Justiça do Maranhão, em agosto de 2009, diante de fortes indícios de manipulação na distribuição por dependência de processos para determinados juízes. No entanto, por conta de sucessivas suspeições declaradas por magistrados, o retardamento do PAD permitiu o retorno dos investigados às suas funções. Em março de 2012, o Plenário do CNJ aprovou a avocação do processo, em atendimento a pedido da própria Corregedoria-Geral de Justiça do Maranhão. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

PAD 0003361-69.2011.2.00.0000

Revista Consultor Jurídico, 12 de fevereiro de 2014, 14h05

Comentários de leitores

2 comentários

Maranhão

Gabilan (Advogado Autônomo)

O CNJ previsa - e deve - intervir no judiciário trabalhista desse Estado. Urge.

Não tem jeito !

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Porque não jogam uma bomba nesse Estado agonizante? Mas isso tem que ser feito num dia especial, qdo. a família Sarney esteja toda reunida para embarcar junto pro inferno.

Comentários encerrados em 20/02/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.