Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Disputa por espaço

Procuradoria adita representação contra desocupação

Por 

A Procuradoria-Geral de Justiça de São Paulo protocolou nesta terça-feira (21/5), junto ao Conselho Nacional de Justiça, um aditamento ao pedido inicial no procedimento de controle administrativo contrário à ordem exarada pela presidência do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo em relação à ocupação de salas nos fóruns pelo Ministério Público.

Na petição, a PGJ-SP diz que, mesmo após a prorrogação do prazo inicial de desocupação das salas, persiste o interesse na apresentação da impugnação do ato do TJ-SP. O documento é assinado pelo procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Elias Rosa.

No dia 6 de maio, após uma tentativa fracassada de conciliação entre o TJ-SP e o Ministério Público estadual, o presidente da corte, desembargador Ivan Sartori, ampliou os prazos para que os promotores de Justiça do interior deixem as salas que ocupam nos fóruns.

No dia seguinte à reunião, Sartori enviou um comunicado ao CNJ informando que os prazos para desocupação ou reocupação dos prédios do Tribunal de Justiça foram ampliados — de 40, 60 e 90 dias, para seis meses, um ano e um ano e meio, de acordo com as prioridades da administração do TJ.

“Como se percebe, o ato administrativo que motivou a provocação do Colendo CNJ — determinação de desocupação de salas e espaços utilizados pelo Ministério Público em 58 fóruns do estado de São Paulo — ainda subsiste e a modificação imposta tange apenas quanto aos prazos fixados, conservando-se, inclusive, o tempo inicial de sua contagem”, explica Elias Rosa no aditamento. De acordo com a Procuradoria-Geral de Justiça, a solicitação, com fixação de prazo, tem o sentido inequívoco de determinação, de ordem.

No documento, Elias Rosa reforça a tese apresentada na petição inicial de que houve invasão de competência do TJ-SP, ao determinar que os promotores deixem suas salas. Elias Rosa alega que é a PGJ quem tem a prerrogativa normativa de dizer como os promotores devem ocupar suas salas. Também afirma que a medida foi arbitrária e que Sartori violou o princípio da independência funcional do Ministério Público. Também disse que, para retirar os promotores de suas salas, o MP gastará R$ 2,9 bilhões, mais que o dobro de orçamento anual do órgão.

A Associação Paulista do Ministério Público (APMP) também registrou manifestação no procedimento de controle administrativo. A APMP reforça que há desrespeito a autonomia administrativa do MP, “pois cabe à própria instituição decidir questões relativas ao seu pessoal, ao seu patrimônio, aos seus serviços, às suas atividades e à gestão dos bens que lhe são alocados para a realização de suas funções constitucionais”.

Para a APMP, a conduta de Ivan Sartori “parte do equivocado entendimento de que os prédios dos Fóruns pertencem ao Poder Judiciário”. Segundo a Associação, os prédios pertencem à Fazenda Pública de São Paulo, “valendo destacar que a destinação dos edifícios foi realizada para abrigar não apenas o Poder Judiciário, mas também o Ministério Público”.

Informações distorcidas
Segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo, o Ministério Público tem distorcido informações que fornece ao Conselho Nacional de Justiça e à imprensa sobre a desocupação de salas nos fóruns paulistas. Segundo o TJ, o que foi determinado, por meio de ato normativo, é uma readequação dos espaços ocupados por promotores no interior devido a necessidade de ampliação do TJ-SP.

A ideia do tribunal é reduzir o número de salas que os promotores ocupam para que possam ser instaladas novas varas, fóruns e cartórios. Não haverá despejo, segundo os planos do tribunal. Em todos os fóruns do estado serão instaladas salas de apoio ao MP, nos moldes das salas do advogado, mantidas pela Ordem dos Advogados do Brasil. E nas varas de Infância e Juventude e de Família e Sucessões, o promotor continuará com seu gabinete, da mesma forma que está hoje.

O TJ-SP afirma ainda que não houve ato arbitrário. O desembargador Ivan Sartori conta que, assim que assumiu a presidência do TJ, em janeiro de 2012, procurou Márcio Elias Rosa para falar de seus planos de expansão. Pediu que a Procuradoria-Geral de Justiça apresentasse um cronograma de reorganização dos espaços ocupados pelo MP. Porém esta nunca foi entregue e Elias Rosa nega que o pedido tenha sido feito.

Leia aqui a manifestação da PGJ
Leia aqui a manifestação da APMP

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 22 de maio de 2013, 15h58

Comentários de leitores

5 comentários

E quanto aos polpudos recursos

Ricardo (Outros)

Quem usa dinheiro do fundo judiciario - que deveria ser utilizado na melhoria dos serviços e da agilizacao da prestacao jurisdicional - para despesas de pessoal, pagamento de ferias, auxilio moradia e outras verbas nao e o MP. A propósito, sugiro ao CONJUR que faca uma reportagem sobre as decisões proferidas nos Colégios Recursais. Vao ficar surpresos com o numero de decisões favoráveis aos pares. Ou seja, o que o juiz de primeiro grau decidiu e lei, salvo raras exceções. Nem sei pra que existe o duplo grau de jurisdição nos Juizados. A estatística nunca mente.

seres iluminados

Ricardo (Outros)

creio que a única coisa de que os Promotores sentirão "falta" será privar do mesmo espaço ocupado por estes entes que se julgam superiores. o privilégio a que o magistrado abaixo se referiu deve ser este. outra coisa Mm., o correto não é "ao invés de", mas sim "em vez de".

Procuradoria adita a representação no CNJ contra desocupação

regina m.c. neves (Advogado Autônomo - Criminal)

Boa noite aos internautas!!
Quanto a noticia "Procuradoria adita a representação no CNJ contra desocupação das salas"
Tenho a dizer o seguinte:
O Presidente do TJ/SP tem que saber que ele (Presidente), é itinerante pois, amanhã muda não é mesmo?!
Além de ser de péssimo gosto a proposta feita pelo PRESIDENTE do TJ/SP, ele tem que saber que le não é o dono do Poder Judiciário e que os prédios, salas e assemelhados não pertencem à ele.
Procuradoria, Ministério Público do Estado de São Paulo, Dígnos Promotores e Promotoras de Justiça desse país.
Me solidarizo com Vossas Excelências!!
É um verdadeiro desparate, absurdo ditador o que o Presidente do TJ/SP está tentando fazer com os fiscais da Lei!! Mas... com certeza ele vai ficar apenasmente tentando!!!!
Olha! a que cúmulo chegou neste País a falta de respeito!!!!! sem falar na ética!! Será que esta ainda existe??? é o caso de se perguntar?!
Senhores Promotores e Promotoras de Justiça, não permitam que isso aconteça, pois, cada qual no seu lugar e o Presidente do TJ/SP tem de permanecer no dele, não é mesmo!!!
Abraços solidários aos dignos representantes do Ministerio Público de todo o país, especialmente aos da cidade de São Paulo.
é o que tinha a dizer.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/05/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.