Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Linguagem única

OAB quer unificação de sistemas eletrônicos no país

A Ordem dos Advogados do Brasil defendeu durante o Fórum Nacional de Juizados Especiais (Fonaje) a unificação dos sistemas processuais eletrônicos no país. Atualmente cerca de 40 diferentes sistemas estão funcionando nas comarcas brasileiras.

“A OAB defende não apenas a unificação dos sistemas processuais eletrônicos, mas também que se tenha um número maior de juízes e servidores, proporcional à quantidade de demandas que existem hoje nos juizados especiais, só assim teremos uma celeridade maior no tramite processual”, acredita o advogado Welder Queiroz dos Santos, que representou o presidente do Conselho Federal da OAB, Marcus Vinícius Furtado Coêlho, durante o debate.

“A advocacia tem uma grande preocupação, hoje a gente tem no Brasil mais de 40 sistemas diferentes de processos eletrônicos, o que é um problema para a advocacia e para o judiciário. Unificar é um dos anseios do Fonaje e a OAB vem ao encontro desse anseio”, complementa.

Para o representante da OAB, a unificação do processo eletrônico vai facilitar o trabalho dos advogados, que vão saber qual a melhor forma de peticionar, qual a capacidade de documentos que será necessário anexar em um mesmo ato processual — hoje cada estado estabelece uma quantidade — além de melhorar a comunicação entre juízes e advogados. “Quando o assunto é processo eletrônico não falamos uma linguagem única no Brasil, o que é um problema. Por isso não podemos deixar esse tema de lado, temos que discutir e encontrar soluções”.

O Fonaje reuniu mais de 150 juízes entre os dias 22 e 24 de maio, em Cuiabá. O tema central deste ano foi Juizados especiais - prioridade dos tribunais. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-MT.

Revista Consultor Jurídico, 27 de maio de 2013, 17h56

Comentários de leitores

4 comentários

Processo eletrônico

GFerreira (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Realmente o processo eletrônico tem sido mais célere, pelo menos na primeira instância, já que no STJ, não é isso que vem ocorrendo, pois a demorar em julgar ultrapassa o prazo aceitável.
Mas vamos ao processo eletrônico, realmente as dificuldades tem sido imensas, notadamente pela falta de espaço que o Tribunal de Justiça de São Paulo disponibilizou para anexar documentos.
Até o momento não tivemos explicação sobre a falta de espaço.
Oras, se tenho uma ação que deve ser instruída com mil documentos como fazer? petição e mais petição, ou seja, o que era para simplificar e agilizar o andamento, acaba por tornar necessários o envio de varias petições para um mesmo ato.
Unificar todos os sistemas é de suma importância, para todos operadores do direito.
Não se resolve um problema antes do problema aparecer, mas é previsível algumas situações como a limitação de espaço, significa duas coisas, ou não estavamos preparados para o processo eletrônico por limitação tecnológica, ou falta de gestão, pois, não há na legislação a limitação de juntada de documentos pelas partes. O simples ato de limitar essa prática não pode ser bem vista por ninguém, principalmente por quem investiu em equipamentos para escanear documentos e novos computadores e programas.

O eterno vício da péssima gestão

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

O poder judiciário é péssimo gestor. Com tantos recursos,inclusive tecnológicos, só agora falam no assunto, quando deveria ser na fase inata! Ao final , a conta é socializada, como sempre.

Unificação dos sistmas processauis eletrônicos nos Tribunais

Candido Lobo (Advogado Assalariado)

É obvio que a unificação do sistema em todo o País é a melhor opção e que se venha a usar, preferencialmente, o mesmo sistema do STJ que, sem sombra de dúvida, é o mais fácil e mais eficiente de todos os Tribunais. Espera-se, no entanto, que as deficiências e dificuldades criadas nesta primeira tentativa prematura, apressada e extremamente mal planejada de introduzir o processo eletrônico no País, não tenha, já pela rejeição da esmagadora maioria dos operadores do direito, advogados, juizes, ministros, membros do MP, comprometido essa inciciativa tão positiva. Candido Lobo (Advogado)

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/06/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.