Consultor Jurídico

Notícias

Correções técnicas

OAB pede mudanças no PJe para ampliar acessibilidade

Por 

Em nova crítica à implantação do Processo Judicial Eletrônico (PJe), o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil solicitou correções operacionais do sistema em pedido de providências apresentado ao Conselho Nacional de Justiça. No documento protocolado na última segunda-feira (3/2), a Ordem cobra a adoção imediata de um padrão internacional (W3C) para permitir o acesso por advogados com deficiência visual.

A mudança foi proposta após o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, ter derrubado, na última semana, decisão do presidente do CNJ, Joaquim Barbosa, que impedia uma advogada cega de apresentar petições em papel. Segundo Deborah Prates, do Rio de Janeiro, a ferramenta, que traduz textos de computador em áudio, não funciona no PJe.

Mesmo com a liminar do STF, a OAB diz que é preciso assegurar o acesso integral aos 1.149 deficientes visuais que exercem a advocacia no Brasil, segundo o cadastro nacional da entidade. Para a Ordem, não basta que o Judiciário tenha um funcionário responsável por fazer cópias digitais de petições em papel. “Os deficientes visuais querem usar o sistema como qualquer outro profissional, dentro do seu escritório e enviar eletronicamente, sem auxílio de terceiros.”

Segundo o pedido de providências, assinado pelo presidente Marcus Vinicius Furtado Coêlho, o PJe está “em avançado estágio de disseminação” nos tribunais do país, mas apresenta “inúmeras inconsistências”, afrontando a Lei 10.098/2000 (Lei de Acessibilidade), a Convenção Internacional sobre Direitos das Pessoas com Deficiência e princípios constitucionais da dignidade da pessoa humana e do acesso à Justiça.

A OAB defende a concessão de uma liminar favorável a mudanças no PJe, devido à existência de dano contínuo dos profissionais com deficiência visual. Segundo o conselheiro Rubens Curado, relator da proposta de resolução que instituiu o processo eletrônico, a acessibilidade é uma das preocupações constantes. “Como toda obra humana, o PJe é passível de aperfeiçoamento.”

Clique aqui para ler a solicitação.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 4 de fevereiro de 2014, 18h55

Comentários de leitores

2 comentários

Pedido de exclusão de mensagens

huallisson (Professor Universitário)

Senhor Consultor Jurídico,
Embora não seja esse o espaço próprio para a natureza desta mensagem, solicito os préstimos de V. Sa. no sentido de remetê-la ao Setor Competente.
Por determinação da juíza LUCIMEIRA MARIA DA SILVA da 5ª Vara Cívil de Brasília, em r. sentença proferida nos autos do Processo n. 2012.01.1.141.295-7, solicito a gentileza de Vossa Senhoria de excluir todas as mensagens publicadas por essa Douta Revista Consultor Jurídico, de minha iniciativa, que contenha qualquer referência, DIRETA OU INDIRETAMENTE, ao ex-presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, o Sr. OPHIR FILGUEIRAS CAVALCANTE JUNIOR. Brasília, 05 de fevereiro de 2014. Pedro Cassimiro de Souza – Analista Jurídico.

Retrógrada

Wakil Asad (Advogado Autônomo - Civil)

É a típica postura desta entidade retrógrada, que vem sempre se posicionando contra qualquer tentativa de modernizar e agilizar este dinossauro que chamamos de judiciário.
Concordo com que o sistema necessite de aperfeiçoamento, mas se os softwares são incompatíveis com o sistema, muito mais simples adaptar os softwares, do que mudar um sistema nacional.
Estes Srs provavelmente são daqueles que arrastam o piano para perto do banquinho

Comentários encerrados em 12/02/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.