Consultor Jurídico

Colunas

Senso Incomum

É verdade que é tudo mentira... Mitos cotidianos e jurídicos!

Comentários de leitores

18 comentários

30 meses!

Democrata Republicano (Outros)

Sempre digo abertamente: anseio pelas quintas-feiras, pois sei que encontrarei um texto que me me fará constatar a teoria da relatividade do Einstein! Como "passam rápido" as colunas do Lênio! Desde 2012, meados daquele ano, a comunidade é brindada com esse jurista-poeta (ou seria poeta-jurista?), que nos faz parar e pensar, prática cada vez mais abandonada na liquidez da vida (pós-) moderna. De mim sempre extrai as risadas mais francas, de quem "pega" as ironias sem que o estagiário precise levantar a placa! As colunas hebdomadárias do nosso Lênio são um soco na ponta do queixo e uma borrifada de gás hilariante; o nocaute é para os "haters" e as risadas são para todos, ora bolas...
Parabéns, Lênio" És inspirador de multidões há décadas, mas este espaço lhe permitiu tocar o coração de nós, jovens e esperançosos juristas de terrae brasilis.
Que a indignação persista!
Saudações.

I'll be back!

Rodrigo Beleza (Outro)

Skynet não é o nome da inteligência artificial que controla o mundo e escraviza a humanidade no Exterminador do Futuro?

Vamos estocar!!!

Paulo Roberto Silva (Advogado Autônomo - Civil)

Aqui não existe propaganda enganosa, pois o (dileto) professor Lenio Streck sempre nos entrega excelentes e autênticos textos.
Deleito-me com a grande qualidade dos seus artigos, invariavelmente, convidativos à reflexão.
Divirto-me, também, com alguns comentários/comentaristas externando reclamações relacionadas à forma e ao conteúdo dos seus artigos.
O que querem? Que alguém com a bagagem cultural que detém o professor Lenio escreva e articule as ideias como um néscio?
Um pouco de esforço mental e bom humor não fazem mal a ninguém.
Avante, professor.

Que pena esse povo ser assim e assado.

wilhmann (Advogado Assalariado - Criminal)

O Br na Belle Époque detém algumas colocações avantajadas: desajuste social, ALTAS taxas de juros, extensão territorial, população, números de copas vencidas, corrupção, esta não possível mensurar, mas a lado hipócrita é o que mais se agiganta. Mas nenhuma delas é balsamo ao coração. Tudo tende ao fingimento, uns se dizendo bons, outros munidos com a manjada arte da representação, veja que a TV é tb eloqüente exemplo. Cada um preocupado só em aparecer... Se só fosse o narcisismo tudo bem!! Mais subtendidos a tudo está a busca fanática pelo dinheiro, como etapa final. Assomar-se a qq custo, pois mais à frente vem os deleites e o leite da criançada. Deveriam todos passar pela metamorfose de Gregor, para, depois, sumirem peremptoriamente do "mapa", sendo rejeitados. A demagogia reina absoluta, Kakfa já havia prenunciado no book, Samsa amado, depois execrado. Analogicamente esses que se dizem paladinos da patuléia estão sim envernizados até o fígado. O nosso clímax parece ser mesmo o apocalipse; que se chegue até plutão logo, já agora nanico, para que possamos respirar um ar menos ou mais rarefeito, já que a bestialidade que aqui se apresenta não é digna de se arrostar; e lá quiçá seja melhor! Se bem que o pior, pode ficar pior, remember Murphi. Isso é pessimismo? Pode ser! Mas não é. Frente a tantas sandice deveríamos congelar nossos corações para evitar que a sofregridão de dias melhores melhore de fato. 10 Lênio, com louvor!!!!

Crítica ao desrespeito.

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Sobre o excesso do magistrado, há versões (bem controvertida) sobre a inobservância (pela TAM) e a observância (pelo consumidor) dos prazos mencionados no tíquete. Qual é a verdadeira? De outro lado, já foi sugerido que diante do desrespeito ao direito do consumidor o melhor seria relaxar e...
Também entendo que o Poder Judiciário pode e deva ser criticado, pois seus órgãos são servidores do público.
O resultando de uma crítica, ainda que respeitosa, muitas vezes é uma resposta ilegal e desproporcional ao direito da parte, que é representada por quem externa a reprovação. Creio que não haja advogado satisfeito com certas posturas do Poder Judiciário, mas os que decidem, marotamente, sabem bem como dar o "troco". A crítica, que é sempre necessária e possível, de fato significa andar na corda bamba...

