Consultor Jurídico

Notícias

Dever de assistência

Pai que se nega a pagar cirurgia do filho pode ser preso

Comentários de leitores

6 comentários

Ponderação e Insegurança Jurídica

AC-RJ (Advogado Autônomo)

Pessoal,
.
Calma, vamos ler a matéria com atenção antes de emitir comentários açodados. Pela notícia, o pai já paga pensão alimentícia, de modo que o pagamento de remédios é um adicional e outras despesas tais como cirurgias não estão incluídas. Assim, entendo que o Judiciário extrapolou e decidiu injustamente ao desrespeitar um acordo que passou pelo crivo do Ministério Público e foi ratificado à época por ele próprio.
.
Decisões como esta trazem imensurável insegurança jurídica. Como consequência, doravante os pais no estabelecimento de pensão alimentícia preferirão pagá-la em dinheiro, que seria imutável, a pagá-la em bens e serviços, que é incerto e inseguro, como se pode verificar.
.
Nesta situação, se o pai tivesse optado em pagar a pensão alimentícia somente em dinheiro certamente estaria totalmente livre de custear tal cirurgia.
.

The day after

Jose Campolina (Contabilista)

Esse tipo de pendenga tornou-se comum. Acabado o casamento, invocam-se os termos frios do acordo post-nupcial. Uma questão que deveria se fixar apenas no dever natural de assistência aos filhos, transforma-se em pé de briga, decorrente talvez, dos ressentimentos mútuos que destruíram a convivência, cujos efeitos recaem sobre um menor, parte inocente do caso. Tempos modernos, tempos de mesquinharia.

Bater em cachorro morto é mole

Eduardo R. (Procurador da República de 1ª. Instância)

O pai estava apenas invocando a regra expressa do acordo, de sua responsabilidade era para remédios e não para cirurgia eletiva (dificilmente será de urgência, 20% da população masculina tem essa condição). Os princípios, os princípios, o que está escrito nunca vale!

É um canalha!

Aiolia (Serventuário)

Safado, vagabundo...

Fim dos tempos!!!

Vignon (Advogado Autônomo - Tributária)

Enquanto para adotar uma criança é feita mil exigências e restrições, para "fazer" filhos não há exigência alguma. Este sujeito não pode ser chamado de pai. Pode ser tudo, menos pai. Eu tenho o maior prazer em trabalhar duro para proporcionar tudo o que meu filho precisa. Afinal de contas, ter filho é opção.

Apelido

Observador.. (Economista)

A matéria está incorreta. Este cidadão tem apenas o "apelido" de pai.
Sua postura assim demonstra.

Comentar

Comentários encerrados em 5/06/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.