Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo do mensalão

Kátia Rabello nega participação em quadrilha e pede absolvição

A defesa de Kátia Rabello, ex-presidente do Banco Rural, protocolou nesta sexta-feira (8/11) Embargos Infringentes solicitando que ela seja absolvida do crime de formação de quadrilha na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Rabello foi condenada pelo Supremo Tribunal Federal a 16 anos e 8 meses de reclusão por gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha. A pena também foi acrescida de 386 dias-multa, no valor de 15 salários mínimos.

Os embargos apontam a divergência que ocorreu no julgamento em relação ao último crime, quando quatro ministros discordaram da condenação: Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Rosa Weber e Cármen Lúcia.

A defesa alega que não há provas de formação de quadrilha nos autos. “Virou moda, mania, os réus serem acusados de pertencerem a quadrilha ou bando”, diz o documento. “O simples fato de haver mais de quatro pessoas no polo passivo da ação penal não chancela a acusação de quadrilha ou bando.”

Diminuição da pena
Os advogados pedem ainda a revisão da “monumental pena” imposta à ré, sob a alegação de que “o STF violou o modelo trifásico de fixação da pena do Código Penal”, apontando decisões anteriores da Corte e garantias da Constituição.

Mesmo concentrados na questão da quadrilha, dizem que Rabello não cometeu nenhum crime. “Kátia não estava vinculada, nem minimamente, à área operacional do Banco Rural (...) O que a vincula aos fatos é apenas ter se encontrado com o ministro José Dirceu (o que fazia na condição de representante institucional).”

Clique aqui para ler os Embargos Infrigentes.

Revista Consultor Jurídico, 8 de novembro de 2013, 17h26

Comentários de leitores

1 comentário

quer impunidade

Danilo da Silva Mota (Administrador)

ela formou quadrilha, esta nos autos.
merece aumentar por mentir. e aumente.

Comentários encerrados em 16/11/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.