Consultor Jurídico

Comentários de leitores

44 comentários

Profecia

Monteiro_ (Advogado Autônomo - Civil)

Como muito bem disse o Eminente Ministro Marco Aurelio, teremos dias dífíceis no STF.

Eis o nível a que chegamos

Ribedson (Advogado Autônomo - Civil)

Não é crível, nem admissível que um membro do STF, a mais alta Corte do país, que diz ter chegado lá por méritos próprios, proveniente de família humilde, tenha um comportamento tão arrogante a ponto de humilhar um profissional que encontrava-se trabalhando. Será que o ministro esqueceu da boa educação que recebeu? Falo como cidadão brasileiro revoltado com a conduta de alguns que se encontram no poder, recebendo nosso dinheiro. Tá na hora do povo acordar e cobrar tratamento digno e respeito, a final de contas o ministro esta lá pra sevir a sociedade e ganha, muito bem por isso. A imprensa possui grande importância nos países democrático, nada justifica a postura do ministro, sobretudo levando em conta a sua formação. Conduta incompatível a de um magistrado. Estou indigando. No meu entendimento cabe indenização por danos morais. O órgão de classe(dos jornalistas) deve ser mais atuante e dar todo o apoio ao jornalisat publicamente ofendido. Chega. Basta. Já estamos fartos.

Comportamento inadequado...

Francis Bragança de Souza dos Anjos (Advogado Associado a Escritório)

Nada como o passar do tempo, para restar demonstrado o que era evidente, para muitos, no julgamento da Ação Penal 470.
Mas, muito há de se ver ainda...

Chafurdar no lixo e a ap 470

FERNANDO JOSÉ MOURA PEREIRA (Secretário)

Estranha a atitude e as palavras do eminente ministro visto que o lixo ao qual ele se refere foi fartamente utilizado para fundamentar a decisão da ação penal 470, mais conhecida como ação do mensalão. Se me recordo bem, não foi nas matérias jornalísticas que as sentenças se fundamentaram/

Cumpra-se a lei

roberto guimarães (Advogado Autônomo)

Ao meu ver as escusas lançadas por meio de nota oficial, apenas corroboram o descaso do Sr. Ministro com o fato e sua suposta vítima. O epsódio merece apuração pela corte. O respeito exigido, também é devido.

Uns e outros

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Realmente, dúvida não há no sentido de que, caso tais palavras fossem ditas por um jornalista ou advogado contra um juiz, a condenação na esfera cível e criminal seriam certas. Arrisco-me a dizer que a indenização por "danos morais" partiria do valor mínimo de 200 mil reais. Nesses casos, não se fala em dor de coluna, em cansaço ou stress. O Ministro Joaquim Barbosa reconheceu o erro e o caso merece ser esquecido, já que as ofensas foram proferidas em um desatino de momento. Mas, episódios dessa natureza nos mostram que a ideia de República no Brasil ainda é incipiente, vez que a "reprovação oficial" de uma conduta depende, fundamentalmente, da qualidade do sujeito, não da conduta em si.

Uma pena

Eduardo Mahon (Advogado Sócio de Escritório)

Lamento pelo Supremo Tribunal Federal. E lamento por nós, profissionais do Direito. No entanto, nada poderia ser esperar a mais: a falta de berço gera truculências, das domésticas às públicas.

Na hora de

edicardoso (Outros)

Alguem aqui fez uma comparação com Lula no comentário,nada a ver,é um fato isolado de pura falta de respeito para com o próximo,vindo de um simples cidadão ja é reprovável,imagine vindo do presidente da mais alta corte da nação.Quem viu o julgamento do mensalão pela TV,não se surpreende,ja que o Sr Presidente varias vezes parecia que ia bater em algum dos seus pares,lamentável.Alega que não estava bem,fez o mesmo no caso do mensalão,lugar de doente é no hospital ou na clínica,um tanto suspeito alguem doente fazer de tudo para não deixar a relatoria no caso mencionado.De outra feita acusou um dos seus pares de algo mais ou menos como ter pistoleiros,ou coisa parecida,só que até hoje não se provou se é verdade ou mentira,isso é gravíssimo,principalmente vindo de um ministro,ou temos um ministro que mantêm pistoleiros ou temos um ministro que faz falsas acusações.No caso de ontem,não que os jornalistas sejam todos bonzinhos,quando cismam com alguem, sai de baixo,mas não merecia ser tratado como um porco,alias ninguem merece.Lembro de algo que meu avô dizia:quer conhecer alguem? de poder a ele. Passou da hora de se fazer uma grande reforma no nosso judiciário e traze-lo para o Séc.21.