A academia também deveria ler o texto citado

Alessandro Silverio (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

A própria academia tem se revelado incapaz de combater a jurisprudência, principalmente aquela oriunda das cortes superiores. Não sei se por clientelismo ou por falta de coragem.

Autoridade

Danilo Gavião (Servidor)

Texto interessante. Realmente, é preciso desmistificar a autoridade, principalmente em um país em que fervilham os "argumentos de autoridade" em decisões judiciais.

A propósito: a dinâmica desse texto me lembrou o José Simão, da Folha.

E o chocotone, então?

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Se virem a reportagem sobre a propaganda de chocotone...
Sabe aquele que parece "expelir" chocolate?
Acionem o CONAR, pois o fotógrafo foi enquadrado pela câmera de TV na posse de uma seringa de bom calibre injetando doses cavalares de chocolate nos pedaços cujas fotos estampariam caixas, peças publicitárias e folhetos de supermercados.

Sem exageros

isabel (Advogado Assalariado)

Sou admiradora de seus textos, embora não aprove o tom alarmista e a "hipérbole" do "vou estocar comida", o que, sem dúvida alguma não será necessário, haja vista que não serão estas tolices comuns do ser humano - e da sociedade - que farão "acabar o mundo". Este texto foi um que quase parei de ler antes do final por conta dos exageros... Não creio que seja para tanto ... Mas, felizmente cheguei ao final pra ver você recobrar o tom que sua cultura abriga, e conhecer a espetacular lição do professor Fragoso... No fim, você nunca decepciona.

Mais importância... aos Professores; por serem, Professores!

Henrique Raupp (Advogado Associado a Escritório - Tributária)

Excelente a citação de Fragoso, Professor!
É, realmente, triste entrar em uma sala de aula, especialmente as de prática civil e penal, e apre(e)nder, sob pena de se ter desconto em nota, que se vem a juízo pedir "mui respeitosamente" e "com a devida licença" algo; só faltou colocar "e de rabinho baixo". Absurdo!
Acadêmicos de hoje admiram muito mais Juízes, Promotores e Delegados (enfim, exercentes de funções públicas), do que Professores, pelo simples fato de serem, isto mesmo, Professores - e ponto!
"Mas ele é-só-Professor". "Gostei daquele outro. Ele-passou-em-todos-os-concursos-que-fez". "O primeiro é péssimo, só-é-Professor".
Pouco importa se tenha Mestrado, Doutorado, enfim, uma vida de dedicação a área acadêmica. Começamos errado, pois, quem deveria realmente ensinar e ser admirado por isto, não é.

ainda não foi dessa vez...

Ruppert (Servidor)

que você escreveu algo de forma simples para que eu não perca meu tempo tentando adivinhar sobre o que vc quis ou quer dizer.
desculpa, a "inserção" de linguiça não me atrai.

xiiii

afixa (Administrador)

e o fluminense? jogou este ano baseado em engano(nadores)?

Ehehehehe

Paulo R. M. Gutecoski (Estudante de Direito - Empresarial)

Festejado jurista Streck, foi a coluna perfeita e engraçada, para encerrarmos esse ano. Dá para passar a régua, fechar as cortinas e apagar as luzes. Voltamos só em 2015.

Advogado

Forbeu (Outros)

Obrigado pela indicação do texto do Fragoso, inspirador.
Outra coisa interessante, são sessões do poder judiciário ou legislativo onde se perdem horas para ficarem elogiando os feitos uns dos outros.

Uma Crítica Necessária

Guilherme H. M. (Serventuário)

Um texto que denuncia os problemas sobre os quais temos de refletir, em nossa sociedade e no Direito, especialmente. Parabéns ao autor.

belo texto!

R. G. (Advogado Autônomo)

Simples e contundente.

Tive que confirmar...

maria38 (Outros)

...E não é que é tudo verdade? http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/11/1552815-conar-investiga-diletto-e-suco-do-bem-por-historias-inventadas.shtml

Playboy

Scrideli (Advogado Autônomo - Civil)

Sugiro aqui uma investigação rigorosa em face da Revista Playboy, que reiteradamente vende gato por lebre!!

Comentar

Comentários encerrados em 19/12/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.