Consultor Jurídico

Negligência e má-fé

Banco é condenado em R$ 60 mil por inscrição indevida no Serasa

Retornar ao texto

Comentários de leitores

5 comentários

Valor astronômico!?!?

Leandro Melo (Advogado Autônomo)

Melhor nem comentar!

R$.341.000,00

Chiquinho (Estudante de Direito)

ALIÁS, por ter me assustado com o valor a ser recebido pelo juiz me esqueci de mencionar no comentário: R$.341.000,00!

Insensível, com uma pedra de gelo debaixo dos pés

Chiquinho (Estudante de Direito)

Meu voto de desprezo e repulsa ao desembargador GIFFONI FERREIRA - (E A TODOS OS MINISTROS DO STJ QUE PENSAM ASSIM) -, que divergiu da maioria dos seus pares, alegando em seu voto valor astronômico a ser pago à demandante que teve seu nome negativado, execrado e jogado no fundo da privada.
Fosse uma ação dessa movida favorável a ele, como aconteceu com um Juiz Federal daqui de Pernambuco, que vai receber uma indenização por danos morais contra um miniconstrutor da cidade de Gravatá, por ter sido negligente na condução de um privê e ter afetado o telhado do Juiz, a Justiça foi feita e foi justo o valor! Por que o Tribunal local e o STJ não diminuiu o valor alegando enriquecimento ilícito?

Sinceramente..

Observador.. (Economista)

"Mero problema de negativaçao"? É o nome da pessoa e como ela é vista comercialmente, que foi tratado de qualquer forma.
Jamais configura "mero-qualquer-coisa".

Parabéns

Manente (Advogado Autônomo)

Aos magistrados que fixaram um justo valor na condenação de R$ 60.000,00, mesmo que este ainda se torna vil para uma instituição financeira. Embora, lamentavelmente, o STJ reduzirá.
Com relação ao voto divergente, merece o meu silêncio!!!

Comentar

Comentários encerrados em 28/12/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.