Min.Barbosa

Observador.. (Economista)

O Min.Barbosa precisa se controlar.Precisa conviver melhor com a discordância.Ou divergência, como preferem.
A pessoa pode ser dura, séria, ter idéias firmes sem se perder em bate-bocas, ofensas ou desqualificações.
Já vi, em Brasília, repórteres ( ou jornalistas ) quase enfiando microfone no rosto de autoridades ou, dando a entender, que sua necessidade de informação torna obrigatória a concessão de uma entrevista; não importa o local ou a pressa - muitas vezes justificada - da autoridade em questão.
No meu entender, um bom assessor de imprensa ( além da necessária temperança da autoridade ) pode lidar com tais questões.
Organizando entrevistas com a imprensa e não facultando contato com jornalistas, fora de um momento pré-combinado.
No mais, é melhor calar-se do que ( ato nobre ) desculpar-se depois.

Chafurdar

JAL (Outros)

Vejo aqui opiniões em todos os sentidos em relação ao episódio (defendendo a postura do Chief Justice ou não). Seja como for, e independente do pedido de desculpas, aproveito o espaço para esclarecer que "chafurdar" não é uma palavra bem definida no dicionário. Mas um exemplo dado ao uso da expressão é: "os porcos chafurdam na lama". Se essa é uma linguagem adequada a uma autoridade pública, fica a critério de cada um tecer seu julgamento. Eu, particularmente, vigiarei para não usá-la em minha vida, pública ou privada, ao me dirigir a terceiros.

Poder + recalques = Arrogância

AUGUSTO LIMA ADV (Advogado Autônomo - Tributária)

Dê poder ao homem e ele lhe mostrará seu verdadeiro carater.
Esta atitude demonstra que chegou a hora do ministro descontar todas as humilhações que passou na vida?
Os cargos são passageiros, pense nisto Excelência.

Data venia...

Roberto Melo (Jornalista)

Interessante como as pessoas, sem distinção de cor, credo, renda etc., que são alçadas a uma posição de muito poder no Brasil, passam a proceder de forma, no mínimo, "estapafúrdia". Não é de hoje que venho observando alguns dos discursos e ações do sr. Joaquim Barbosa, tido e havido como uma novo marco de honradez, postura ética e justiça para “brasileiros e brasileiras”. Como, por exemplo, seu "bate-boca" com o coleguinha Gilmar Mendes, transmitido ao vivo, em que ele diz, textualmente, que este "não estava falando com seus capangas no Mato Grosso". Fiquei, até hoje, sem saber por que um cidadão togado, de pressuposta conduta ilibada, notório saber, ocupante do cargo de ministro do STF tinha capangas. No mesmo Brasil, isto é extremamente grave. Ou não mais? O episódio, lamentavelmente, não se esclareceu. Também não compreendi por que o presidente não foi arrolado no processo do Mensalão, já que tudo se baseou na tese de "domínio do fato". Aliás, contestada para tal fim por um jurista mui respeitado. Também não me lembro do nome do presidente do STF durante o longo período das chamadas "lutas democráticas" contra a ditadura militar. Provavelmente, devia estar cuidando de sua carreira jurídica. Temos de aprender, de uma vez por todas, a não superestimar personalidades, mas, apenas observar, atentamente e de forma crítica, seus passos, para que não haja surpresas desagradáveis nem frustrações ideológicas nem tampouco endeusamentos desnecessários e pueris.

Triste

Alex Freitas - ASF (Advogado Autônomo - Criminal)

Horrível ver que nosso Ministro do Supremo age desta forma. De qualquer sorte, já previam alguns Ministros que o Dr. Joaquim Barbosa, pelos seus antecedentes (atos na casa), bate boca descontrolado entre outros, não estava preparado para assumir a presidência de um órgão tão importante. Não adianta jogar a culpa em dores nas costas ou similar, pois essa dor e muitas outras boa parte da nação tem e nem por isso estão autorizados a errar e tratar mal qualquer pessoa. E se as dores nas costas o fazem agir assim, então é melhor que se aposente com urgência, afinal, ao que se vê, vai atrapalhar também nos trabalhos no Supremo. E depois a justificativa/desculpa pode ser que seja as dores nas costas, dor de cabeça ou seja lá o que for. Gente, demorou para sair de vez, talvez nem devesse ter integrado tão importante Órgão, onde com certeza há a necessidade de carregar muita sabedoria, experiência e equilíbrio.

Os contrapesos.

