Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Organização criminosa

MP de São Paulo denuncia 175 integrantes do PCC

O Ministério Público de São Paulo denunciou, no último dia 11 de setembro, 175 acusados de participar do Primeiro Comando da Capital (PCC). A acusação é de formação de quadrilha armada para o fim de cometer crimes em todo o estado de São Paulo, especialmente tráfico de entorpecentes, contra o patrimônio e contra a vida de agentes públicos, além da aquisição, posse e manutenção em depósito de armas de fogo, atuando sempre sob a forma de organização criminosa.

O MP-SP pediu a prisão preventiva de todos os denunciados e a decretação de Regime Disciplinar Diferenciado no sistema penitenciário para 35 presos. Os pedidos foram todos rejeitados pela Justiça, sob o argumento de que seria necessário analisar mais detidamente as acusações. O Ministério Público diz em nota que já recorreu destas decisões. O processo tramita sob sigilo.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, as investigações foram feitas pelo Grupo Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) ao longo de três anos. Os promotores reuniram escutas, documentos, depoimentos de testemunhas e informações sobre apreensões de drogas e de armas. De acordo com o Ministério Público, todos os elementos de prova foram produzidos a partir de autorização e controle do Judiciário.

Segundo os dados apresentados pelo jornal, o PCC está presente em 22 estados brasileiros e em três países (Brasil, Bolívia e Paraguai), dominando 90% dos presídios de São Paulo. O grupo tem um faturamento anual de RS 120 milhões, além de um arsenal com 100 fuzis e dinheiro enterrado em sete imóveis comprados pela facção. A principal atividade desenvolvida pela facção é tráfico de drogas, que gera um lucro de R$ 8 milhões por mês.

Ao todo, o grupo tem 6 mil integrantes presos e 1,6 mil em liberda­de em São Paulo. Esse número sobre para 3,5 mil em outros esta­dos. Segundo as investigações, a cúpula do grupo, chefiado por Marco Willians Camacho, o Marcola, ordena assassinatos, encomenda armas e drogas, faz planos de resgate de presos e de atentados contra policiais militares e autoridades. O grupo ainda faz lobby e planeja desembarcar na política.

De acordo como Estadão, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) é um dos alvos da facção. As interceptações telefônicas mostram que pelo menos desde 2011 a facção planeja matar o governador. Em escutas recentes, a ordem de matar o governador foi novamente mencionada.

Revista Consultor Jurídico, 11 de outubro de 2013, 16h25

Comentários de leitores

12 comentários

quanto desperdício

Delegado Ari Carlos (Delegado de Polícia Estadual)

1. Promotores de Justiça "investigando" criminosos sem competência para tanto. Policiais Militares que deveriam estar atuando na prevenção, aliás, é para isso que existem, "auxiliando" promotores a realizarem investigações. Juízes de Direito "autorizando" Promotores a realizar escutas telefônicas, cuja competência é da Polícia Civil.
2. Representações para decretação de prisões provisórias e preventivas negadas pelo mesmo Judiciário que antes havia autorizado as investigações ilegais.
3. Procedimentos investigativos sem qualquer controle, ou alguém acredita que algum advogado teve acesso ao inquérito ministerial?
4. Pergunto: Em que ponto a sociedade foi beneficiada com tudo isso?
5. Agora que a mega investigação redundou em nada, vão encaminhar o lixo colhido por três anos à Polícia Judiciária.
6. Parabéns aos Senhores Deputados pela rejeição da PEC 37. Agora chupem essa manga, melhor, abacaxi.

Veja decisão sobre a denuncia.,

Bellbird (Funcionário público)

http://www.tjsp.jus.br/Handlers/FileFetch.ashx?id_arquivo=53915
Perfeito Francisco. Se o crime estava ocorrendo, esperar 3 anos para depois em apenas uma lauda e meia pedir a prisão. Piada. Investigação para quem sabe investigar.

Gaeco - Braço do PSDB no MPSP

Serweslei (Advogado Autônomo)

O Alckmin esta querendo arrumar barulho para desviar o foco da investigação do desvio de BILHÕES do metrô. Pois a investigação já comprovou desvios na adm Covas, Serra e esta batendo na sua porta... Ah, o Gaeco é o braço do PSDB no ministério público. ..

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/10/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.