Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Segunda Leitura

Inquérito policial não combina com o contraditório

Por 

No último dia 3 de novembro, o ministro da Justiça recebeu do presidente do Conselho Federal da OAB proposta que, nos autos de inquérito policial,  permite “ao investigado o direito de apresentar suas razões e requerer diligências, assistido por advogado”. Segundo a notícia, o chefe da pasta do Executivo “manifestou apoio à presença do advogado como indispensável para garantir ainda mais credibilidade à investigação”.

O inquérito policial foi introduzido no Brasil através do Decreto 4.824, de 22 de novembro de 1871, que no artigo 42 dispunha sobre os seus objetivos e formalidades. A leitura do referido dispositivo e dos cinco que o complementam naquele Decreto permite concluir que, apesar de passado tanto tempo, pouco mudou.

Esta forma de investigação sempre foi defendida por José Frederico Marques, que a considerava “uma das instituições mais benéficas de nosso sistema processual” (Elementos de Direito Processual Penal, Bookseller, 1997, v.1, p. 104).

No Brasil, ao contrário dos demais países da América Latina, não se adotou o sistema do Juizado de Instrução, ainda hoje existente na França, através do qual um juiz colhe as provas, atuando diretamente com a Polícia Judiciária e outro julga.

Aqui se optou pelo inquérito, a cargo da autoridade policial, que é uma investigação preliminar, porque, segundo lição antiga de Magalhães Noronha, “a imensidão territorial é um adversário do juízo de instrução, impossibilitando a atuação rápida e precisa do Juiz instrutor em pontos afastados do território de sua jurisdição” (Curso de Direito Processual Penal, Saraiva, 1964, p. 30). Ressalte-se que na condução do inquérito, a autoridade policial deve buscar a descoberta da verdade e não a incriminação do suspeito.

No mundo contemporâneo a tendência não é a investigação por inquérito e nem o Juizado de Instrução. É outra, ou seja, o sistema do processo acusatório, que na análise de Rúbia Mara Pereira de Carvalho, em artigo denominado Das diferenças existentes entre os Sistemas Processuais Penais, “o juiz passa apenas a julgar, deixando para as partes, autor e réu, as funções de defesa e acusação, e também não mais controla o procedimento de investigação preliminar”.

No Brasil o sistema é misto, inquisitivo ao início, por meio da apuração através do inquérito policial, e acusatório na fase judicial, cabendo às partes a produção das provas, sob o crivo do contraditório. A tendência é o juiz deixar a produção das provas a cargo das partes, sem tomar iniciativas. Nesta linha de raciocínio, Fischer e Pacelli consideram, inclusive, inválida a primeira parte do artigo 311 do CPP, que permite ao juiz decretar, de ofício, a prisão preventiva, por depender tal iniciativa de requerimento do Ministério Público ou da autoridade policial (Comentários ao Código de Processo Penal e sua Jurisprudência, Lumen Juris, 2ª ed., p. 663).

Qual seria a vantagem de estabelecer-se um contraditório no inquérito policial? Teoricamente, seria apurar-se a verdade real de forma mais democrática, participativa, dando ao Ministério Público elementos mais seguros para apresentar ou não a denúncia. Este é o aspecto ideal no plano das ideias. Só nesta visão quimérica.

No mundo real, as coisas são diferentes. Estabelecer-se o contraditório na fase de investigação seria mais um passo, quiçá o derradeiro, para que alcançássemos o primeiro lugar no ranking de países sem efetividade na Justiça Criminal. Nos últimos anos temos avançado bastante, já sendo fato público e notório a ineficiência de nossa Justiça Criminal. Não é por acaso que foragidos escolhem este país para furtar-se do cumprimento de suas penas. Um sistema que permite seguidos recursos e instâncias diversas, que impede que decisões criminais singulares ou colegiadas sejam executadas (como, por exemplo, através de seguidos embargos de declaração), não pode ser respeitado. E não é. Exagero no raciocínio? Não, por certo.

Vejamos alguns exemplos do que viria a acontecer se adotada a participação do advogado no inquérito policial: a) Ao tomar conhecimento da portaria da autoridade policial, bastaria ao imputado juntar procuração aos autos e, a partir daí, o advogado constituído reivindicar o direito de ser intimado para os atos subsequentes e a falta de intimação constituiria nulidade; b)  No andamento do inquérito, com certeza seriam interpostas seguidas petições e a cada decisão sobreviriam embargos de declaração, com o consequente tumulto nos autos; c) A  autoridade policial passaria a ter que dar ciência de todas as suas iniciativas e com isto as provas acabariam sendo desconstituídas previamente; d)  A autoridade policial passaria a  proferir decisões e delas se recorreria à autoridade administrativa superior ou se interporia habeas corpus; e) Quando o imputado fosse pobre, a autoridade policial teria que conseguir um defensor dativo, para que não se viole o princípio da isonomia (não há defensores públicos para todos os inquéritos); e) Os advogados dativos seriam indicados pela subseção da OAB e a burocracia aumentaria.

O inquérito policial, por si só, já é algo com sabor de passado, contaminado por formalismos típicos do processo judicial. Por exemplo, cartas precatórias impressas, termos de juntada, conclusão, pedidos de prazo etc. Torná-lo contraditório, pois isto é o que resultará da participação de advogado na sua tramitação, é dar-lhe o caráter de uma ação penal preliminar. E depois tudo se repetirá em juízo. E se for processo de júri, de novo no plenário.

Se o sistema inquisitivo já cheira a mofo, porque introduzido em 1871, deve ser adotada uma nova forma, algo mais consentâneo com a era virtual em que vivemos. Por exemplo, termo circunstanciado para crimes apenados com penas maiores, desde que de investigação simples (como em caso de furto simples). Ou então, simplificá-lo para que seja mais ágil, pesquisando-se como atuam as polícias dos países mais avançados e também nossos vizinhos latino-americanos. Dando, enfim, ao Ministério Público, sem formalismo, os elementos essenciais para que delibere sobre a propositura da ação penal.

