Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo desafio

Alberto Toron é nomeado para juiz do TRE de São Paulo

Por 

O criminalista Alberto Zacharias Toron (foto) foi nomeado pela presidente Dilma Rousseff juiz do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. Advogado há 32 anos, Toron irá ocupar a cadeira da classe jurista, destinada aos advogados na corte. A nomeação deverá ser publicada no Diário Oficial da União após o feriado de Páscoa.

“Eu me sinto honrado e feliz pela escolha, que para mim representa um enorme desafio. Para mim é importante porque é como se fosse um reconhecimento pelos mais de 30 anos de exercício da advocacia”, afirmou Toron, que foi informado da nomeação pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, na noite desta quarta-feira (16/4).

O processo de escolha de Toron teve início com sua manifestação de interesse perante o Tribunal Regional Eleitoral. Os nomes foram submetidos a análise do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, que definiu a lista tríplice. De volta ao TRE para recolhimento de documentos, os nomes foram enviados ao Tribunal Superior Eleitoral, que analisou dois quesitos: se os candidatos possuíam notório saber jurídico e reputação ilibada. Aprovada pela corte eleitoral, a lista chegou ao ministro da Justiça, que a submeteu ao crivo da presidente.

O novo magistrado é mestre e doutor em Direito Penal pela Universidade de São Paulo, com especialização pela Universidade de Salamanca e em Direito Penal Econômico pela Universidade de Coimbra. Também é professor de Direito Penal. 

Toron se destacou na advocacia atuando em casos de grande repercussão, como na defesa do ex-presidente da Câmara dos Deputados João Paulo Cunha (PT) na Ação Penal 470, o processo do mensalão, e do ex-juiz Nicolau dos Santos Neto. Também foi presidente do conselho de entorpecentes de São Paulo durante o governo Mário Covas (PSDB).

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 17 de abril de 2014, 18h56

Comentários de leitores

18 comentários

Instinto policial

Pek Cop (Outros)

Como frustração nunca policial tem Direito a ampla defesa filosofia

Tristeza

Pek Cop (Outros)

O que quero dizer é que perdemos um gênio da advocacia para defender um partido político como o PT, isso chateia q ser humano!

Tristeza

Pek Cop (Outros)

O que quero dizer é que perdemos um gênio da advocacia para defender um partido político como o PT, isso chateia q ser humano!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/04/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.