Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo novo

Fundamentação de decisões ainda não dá conta do básico

Por 

Em determinados momentos da vida, nos damos conta de que nossa atenção fica muito tempo voltada a problemas difíceis, e deixamos de lado questões mais simples, ainda que corriqueiras. Tentando responder ao complexo, acabamos nos esquecendo do básico, sem nos dar conta de que, se não nos resolvermos em relação ao que é básico, dificilmente daremos conta do que é complexo.

É o que ocorre, por exemplo, com o problema da fundamentação das decisões judiciais. Por aqui, tenho enfatizado questões como saber como decidir com base em princípios jurídicos, saber como deve ser a relação entre lei e jurisprudência, se o juiz deve ouvir a sociedade, se súmulas vinculantes têm caráter normativo etc. Faço um mea culpa: aqui mesmo na Coluna Processo Novo acabo me estendendo em temas dessa natureza, que não podem ser exauridos em uma, senão em várias, muitas e repetidas voltas ao tema.[1]

Saber como deve, democraticamente, ser fundamentada e controlada a decisão judicial é um dos temas sensíveis, entre jurisdição constitucional e direitos fundamentais. Não se trata apenas de algo que deve constar do Estatuto da Magistratura, como, a primeira vista, poderia parecer dizer o texto constitucional,[2] mas de verdadeira garantia constitucional. Concordo com o Prof. Lenio Streck, que afirma que ao dever de fundamentar as decisões corresponde o direito fundamental a uma resposta adequada ao sistema normativo, a partir da Constituição.[3]

Como, contudo, tratar com firmeza de questões um pouco mais complexas relacionadas à motivação dos julgados, se nem mesmo superamos o mais rudimentar, que é o direito (a que corresponde o dever) a uma resposta, uma mera resposta? Ora, sequer esse direito vem sendo reconhecido, por nossos tribunais.

Coloque-se a seguinte questão: tendo o pedido (ou o recurso, por exemplo) vários fundamentos, cada um deles hábil a levar ao seu acolhimento, pode ser julgado improcedente (ou o recurso, ser desprovido) sem que sejam todos eles examinados?[4]

Tenho a impressão de que qualquer estudante de direito responderia negativamente a essa questão. Afinal, se meu pedido tem os fundamentos A, B, C e D, não pode ser considerada fundamentada a decisão judicial que o julga improcedente sem examinar cada uma dessas alegações.[5]

Tal não é, contudo, a orientação dominante em nossa jurisprudência. Mesmo o Supremo Tribunal Federal, a respeito, decidiu que “o art. 93, IX, da Constituição Federal exige que o acórdão ou decisão sejam fundamentados, ainda que sucintamente, sem determinar, contudo, o exame pormenorizado de cada uma das alegações ou provas, nem que sejam corretos os fundamentos da decisão”.[6]

Penso, diversamente, que não pode a pretensão da parte ser rejeitada, sem que todas as alegações que poderiam levar ao seu acolhimento sejam examinadas. Em termos simples: se meu pedido (ou defesa) assenta-se em cinco fundamentos, meu pedido (ou defesa) só pode ser rejeitado se cada um desses fundamentos for examinado e rejeitado.

O projeto de novo Código de Processo Civil, quanto a esse aspecto, corretamente estabelece que “não se considera fundamentada a decisão, sentença ou acórdão que [...] não enfrentar todos os argumentos deduzidos no processo capazes de, em tese, infirmar a conclusão adotada pelo julgador”.[7]

O Supremo Tribunal tem, agora, a chance de corrigir o rumo das coisas. Recentemente, foi admitido recurso extraordinário com repercussão geral em que se debate a seguinte questão: em recurso, a parte suscitou várias questões, mas o tribunal de origem não as analisou; logo, em razão da ausência de prequestionamento, o recurso extraordinário não seria cabível. A repercussão geral foi reconhecida,[8] e o recurso aguarda julgamento.

O direito a uma resposta é o mínimo, o mais raso, que decorre do artigo 93, IX da Constituição. Quando o Supremo Tribunal Federal diz que nem todos os fundamentos de meu pedido precisam ser examinados e julgados, acaba por dizer que eu não teria direito a uma resposta. Esse modo de pensar, para mim, contraria a Constituição.

O modo básico do dever de fundamentação às decisões judiciais está em decidir as questões que poderiam levar ao acolhimento daquilo que pede a parte, não podendo ser considerado fundamentado o julgado que rejeita o pedido ou recurso da parte, sem examinar cada uma de tais questões.

Se não conseguimos satisfazer a isso, tenho dúvidas de que teremos condições de solver problemas um pouco mais complexos, no que diz respeito à fundamentação das decisões judiciais.

[1] Cf., aqui, lista dos textos já publicados, nesta coluna.

[2] A Constituição tratou da fundamentação da decisão judicial no artigo 93, IX. De acordo com o caput desse artigo, seus incisos dispõem sobre princípios a serem observados pela lei complementar que disporá sobre o Estatuto da Magistratura.

