Consultor Jurídico

Comentários de leitores

4 comentários

Nem conexão, nem continência, prática comum em juizados

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

O que PHA fez não representa nada de estranho. O Advogado desistiu da ação antes do primeiro despacho do Ministro. E esta tem sido prática comum em diversos juizados especiais cíveis.
Já ouvi mais de um Advogado, não serei deselegante e não correrei o risco de levar um processo, mas já ouvi várias vezes na distribuição dos Juizados no Foro Central do TJRJ. Se cair em tal ou tal juizado, o cliente já sabe, antes de o Juiz despachar desistiremos da ação e apresentaremos outra idêntica.
A sorte de cair com Celso de Mello vem a ser por se tratar de um Ministro que está atendo à evolução global do Direito.
A ação de PHA, visto ao Ministro que foi distribuída, oriunda do TJRJ, pode se apostar que no STJ as probabilidades de o agravo ser provido e virar REsp está no extremo mais próximo ao infinito de uma curva em assíntota.

engraçado

Ricardo T. (Outros)

A reclamação caiu para o Ministro Marco Aurelio. Amorim desistiu. Distribuiu nova. Caiu para o Celso. Estranho! E a prevenção?

Juízes saudosistas?

Radar (Bacharel)

Fez bem o ministro Mello. Ainda bem que não caiu nas mãos daquele outro. Alguns setores da mídia aliada ao poder econômico estão tentando inviabilizar a atividade dos blogs independentes, por via de ações judiciais de indenização, para instituir a ditadura do pensamento único. Muitas das vezes, juízes saudosistas do tempo da censura, aderem a esse projeto e pesam a mão sobre os blogueiros, tratando-os de forma nitidamente anti-isonômica em relação aos grandes veículos de comunicação. Por exemplo, o Luiz Azenha está prestes a fechar o site "viomundo", por não ter mais como custear as pesadas indenizações proferidas por juízes descomprometidos com a liberdade de expressão. Ultimamente foi condenado a indenizar um alto funcionário da rede globo, em 30 mil reais. É muito para o Azenha e nada para a poderosa Rede. Nem o regime militar ocupou-se de tamanha violência: Não ausência da vetusta Lei de imprensa, tentam censurar certos discursos, levando o blogueiro à bancarrota. Sim, existem várias maneiras de censurar. Todas grotescas e remetem à ditadura. É bom saber que o ministro Mello está atento a todas.

Excelente decisão.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

É óbvio que não tenho a menor simpatia por Paulo Henrique Amorim. Entretanto, defendo que ele tenha, sim, o direito de dizer suas asneiras de sempre, pois a democracia é medida pela liberdade. Grande decisão do Ministro Celso de Mello, que serve de exemplo a todos os tribunais e juízes.

Comentar

Comentários encerrados em 7/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.