Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Noticiário Jurídico

A Justiça e o Direito nos jornais deste sábado

Após esperar por dois anos a colaboração do Ministério Público Federal, os procuradores da Suíça que investigam negócios feitos pela multinacional francesa Alstom com o governo do estado de São Paulo arquivaram as investigações sobre três acusados de distribuir propina a funcionários públicos e políticos do PSDB. Nenhum pedido feito pela Suíça foi atendido. Segundo a Procuradoria da República em São Paulo, o gabinete do procurador Rodrigo de Grandis, responsável pelas investigações sobre os negócios da Alstom no Brasil, cometeu uma "falha administrativa": o pedido da Suíça foi arquivado numa pasta errada e isso só foi descoberto nesta quinta-feira (24/10). A Procuradoria disse que já avisou o departamento responsável pela cooperação com autoridades estrangeiras sobre o problema e que as autoridades suíças serão indagadas se ainda querem adotar medidas quanto aos suspeitos. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.


Belo Monte
O desembargador Antônio Souza Prudente, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, determinou a paralisação das obras da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. A decisão também proíbe repasses de qualquer tipo de recurso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao consórcio Norte Energia até que todas as medidas preventivas do ponto de vista ambiental – e prometidas pelas empresas – sejam cumpridas. O desembargador acatou denúncias do Ministério Público Federal, que questiona a viabilidade ambiental do projeto. “Estão atropelando a legislação e fazendo o que querem em Belo Monte”, alerta Prudente em sua decisão. Caso não atenda a determinação judicial, o consórcio Norte Energia, responsável pela construção, pagará multa diária de R$ 500 mil. As informações são do jornal Estado de Minas.


Criação de cargos
O ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski afirmou que um parecer prévio do Conselho Nacional de Justiça, "embora desejável", não deveria ser obrigatório para orientar a criação de cargos em tribunais. “O Parlamento nacional é integrado pelos representantes da soberania, ele representa a soberania do país, portanto, a meu juízo, o Congresso Nacional, em princípio, quando decide, decide em nome do povo e não está vinculado a parecer de quem quer que seja", disse o ministro. Na quinta-feira (24/10), a Comissão Mista de Orçamento do Congresso aprovou uma emenda na Lei de Diretrizes Orçamentárias que dispensa o parecer do CNJ para o aumento da estrutura do Judiciário, o que permite ao Congresso criar os novos Tribunais Regionais Federais sem a análise do ministro Joaquim Barbosa, contrário à medida. O texto ainda precisa ser referendado em plenário. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.


Tráfico de pessoas
A juíza Maria Isabel do Prado da 8ª Vara Federal Criminal de São Paulo aceitou denúncia do Ministério Público Federal contra cinco brasileiros e dois angolanos pelos crimes de tráfico internacional de pessoas, rufianismo, favorecimento de prostituição e associação criminosa. Eles são acusados de aliciar mulheres que eram mandadas para países como Angola, África do Sul e Portugal. De acordo com as investigações, a organização criminosa internacional contava com dois núcleos, um no Brasil e outro em Angola. O grupo utilizava os nomes de um grupo musical e duas empresas, uma primeira sediada no Brasil e outra em Angola, para facilitar a obtenção de vistos para as mulheres enviadas ao exterior e para ocultar práticas criminosas relacionadas ao tráfico internacional de pessoas. As informações são do portal G1.


Prisão de manifestantes
Entidades de direitos humanos recorreram à Organização dos Estados Americanos (OEA) para denunciar as circunstâncias da prisão de ativistas em protestos no Rio de Janeiro. A organização não governamental (ONG) Justiça Global e o Instituto de Defensores de Direitos Humanos (DDH) questionam os critérios para a prisão de 190 pessoas, dais quais sete permanecem detidas. Segundo as entidades de direitos humanos, a prisão dos ativistas foi arbitrária e baseada em elementos frágeis. Além disso, questionam a aplicação da Lei de Organizações Criminosas (Lei 12.850), aprovada em agosto deste ano, contra os ativistas, prática considerada exagerada também pela Ordem dos Advogados do Brasil. As informações são do portal Terra.


Coronel espancado
Em São Paulo, o coronel da Polícia Militar de São Paulo Reynaldo Simões Rossi, comandante da região central da capital, foi espancado nesta sexta-feira (25/10) por um grupo de black blocs durante manifestação do Movimento Passe Livre (MPL). O comandante foi atacado logo depois de parte dos manifestantes iniciar a depredação do terminal. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 26 de outubro de 2013, 11h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/11/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.