JALL (Advogado Autônomo - Comercial)

A hipocrisia e a intolerância para quem está liderando uma das maiores revoluções na sociedade brasileira, quebrando a marretadas sólidas instituições corporativas "do você sabe com quem está falando"! Errar é humano, persistir no erro é diabólico. O Ministro, após o episódio desculpou-se publicamente, reconheceu o excesso e redimiu-se da falta. Já o Lula et caterva, que nada viu, nada vêem e continuam não vendo persistem em seu erro e não tem ninguém no PT que venha se desculpar. O problema não é não errar. É persistir no erro

Falta de Preparo

Dr. Marco Seixas (Advogado Autônomo - Civil)

Na minha humilde inocência, sempre achei que as pessoas mais velhas e em cargos importantes eram mais experientes e bem preparadas para os percalços da vida. Mas o que vejo no dia a dia é o contrário, quanto mais se fica velho e ganha prestígio, mais rancoroso e inábil a pessoa se torna. O Min. Joaquim Barbosa é exemplo disso, uma pessoa que a idade a posição social não lhe trouxeram a serenidade e a temperança necessário para um bom convívio. Lastimável sua falta de preparo e de educação para com outro ser humano. O palhaço nessa história toda é a sociedade, que tem que aturar vários Joaquins Barbosas na esfera pública...

Mandou o cara para a Editora Abril?

Museusp (Consultor)

Eu acho que o Barbosa pensou que o jornalista era da Veja e mandou o cara ir "chafurdar" lá na Editora Abril!!!

Celebridade

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

O ministro reagiu como celebridade estressada, não como juíz. Agora os jornalistas que conhecem muito bem a TPM, terão que adivinhar quando o ministro etá ou não com celebrite! Ele mesmo não pediu desculpas. O fato de ele estar na idade do condor, não justifica tal reação,apesar do desconforto, pois até está namorando uma gatinha.

Fiscal do Sarney!

Flávio Barros (Jornalista)

Fiscal do Sarney!
O ministro Joaquim Barbosa é mais um "fiscal do Sarney" que, pontualmente, atende necessidades exemplares exigidas pelo povo. De nada adianta não mudando a Lei e, principalmente, o dito Quinto Constitucional(do diabo)!Esse Quinto é a própria infusão da corrupção brasileiro, numa mistura política partidária/política judiciária. É o braço político judicial trocando favores e chantagens com o sistema político partidário, acabando nas mãos do poder executivo uma escolha de candidatos não concursados para o fim proposto(tribunais superiores), que deveria ser a primeira etapa desse processo. Nessa disputa política pelos cargos "veneráveis" a OAB se agarra numa cobiça desmedida. Logo a OAB que tem história na luta democrática/social brasileira. Conhecer a real motivação e vida de muito, se não a maioria, dos "veneráveis" dos superiores tribunais poderia causar uma revolução das massas que, logo afirmariam: "Assim, até eu posso e quero salário e mordomias desses desvairados"! Fora os pitis do ministro Joaquim Barbosa, suas ações refletem um pouquinho da Justiça desejada pelo povo. Pena que os "outros" de um passado recente ficaram de fora!

Lamentável...

ius (Advogado Autônomo - Civil)

Eis ai o Batman dos desavisados e acéfalos!!!!
Isso porque quem não advogada no Supremo não sabe que ele atravessava mais de ano e meio com processo em seu gabinete, para despachar liminar em Habeas Corpus.
Um imbecil e pretensioso... aliás, pretensiosos são sempre imbecis!!!!

Vídeo.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Este comentário nada tem a ver com o Ministro Joaquim Barbosa. Apenas gostaria de dizer que achei espantoso o vídeo apresentado pelo comentarista Ramiro. Por que raios o "promotor" não recebeu voz de prisão? Pior: a juíza assistiu àquela aberração, àquele simulacro de julgamento, de camarote, sem fazer nada. Certamente deve ter pensado apenas "que deselegante!" (refiro-me à famosa frase de Sandra Annenberg).
.
Quem não é do Brasil e assiste a isso, até pensa que em Banânia é crime fazer defesa criminal. Pena que ainda sou estudante e nada posso fazer além de criticar. Fosse eu o juiz daquele júri, suspenderia o julgamento e soltaria o réu gostosamente, caso estivesse preso preventivamente. Além de lembrar à "autoridade" (fartamente remunerada com dinheiro público) que Tribunal do Júri não é nem deve ser sinônimo de algazarra, claro. Algazarra é lá em Cuba ou na Coréia do Norte.
.
Não pretendo generalizar, pois todas as profissões têm seus praticantes bons e maus, mas é um imperativo que os maus sejam tratados energeticamente quando cometem atitudes bárbaras.

Comentar

Comentários encerrados em 13/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.