Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Credibilidade prejudicada

Homem que apontou rato em coca-cola não será indenizado

Por 

A Justiça de São Paulo negou indenização a um homem que relatou ter comprado garrafas de Coca-Cola com pedaços de rato. A juíza Laura de Mattos Almeida, da 29ª Vara Cível de São Paulo, disse que peritos não consideraram possível a entrada do corpo estranho durante o processo de fabricação e afirmou que o autor do processo não apresenta “comportamento normal, o que prejudica a credibilidade de suas afirmações”.

O autor disse que sentiu “forte queimação” na boca e no aparelho digestivo após beber o refrigerante, em 2000, e que depois disso viu partes do roedor em todas as seis garrafas que havia comprado. Um funcionário da fabricante coletou garrafas para análise, mas segundo o homem não foram tomadas providências.

Ele disse que, após a ingestão do “produto tóxico”, sofreu lesões “físicas e psíquicas”, como problemas na fala e em seus movimentos, os quais teriam reduzido sua capacidade de trabalhar como sacoleiro e relojoeiro. Por isso cobrava indenização por danos morais e materiais (lucros cessantes).

A Spal, fabricante da Coca-Cola, confirmou ter enviado um funcionário à casa do consumidor e afirmou ter comunicado por telefone o resultado da análise, que não identificou nenhum pedaço de animal, e sim a oxidação do produto, causada por variação brusca de temperatura e exposição ao sol.

Segundo a decisão da juíza, peritos constataram que o sistema de segurança da empresa impede a entrada desse tipo de corpo estranho. Além disso, consideraram “inexistente” a possibilidade estatística de uma contaminação desse tipo ser encontrada em seis garrafas do mesmo fardo.

Problemas psiquiátricos
A juíza disse que existe a possibilidade de fraude e que não foram comprovados no autor “alterações ou sequelas neurológicas” causadas pelo consumo do refrigerante. Segundo ela, especialistas em neurologia e psiquiatria verificaram que o homem possui transtornos de personalidade e de comportamento.

“Os problemas psiquiátricos do autor ficaram evidenciados em seu depoimento pessoal, notadamente pela extensão dos problemas que ele atribui ao incidente”.

Clique aqui para ler a decisão.

Processo 0068942-76.2003.8.26.0100

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de novembro de 2013, 13h43

Comentários de leitores

1 comentário

Absurdo judicial.

Quinto ano na Anhanguera-Uniban Vila Mariana. (Estudante de Direito - Criminal)

Não adentrando no mérito da decisão, TREZE ANOS PARA CHEGAR A ESSA CONCLUSÃO NÃO É TEMPO DEMAIS NÃO?

Comentários encerrados em 23/11/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.