Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova eleição

Clayton Camargo renuncia à presidência do TJ-PR

O Tribunal de Justiça do Paraná confirmou que o desembargador Clayton Camargo renunciou à presidência da corte na terça-feira (24/9), por motivo de saúde. O 1º vice-presidente, desembargador Paulo Roberto Vasconcelos, interrompeu licença especial e assumiu a presidência do TJ-PR nesta quarta.

A renúncia foi formalizada em carta enviada por Clayton Camargo à desembargadora Dulce Maria Cecconi, no exercício da presidência do tribunal. Uma nova eleição está marcada para o próximo dia 3 de outubro, com participação do Pleno do TJ-PR. De acordo com a corte paranaense, deixou apenas a presidência, mas continua atuando.

Na segunda-feira, alegando problemas de saúde, Clayton pediu sua aposentadoria e renunciado à presidência. Com 67 anos, ele pediu a aposentadoria três anos antes do prazo compulsório, e passaria a receber R$ 26 mil mensais. No entanto, o corregedor nacional de Justiça, ministro Francisco Falcão, determinou a suspensão da tramitação da aposentadoria até que a Corregedoria Nacional de Justiça julgue sindicância contra o desembargador.

Clayton Camargo envolveu-se em polêmica, nos últimos meses, com o jornal Gazeta do Povo, que noticiou estar proibido de publicar reportagens sobre o desembargador. As notícias em questão envolviam acusações de corrupção. O jornal entrou com recurso junto ao Supremo Tribunal Federal contra a proibição, e próprio desembargador suspendeu a ação que havia movido. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-PR.

Revista Consultor Jurídico, 25 de setembro de 2013, 17h21

Comentários de leitores

1 comentário

Previsível

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Geralmente quando os juízes se afastam dos cargos a cadeia de troca de favores que os mantém sofre alterações, agravando a situação notadamente quando há denúncias. O desfecho do processo administartivo disciplinar em curso perante o CNJ, assim, passa a ser mais previsível.

Comentários encerrados em 03/10/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.