Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Exclusão dos quadros

Advogada consegue direito de se desligar da OAB

Por 

O direito de desligar-se dos conselhos de fiscalização profissional é livre, bastando a manifestação de vontade do inscrito, não podendo ser condicionado nem à prova do não exercício da profissão, nem ao pagamento de anuidades, sob pena de afronta ao artigo 5º, incisos II e XX, da Constituição Federal.

entendimento levou a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região a manter sentença que garantiu a uma advogada o direito de se desligar da Ordem dos Advogados do Brasil. Assim como o juízo de primeiro grau, o colegiado entendeu que a então advogada não poderia ter seu pedido indeferido em função de dívidas ou por qualquer norma interna que impedisse, concretamente, a sua saída.

O relator da Apelação em Reexame Necessário, desembargador federal Luís Alberto D'Azevedo Aurvalle, só não concordou com o reconhecimento de dano moral, arbitrado em R$ 5 mil.

‘‘Na hipótese dos autos, verifico que o fato ocorrido se enquadra em mero aborrecimento, sem comprovação de ter causado um mal evidente à autora pela cobrança das anuidades ou pela negativa de exclusão do quadro dos advogados da OAB-RS, a ponto de desencadear um abalo moral ou psicológico e gerar indenização pelas cobranças efetivadas pela ré’’, justificou o relator, reformando a sentença no aspecto. O acórdão foi lavrado na sessão do dia 1º de outubro.

O caso
Cleusa Maria Lemke contou à Justiça que pediu seu desligamento da seccional gaúcha da Ordem dos Advogados do Brasil em 23 de dezembro de 2009, ocasião em que devolveu sua carteira funcional. O pedido, entretanto, foi indeferido, sob o argumento de que havia mensalidades pendentes de pagamento.

Informou que, em 10 de abril de 2007, saldou o débito — no valor de R$ 4.147,76. No entanto, o pagamento não foi suficiente para efetivar a ‘‘baixa’’, pois a Ordem passou a exigir mais R$ 1.818,27, valor referente ao saldo da anuidade de 2007 e às de 2008 e 2009.

Disse que se surpreendeu, inclusive, com a cobrança de anuidade pelo período em que esteve cumprindo as penalidades de suspensão do exercício profissional (90 dias, num processo; e 30 dias por outro). No seu entendimento, o período de tais penalidades deveria ser abatido do fato gerador das respectivas anuidades.

Além da inexigibilidade da cobrança de anuidades nos 120 dias em que esteve suspensa, assim como a partir do ano de 2010, e de sua exclusão dos quadros da OAB, a autora pediu o pagamento de danos morais. Alegou que ficou abalada emocionalmente diante das cobranças.

A sentença
O juiz Altair Antonio Gregorio, da 6ª Vara Federal de Porto Alegre, afirmou na sentença que o pedido de cancelamento feito no final de 2009 afasta a cobrança de anuidades a partir de então. Conforme o magistrado, a alegação de que tal pedido não poderia ser acolhido em função de regra posta no Regimento Interno da OAB gaúcha não merece amparo.

Segundo o juiz, o artigo 11, da Lei 8.906/94 (Estatuto da Advocacia), não subordina o pedido de cancelamento de inscrição na Ordem a nenhuma providência por parte do interessado. E mais: o artigo 5º, inciso XX, da Constituição Federal, outorga às pessoas livre vontade associativa, pois diz que ‘‘ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a permanecer associado’’.

‘‘Assim, é ilícita a recusa da entidade profissional de condicionar o cancelamento da inscrição à quitação de débitos previamente existentes, e mais ainda quando indevidos’’, observou.

O julgador entendeu, por outro lado, que a seccional pode exigir a cobrança de anuidades de advogado que este esteja cumprindo pena de sansão disciplinar. É que não existe previsão legal de isenção de pagamento de anuidades em favor do profissional suspenso, pois estas são devidas pelo só fato deste estar inscrito no órgão de fiscalização profissional, pouco importando se exerce, efetivamente, sua atividade ou não.

Por fim, o titular da 6ª Vara Federal de Porto Alegre reconheceu a responsabilidade civil da OAB gaúcha, já que, a seu ver, ficou comprovado o ato ilícito — a negativa de cancelamento da inscrição.

‘‘Firmo posicionamento de que, para a comprovação do dano moral, basta a prova do ato ilícito, o que in casu ocorreu, sem a necessidade de se demonstrar o sofrimento moral. Nesse sentido é o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, pois se caracteriza como dano in re ipsa, não dependendo, portanto, da prova objetiva do abalo psicológico sofrido’’, arrematou, arbitrando a reparação em R$ 5 mil.

Clique aqui para ler a sentença.

Clique aqui para ler o acórdão.  

 é correspondente da revista Consultor Jurídico no Rio Grande do Sul.

Revista Consultor Jurídico, 23 de outubro de 2013, 14h40

Comentários de leitores

12 comentários

Justiça justa

Jorge Florentino (Advogado Autônomo - Criminal)

Os habitantes da Região sul do País se consideram terem formação europeia no que particularmente concordo.Mas infelizmente desta feita a OAB Gaúcha se portou de forma não condizente por sem sombra de dúvida ter violado flagrantemente a Constituição da República Federativa do Brasil.
Ora se a Requerente não se encontrava em condições econômicas para quitar com a inadimplência;se não fosse deferido o pleito na Justiça que provou o que os sulista propagam; por certo o débito só iria aumentar.

Advogada consegue direito de se desligar da OAB

Helio Santiago (Outros)

Q sirva d JUSTA lição e seja referenciada a jurisprudência dessa ação.
A qualificação profissional, competência comprovada através da responsabilidade coadunada pela legitimidade q garanta ao cidadão exercer regularmente suas atividades laborais, independem d sindicalização, conselho e ou associações, ficando ao seu próprio e pessoal arbítrio participar ou ñ d sociedades ou órgãos d classe, condição d direito básica inerente ao indivíduo, enquanto agente social multiplicador d ações, com ou sem a referida participação.
A habilitação dos feitos profissionais do cidadão para com a sociedade, necessita, SIM, d comprovações quanto ao conhecimento da especificidade, dada aos feitos, por meio, se for o caso, d graduação, e, notadamente, pelo próprio mercado, principal meio avaliador d seu ingresso mediante os resultados, méritos d sua devida capacitação.
No mais, há fraudes por demais, compostas por títulos ditos profissionais à locupletar injustas corporações.

Fim do regime de chapas

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A OAB precisa acabar com o sistema de chapas, pois da forma como está não há a necessária representação nos órgãos internos de decisão. Hoje, quem ganha a eleição leva tudo, e o grupo acaba por dominar todas as funções. As eleições deveriam permitir que qualquer advogado se candidatasse a conselheiro seccional, ganhando os mais votados dependendo do número de vagas. O mais votado ficaria com a presidência. Com isso, teríamos advogados de todas as tendências nos órgãos, pelo que haveria debates e finalmente algumas progressões. Por outro lado, o tribunal de ética deve deixar de ser um braço persecutório do grupo dominante. Deve funcionar de forma independente, sem qualquer influência do presidente da seccional ou dos conselheiros estaduais, ao contrário do que acontece hoje.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/10/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.