Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Comando da AMB

Nelson Calandra desiste de disputar vice-presidência do TJ-SP

Por 

Marcada para 4 de dezembro, a eleição que definirá os ocupantes dos cargos de direção do Tribunal de Justiça de São Paulo tem seu primeiro desfalque. O desembargador Nelson Calandra, que se inscreveu para disputar a vice-presidência do TJ-SP, homologou sua desistência na segunda-feira (18/11). A confirmação de que Calandra não será candidato veio na terça-feira, por meio de comunicado assinado pelo presidente do TJ-SP, desembargador Ivan Sartori, e publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo. Continuam na disputa pela vice-presidência os desembargadores José Carlos Gonçalves Xavier de Aquino, Antonio Carlos Malheiros e Eros Picelli.

Procurado pela reportagem da revista Consultor Jurídico, o desembargador afirmou que teve de deixar a disputa por conta de sua atuação como presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros.

Nelson Calandra disse que tinha a intenção de disputar algum cargo de eleição e, estimulado pelos colegas do TJ-SP, apresentou sua candidatura à vice-presidência em 13 de novembro, último dia para que os desembargadores se inscrevessem. No entanto, após refletir durante o feriado pela Proclamação da República, ele decidiu retirar a candidatura, já que “estamos vivendo aqui em Brasília vários embates” envolvendo a AMB. Assim, para evitar prejuízos à magistratura, sua presença na capital federal tornava-se necessária. O desembargador comparou a presidência da AMB ao comando de um navio, afirmando que não poderia deixar o posto, e disse que priorizou a categoria profissional ao sonho pessoal.

A AMB também está em processo eleitoral. A votação foi aberta nesta quarta-feira (20/11) e segue até o dia 23 de novembro. Disputam a presidência da associação o o desembargador Roberto Portugal Bacellar e o juiz João Ricardo dos Santos. O presidente do TJ-SP é candidato a vice na chapa de Bacellar.

Apontando que, a partir de agora, é apenas um eleitor, Nelson Calandra disse que o desejo de ocupar um cargo de direção no TJ-SP “ficou no passado”, pois não tem idade para participar de futuras eleições. Ele negou que tenha deixado de disputar a vice-presidência do TJ-SP por pretender alçar voos mais altos em termos políticos, e garantiu que não abandonará a atuação no Tribunal de Justiça de São Paulo, em que ocupa uma cadeira na 2ª Câmara de Direito Público.

Clique aqui para ler o comunicado que oficializa a desistência da candidatura do desembargador Henrique Nelson Calandra à vice-presidência do TJ-SP.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 20 de novembro de 2013, 21h37

Comentários de leitores

1 comentário

Com o dinheiro dos outro é fácil

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Pelo que Consta, em um País com 800 mil advogados e apenas 16 mil juízes, Calandra é Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo mas vive em Brasília cuidando de assuntos de natureza privada dos juízes. Ora, somos nós quem devemos pagar por isso? Porque a AMB não contrata profissionais para defender os interesses privados dos juízes?

Comentários encerrados em 28/11/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.