[3] Ver, a respeito, vários dos textos da Coluna Senso Incomum, aqui na ConJur, bem como a obra Verdade e Consenso, p. 619. 

[4] A questão não se coloca do mesmo modo se, havendo vários fundamentos que conduzem à procedência do pedido, este é acolhido com base em apenas um deles, sem que os demais sejam examinados. Aqui, dedicamo-nos à hipótese inversa.

[5] Tenho defendido esse ponto de vista em vários trabalhos, em que o problema atinente à fundamentação das decisões judiciais é examinado com mais profundidade (cf., dentre outros, Constituição Federal comentada, 2.ed., Ed. RT, comentário ao art. 93; Código de Processo Civil comentado, 2.ed., Ed. RT, comentário ao art. 458).

[6] STF, AI 791292 QO-RG, rel. Min. Gilmar Mendes, j. 26.06.2010; íntegra disponível aqui.

[7] Cf. artigo 476, parágrafo único, IV da versão do Senado (disponível aqui) e artigo 499, parágrafo único, IV da versão da Câmara dos Deputados (disponível aqui).

[8] STF, RE 719870 RG, rel. Min. Marco Aurélio, j. 29/08/2013; íntegra disponível aqui

 é doutor em Direito, advogado, professor e membro da Comissão de Juristas nomeada pelo Senado Federal para elaboração do anteprojeto de Código de Processo Civil. Acompanhe-o no Twitter, no Facebook e em seu blog.

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2013, 8h00

Comentários de leitores

9 comentários

Fundamentar é realizar a decisão

Geraldo RN (Advogado Associado a Escritório)

É lamentável o teor do precedente do STF, tive que o conferir em sua íntegra, imaginei até que poderia haver algum equívoco, diante do bizarro conteúdo de tal decisão. É de irrefragavel nominalismo seu conteúdo, esvazia o comando constitucional, uma verdadeira estultice, por assim dizer. O próprio recurso extraordinário, como é hoje concebido, abre já a possibilidade real da fraude jurisdicional, porquanto, uma questão de fato pode ser deliberadamente omitida ou ocultada a se impedir, em tese, a admissão de um recurso (especial ou extraordinário). E, mesmo os mais habilidosos manejadores de embargos declaratórios, podem ser vítimas de uma fraude jurisdicional como tal, se não ficarem atentos. Agora, esse precedente é o coroamento da "ditadura do fato", como costumo chamar. Enquanto o sistema jurídico brasileiro permitir este tipo de arbitrariedade, não é crível professor que alguém ainda consiga defender a ilimitada "pratica da razão pura" e a verborragia alçada em meros sofismas, sem ao menos exigir o mínimo suporte. Fundamentar é realizar a decisão, ela é um ato de e "para" compreensão, se um argumento de defesa ou uma prova não precisa ser analisada é porque não há ampla defesa. É uma verdade simples. O problema é grave!

Entre fundamentar e fundamentar juridicamente

Túlio Jales (Outros)

Lembrar também que o sistema normativo não exige apenas uma simples motivação ou fundamentação. As respostas, ainda que básicas, já devem incluir motivações jurídicas e fundamentações jurídicas. Ou seja, as fundamentações devem estar baseadas em fontes de direito. Nossos julgadores muitas vezes até fundamentam suas decisões, mas com base em argumentos que passam ao largo de serem reconhecidos como jurídicos,adequados a uma das fontes jurídicas reconhecidas pelo ordenamento.

O artigo toca num dos pontos mais relevantes do direito (1)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Excelente artigo.
.
O problema, como bem disse um comentarista, é que não basta mudar a lei se não mudarem as práticas. E estas só serão alteradas se mudarem os atores. Do contrário, tudo vai continuar como está e cada vez pior...
.
Os tribunais ora decidem acertadamente uma coisa, ora extrapolam e decidem de modo inovador e ilegal outras, sendo estas mais frequentes, infelizmente.
.
Veja-se por exemplo a questão do recurso interposto por advogado sem procuração nos autos ou com substabelecimento que não transita de nenhuma procuração válida nos autos. Trata-se de recurso inexistente, e não de mera irregularidade da representação processual. Se a parte já tinha advogado, os poderes deste somente são extintos em quatro hipóteses, a saber: 1) morte do constituinte ou do advogado; 2) revogação mandato judicial pela própria parte; 3) renúncia ao mandato judicial pelo advogado; 4) substabelecimento sem reserva feito pelo advogado regularmente constituído a outro advogado. Dessas hipóteses, somente nas 3 primeiras poder-se-ia falar em irregularidade da representação processual hábil a suspender o processo por aplicação do art. 13, II, c.c. art. 265, do CPC.
.
Ora, se o recurso é subscrito por advogado sem procuração ou com substabelecimento que não transita de nenhuma outra procuração válida contida nos autos, mas a parte já possuía outro advogado constituído, mas que não é quem assina o recurso, então, o recurso é inexistente no processo.
.
(CONTINUA)...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/12/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.