Consultor Jurídico

Crise orçamentária

Justiça dos EUA pede verba de emergência para funcionar

Por 

O Judiciário federal dos Estados Unidos pediu ao Congresso uma verba de emergência de US$ 73 milhões para poder enfrentar a crise financeira provocada por cortes no orçamento de 2013. "O Judiciário está passando por uma crise financeira sem precedentes, que pode comprometer seriamente a missão constitucional dos tribunais dos EUA", escreveram em uma carta ao Congresso a presidente da Conferência Judicial, juíza Julia Gibbons, e o diretor de Administração dos Tribunais dos EUA, juiz Thomas Hogan.

De acordo com o The National Law Journal, a carta ao Congresso explica que o Judiciário não dispõe de flexibilidade orçamentária para absorver o sequestro de verbas públicas de US$ 350 milhões que lhe foi imposta a partir de março de 2013. Não há dinheiro suficiente para o funcionamento dos tribunais ou da Defensoria Pública, diz a carta. Esses órgãos serão obrigados a licenciar funcionários e advogados por falta de verba para pagá-los, bem como para seu próprio funcionamento.

A verba de emergência é requisitada para cobrir um déficit de US$ 41 milhões da Defensoria Pública e de US$ 32 milhões dos tribunais. Com esses recursos, o Judiciário poderá manter 550 empregos de defensores públicos e funcionários da Justiça. E evitar o licenciamento obrigatório de 5 mil pessoas, o que, no total do tempo parado de todos esses funcionários, vai representar 24 mil dias de ausências do trabalho.

Segundo a carta dos juízes ao Congresso, a Defensoria Pública já está ordenando licenças compulsórias a seus advogados e não dispõe de verbas para nomear advogados privados para atuar em casos criminais de réus sem dinheiro para pagá-los. Isso poderá ser feito, em parte, com as verbas de emergências solicitadas pelo Judiciário.

A Defensoria precisa de US$ 5 milhões apenas para defender acusados de envolvimento com atividades terroristas, em Nova York e Boston. Esse é o caso da defesa de Dzhokhar Tsarnaev, de 19 anos, acusado de envolvimento com a explosão de bombas na Maratona de Boston. A Promotoria já está ativa, mas a Defensoria licenciou os advogados encarregados da defesa por três semanas, afirma a carta.

"Isso é grave", declarou o presidente do Tribunal de Recursos em Virgínia, William Traxler Jr., que também é presidente do comitê executivo da conferência judicial. "O Judiciário vai deixar de cumprir sua obrigação constitucional, prevista na Sexta Emenda da Constituição, de garantir representação a 'indigentes' acusados de crime". E não é só isso. "O resultado previsível dessa crise financeira é o de que os tribunais se tornarão bem mais lentos e nosso sistema judiciário não vai funcionar da forma eficaz que deveria", afirmou.

O corte de US$ 350 milhões nas verbas do Judiciário federal para este ano faz parte de um plano do Congresso de fazer "sequestros de verbas públicas" para reduzir a dívida pública do país. Em 2 de abril de 2013, a dívida pública dos EUA foi calculada em US$ 11,96 trilhões.

Mas o Congresso tem voltado atrás, gradativamente. Já destinou verbas de emergência à Promotoria, ao FBI (Federal Bureau of Investigation) e ao Departamento de Justiça, que, por sua vez, precisava destinar verbas ao sistema de prisões federais. As prisões ameaçavam ordenar licenças compulsórias a seus carcereiros.

De acordo com a carta ao Congresso, "o Judiciário, diferentemente dos órgãos do Executivo, tem muito pouca flexibilidade para manejar verbas orçamentárias e, com isso, amenizar os efeitos do sequestro de verbas públicas".




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 20 de maio de 2013, 12h12

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/05/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.