Exatamente o oposto da proposta de que na investigação haja um contraditório, mesmo que atenuado, a qual levaria à ineficiência no grau máximo, indo contra o princípio constitucional da eficiência, previsto expressamente no artigo 37 da Carta Magna.

Aliás, o assunto já foi objeto de decisões do Supremo Tribunal Federal. Em acórdão relatado e julgado em 22 de setembro de 1992, da lavra do eminente ministro Celso de Mello, reconhecidamente um dos maiores defensores dos direitos e garantias individuais, a Corte decidiu que “a prerrogativa inafastável da ampla defesa traduz elemento essencial e exclusivo da persecução penal em juízo” (RTJ 147/219).

É óbvio que tudo o que foi dito não significa descumprimento do direito do advogado examinar autos de inquérito, direito este previsto no artigo 7º, inciso XIV, do Estatuto da OAB, e reconhecido  pela jurisprudência. Nem a quebra de outras prerrogativas  absolutamente necessários ao exercício da ampla defesa, como formular requerimento à autoridade policial, estar presente na tomada de depoimentos, indicar testemunhas e outros. Significa, única e exclusivamente, chamar a atenção para o fato de que a investigação não pode ser feita com o contraditório, porque daí nada se investigará e o resultado previsível será a impunidade absoluta.

Em suma, é preciso, sim, avançar no campo das investigações criminais, fazendo com que sejam atreladas ao mundo contemporâneo. Isto pode resultar na mudança e até mesmo no fim do inquérito policial. No entanto, mudar para que o inquérito permaneça como está, só que sob o crivo do contraditório, é dar um passo atrás.

 é desembargador federal aposentado do TRF 4ª Região, onde foi presidente, e professor doutor de Direito Ambiental da PUC-PR.

Revista Consultor Jurídico, 10 de novembro de 2013, 8h01

Comentários de leitores

13 comentários

autoridade policial

dtgomes (Escrivão)

Acabando-se com a obrigatoriedade da formacao em Direito para ser "autoridade policial", ou seja, se aquele que fosse colher a prova nao fosse alguem com tal formacao especifica, nao se falaria em contraditorio e ampla defesa na fase inquisitorial. O policial colhe provas e investiga um fato e para isso um dentista, um veterinario, um engenheiro, qualquer pessoa com formacao superior e capaz de fazer. Acaba-se com o indiciamento, que de nada serve, ja que nao vincula o MP, sendo apenas uma opniao. A formacao em direito deveria haver na atividade policial quando alguma situacao de ordem juridica-processual existisse, como representacoes pela prisao ou busca, por exemplo. Agora para relatar um IPL, Realizar um termo circunstanciado, colheita de depoimento e realizacao de um interrogatorio (que tambem de nada serve, pois o interrogado pode muda-lo sem qualquer prejuizo) devem ser feitos primeiramente por um policial, nao por um jurista. Lugar de advogado e ao lado do reu e nao comandando a policia

MCDonaldização da justiça criminal

José Carlos Portella Jr (Advogado Autônomo - Criminal)

Essa tal urgência da celeridade processual tem minado as garantias processuais. O exemplo emblemático é o da Lei 9.099/95. Alguns juízes (diga-se, todos) têm suprimido fases do processo e aceito denúncias/queixas sem justa causa ou sem umas das condições da ação em nome da "informalidade" que rege o rito sumaríssimo. Tudo com o fim de acelerar o processo. Parece que a moda agora é a MCDonaldização da justiça criminal: tudo tem que ser fast, simples e sem gosto. Ir contra essa cultura que invade a cena jurídica nestes tempos de crise é como se desafiássemos o "fim da História".

Se sofresse na pele o exercício da potestas puniendi

José Carlos Portella Jr (Advogado Autônomo - Criminal)

O articulista baseia a sua argumentação em lugares-comuns da "doutrina" que não doutrina (para homenagear o Prof. Lenio Streck) e que é refém dos precedentes dos Tribunais. O processo penal é misto? Se for isso, esquecemos de avisar a Constituição de 1988! O processo penal é acusatório. E o inquérito, ao fazer parte do processo, não deve ficar imune à dimensão garantista do processo penal democrático. Se o articulista tivesse sofrido na pele o exercício irracional da potestas puniendi, certamente mudaria de opinião. O modo inquisitorial como são conduzidos inquéritos e procedimentos investigatórios do MP traz custos irreparáveis aos cidadãos inocentes (sim, porque a presunção de inocência não é elidida apenas porque se é indiciado). A assistência de advogado no inquérito cumpre com o comando constitucional da ampla defesa e dá ao investigado meios para defender sua inocência, liberdade e honra já na fase preliminar do processo penal. Esperar que o MP (a quem cabe fiscalizar o inquérito) ou Judiciário façam isso sozinhos é como esperar Godot (basta ver a quantas andam os inquéritos nas prateleiras das Delegacias deste Brasil). Espanta ver um jurista afirmando que não seria possível garantir a defesa para todos os investigados por falta de defensores públicos. Bom, se vivemos em um Estado Social de Direito, cumpre ao Estado o dever de realizar os direitos fundamentais. O Estado Social não é um Estado meramente absenteísta, mas sobretudo um Estado que promove ativamente os direitos fundamentais e que não pode se desincumbir dessa tarefa alegando falta de dinheiro). Além disso, é chocante a proposta do autor de simplificar o processo penal com vistas a garantir maior celeridade (como se a celeridade pudesse engolfar a presunção de inocência).

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/11/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.