Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sociedades S.A.

Carta de Princípios é necessária para gestão de pessoas

Por 

Por conta de sua amplitude, profundidade e riqueza, o tema da gestão de pessoas nos parece inesgotável.

Nele falamos acerca das pessoas, suas expectativas, comportamentos, vocações, percepções, sentimentos, racionalidade, crenças, potenciais, afetos, relacionamentos, ações, reações e por aí afora. O indivíduo, embora único, é um universo vasto e complexo.

Na ótica da administração da pessoa jurídica, abordam-se as estratégias, práticas e técnicas para dar sentido, para tornar viável e produtivo o convívio dos homens dentro das organizações. Recrutar, selecionar, remunerar, avaliar, treinar, desenvolver, planejar carreiras, liderar, estruturar tarefas e responsabilidades, comunicar, motivar, dentre outros, são encargos deste campo.

A coexistência das pessoas no local de trabalho, físico ou virtual, nos dá a formação do ambiente organizacional, cenário no qual se realiza a gestão de pessoas. Pode-se dizer que o ambiente é uma parte importante da personalidade da organização. E como tal merece e precisa ser conhecido com clareza.

Como poderia ser possível praticar uma boa gestão de pessoas, sem que estas tenham claro conhecimento da personalidade da pessoa jurídica — organização — com a qual convivem intensamente, dia após dia?

Daí, a importância das organizações formularem e praticarem uma Carta de Princípios, contendo a sua “Visão, Missão e Valores”. É um exercício sério de autoconhecimento e afirmação da organização, cujo resultado será conhecido pela sua equipe de colaboradores e se propagará pelo mundo, leiam-se clientes, fornecedores, acionistas, parceiros, comunidade etc.

Recomendo que na formulação desta carta, sejam observados os seguintes conceitos e parâmetros:

Visão
— A Visão mostra o que se quer ser, aonde se quer chegar.
— Como a organização quer ser vista por si mesma e pelo mundo.
— É compacta, fácil de ler, entender e memorizar.
— Identifica a organização (lembre-se: personalidade é o que faz uma pessoa ser diferente de todas as outras).
— Revela o espírito da organização, seu desejo e propósitos mais relevantes.
— Descreve a situação escolhida para o futuro, visualizável em determinado espaço de tempo.
— É atingível, desafiadora, imperativa e vai além do que é confortável.
— A Visão é uma bússola, que orienta, inspira, inclusive nos momentos mais difíceis.

Missão
— A Missão é o que se faz ou se deve fazer para alcançar a Visão.
— É compacta, fácil de ler, entender e memorizar.
— Pode ser composta por vários itens.
— Mostra as ações (verbos no infinitivo), atividades e preceitos - chave da organização.
— A Missão revela o caminho que a organização percorre para atingir a sua Visão e definirá os seus padrões de qualidade.

Valores
Características básicas e marcantes da personalidade organizacional que ao mesmo tempo definem a amplitude e os limites éticos das ações da Missão e do ideal da Visão. Eis alguns exemplos de valores organizacionais: 

AmbiçãoCriatividadeHarmonia InteriorProsperidade
ArrojoDesafioImagemRazão
Bem EstarDeterminaçãoIntegraçãoRealização
Competência TécnicaDiplomaciaIntegridadeReconhecimento
CompetitividadeDisponibilidadeIntelectualidadeReflexão
ComunicaçãoEspontaneidadeLegalidadeRespeito
ConhecimentoEstabilidadeObjetividadeSegurança
ConsensoEstéticaOrdenaçãoSustentabilidade
CooperaçãoExpansãoPersistênciaTolerância
CordialidadeGovernançaPoderTradição

A criação da Carta de Princípios é, com o perdão da redundância, trabalho trabalhoso, mas, no entanto, muito compensador e revelador. Mas, lembremo-nos, estamos falando das organizações, das pessoas jurídicas, não naturais.

Então, estendo aqui o convite que sempre realizo nos trabalhos de coaching e orientação de carreira, para que as pessoas — estas naturais — formulem a sua própria Carta de Princípios. Afinal, no exercício do papel profissional, nós, pessoas, temos Visão, Missão e Valores que praticamos. E não somos, nem podemos ser, apenas currículos ambulantes a viver no ambiente organizacional.

 é consultor da VOC Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, palestrante e professor especializado em gestão de pessoas e desenvolvimento organizacional. Graduado em Administração de Empresas e Economia pela Faap, Coach Executivo & Pessoal certificado pelo ICI - Integrated Coaching Institute, pós-graduado em Gestão Estratégica e Total Quality Management pela FGV-SP, e Comunicação Empresarial pela ESPM; foi Executivo em empresas nacionais e multinacionais e professor convidado em cursos de pós-graduação da FGV/GVlaw-SP, UNISINOS-RS e IICS/CEU-SP, além de vice-presidente do CeaEAE – Centro de Estudos de Administração de Escritórios de Advocacia.

Revista Consultor Jurídico, 6 de setembro de 2013, 8h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/09/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.