Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Petista histórico

Morre em São Paulo ex-ministro Luiz Gushiken

Morreu nesta sexta-feira (13/9) o petista e ex-secretário de Comunicações Luiz Gushiken, um dos absolvidos pelo Supremo Tribunal Federal na Ação Penal 470, o processo do mensalão. Ele estava internado no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, por conta de um câncer. Tinha 63 anos. No sábado (7/9), recebeu amigos fundadores do PT para se despedir. Estiveram com ele Aloizio Mercadante, Eduardo Suplicy e José Dirceu.

Gushiken era um petista importante. Sempre esteve ligado ao círculo mais próximo de Luiz Inácio Lula da Silva e a José Dirceu. Foi deputado federal e trabalhou nas candidatura de Lula à Presidência em 1989, quando ele perdeu para Fernando Collor, e em 1998, quando saiu vitorioso Fernando Henrique Cardoso, reeleito.

Dirigente sindical, formou-se em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas e trabalhou no Banespa entre 1970 e 1999. Quando estudante, militava na Liberdade e Luta, ou Libelu, braço estudantil da Organização Socialista Internacionalista (OSI) de orientação trotskista.

Gushiken era um dos principais articuladores políticos do PT. Teve papel fundamental na defesa dos fundos de pensão quando das denúncias envolvendo o banqueiro Daniel Dantas e seu banco Opportunity. E 2005, quando Roberto Jefferson deu entrevista à Folha de S.Paulo contando o que hoje é conhecido como mensalão, Gushiken estava na Secretaria de Comunicação da Presidência, a Secom. Era tido como um dos mentores de um esquema de caixa dois eleitoral usado pelo PT durante a eleição de Lula em 2003. E era conhecido como um dos heróis do PT.

No mensalão, as acusações a Gushiken eram de que ele repassava dinheiro da Secom à agência de publicidade de Marcos Valério, a DNA Propaganda. De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal, esse repasse era disfarçado por meio de contratos de anúncio feitos pelo Banco do Brasil. Foi absolvido das acusações, a pedido do MP, por falta de provas.

Logo depois das denúncias do mensalão, Gushiken saiu da Secom e se tornou assessor especial de Lula. Deixou o governo em novembro de 2006 e passou a dar consultoria empresarial. Em 2007, foi multado pelo Tribunal de Contas da União por ter firmado contratos publicitários irregulares e por não ter fiscalizado a execução.

*Texto alterado às 22h15 da sexta-feira (12/9).

Revista Consultor Jurídico, 13 de setembro de 2013, 21h38

Comentários de leitores

2 comentários

PAZ

PEREIRA (Advogado Autônomo - Civil)

Fecha os olhos e morre calmamente!
Morre sereno do Dever cumprido!
Nem o mais leve, nem um só gemido
traia, sequer, o teu Sentir latente.
(Cruz e Souza)

Embargo infringente

J.Henrique (Funcionário público)

Embargo infringente dos Céus!! A decisão da justiça humana foi revista.

Comentários encerrados em 21/09/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.