Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito à privacidade

PGR contesta criminalização de sexo em área militar

A Procuradoria-Geral da República ajuizou, no Supremo Tribunal Federal, Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 291, na qual questiona a constitucionalidade do artigo 235 do Código Penal Militar, que tipifica como crime a “pederastia ou outro ato de libidinagem” em lugar sujeito a administração militar. O dispositivo, segundo a PGR, viola os princípios da isonomia, da liberdade, da dignidade da pessoa humana, da pluralidade e do direito à privacidade.

A PGR afirma que, a partir da Constituição Federal de 1988, não há fundamento “que sustente a permanência do crime de pederastia no ordenamento jurídico brasileiro, tendo em vista que é nitidamente discriminatório ao se dirigir e buscar punir identidades específicas, sem qualquer razão fática ou lógica para tal distinção”. O crime estaria inserido num contexto histórico de “criminalização da homossexualidade enquanto prática imoral, socialmente indesejável e atentatória contra os bons costumes”, visão que não mais se sustenta internacionalmente.

Discriminação
A norma do artigo 235 do Código Penal Militar, que criminaliza o militar que praticar ou permitir que com ele se pratique “ato libidinoso, homossexual ou não, em lugar sujeito a administração militar”, sujeitando-o à pena de detenção de seis meses a um ano, foi, de acordo com a PGR, criada no contexto histórico de um regime militar ditatorial, e escancara visões de um momento político autoritário e pouco aberto às diferenças e à exposição delas. Os termos “pederastia” e “homossexual ou não”, portanto, teriam viés totalizante e antiplural.

Para corroborar a argumentação, a Procuradoria remete à exposição de motivos do Código Penal Militar para incluir entre os crimes sexuais a “nova figura” da pederastia: “É a maneira de tornar mais severa a repressão contra o mal, onde os regulamentos disciplinares se revelarem insuficientes”, diz o texto. A PGR sustenta que a discriminação é explícita, e, mesmo com a retirada dos termos “pederastia” e “homossexual”, sua aplicação continuará afetando primordial e intencionalmente os homossexuais. Uma vez que a grande maioria do contingente das Forças Armadas é masculina, e havendo ambientes estritamente masculinos, “os heterossexuais, em tese, não seriam atingidos pela norma de austeridade sexual”.

Liberdade sexual
Além do aspecto discriminatório, a Procuradoria aponta que a norma tem o objetivo de limitar a liberdade sexual dos militares. Finalmente, a PGR diz que, em qualquer ambiente de trabalho, os atos inapropriados são punidos. No caso, porém, o Código Penal Militar utiliza o Direito Penal, “cujo princípio é o da intervenção mínima”, para reprimir “o que é considerado inapropriado em algumas situações”. O que seria passível de punição, assim, seria o assédio sexual, de acordo com a PGR. “Não pode haver criminalização do exercício pleno da sexualidade consensual entre dois adultos, ainda mais quando os indivíduos não estejam exercendo qualquer função”.

Assim, a PGR pede a concessão de medida cautelar para suspender a eficácia do artigo 235 do Código Penal Militar, até o julgamento definitivo da arguição. No mérito, pede que seja declarada a não recepção do dispositivo pela Constituição de 1988. O relator da ADPF é o ministro Luís Roberto Barroso. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2013, 20h17

Comentários de leitores

4 comentários

Regras violadas devem ser punidas

Márcio R. de Paula (Estudante de Direito - Previdenciária)

A criminalizaçao da pratica de sexo e inconstitucional baseado na dignidade da pessoa humana. Ocorre que, nao sendo a pratica permitida pelo mesmo este tem o direito de aplicar a puniçao prevista em lei ou em seu regimento interno. No caso apresentado e nao cabe prisao, cabe ao empregador a demissao , dos faltosos, por justa causa.

Sem tempestade em copo d´agua

Marco Martins (Professor Universitário - Civil)

Ao meu ver o que se está buscando é apenas NÃO MAIS SEJA CRIME a conduta de práticas sexuais dentro do ambiente militar.
Nada obsta que nos regulamentos administrativos isso ainda conste, como critério que desabone a conduta do militar.
Assim como não é crime fugir de uma prisão, por ser esse instinto natural do ser humano, o desejo sexual não pode ser criminalizado, seja onde o indivíduo estiver. E não há provas que isso desvirtue a obediencia e hierarquia militar, cada qual é uma coisa diferente.
Cabe lembrar, que o desejo sexual é algo inerente ao ser humano como animal que somos, e que não há lugar nem momento para se acontecer encontros sexuais.
Não sejamos puritanos nem hipócritas!

Nada mais o que fazer

Alex Wolf (Estudante de Direito)

Parece que essa PGR não tem mais nada para fazer. Afirmar que a “criminalização da homossexualidade enquanto prática imoral, socialmente indesejável e atentatória contra os bons costumes”, não mais se sustenta internacionalmente é o fim da picada, ainda mais num ambiente militar. Acho que o procurador está achando que a prática da homossexualidade dentro de um quartel é um bom e saudável costume. Está faltando pouco para tornar a homossexualidade obrigatória.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/09/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.