Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conduta culposa

Correios não têm responsabilidade sobre terceirizada

Entes da Administração Pública respondem de forma subsidiária apenas quando for evidenciada conduta culposa no cumprimento da lei de licitações e contratos. O entendimento foi adotado pela 4ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho para absolver os Correios da condenação de pagar verbas trabalhistas a um vigilante de uma empresa terceirizada.

O colegiado entendeu que os Correios cumpriram sua obrigação de fiscalizar a contratada, pois chegou a multá-la por não atender obrigações trabalhistas. O vigilante de Minas Gerais, contratado para trabalhar em uma agência da estatal, reclamou não ter recebido o que lhe era devido. Os Correios haviam sido condenados em primeira e segunda instâncias, mas afirmou ao TST que não poderia ser responsabilizada subsidiariamente por falta de fiscalização, pois estava atenta à execução do contrato.

A empresa contratada teve pagamentos descontados por apresentar irregularidades, disse a estatal. Para o relator do processo, ministro Fernando Eizo Ono, foi constatado que “o ente público foi diligente na fiscalização do cumprimento das obrigações trabalhistas”. Ele disse que o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, ao responsabilizar os Correios, não respeitou a Súmula 331 do TST. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler o acórdão.
Processo: RR-325-12.2011.5.03.0153

Revista Consultor Jurídico, 19 de novembro de 2013, 14h48

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/11/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.