Consultor Jurídico

Comentários de leitores

11 comentários

Dr.Ricardo

Observador.. (Economista)

Mais uma vez concordo com seu comentário.A crise na família e de valores(que é algo interligado) está cobrando seu preço em sangue.
Faz parte da doutrina esquerdista (é um fato)avançar contra a família, as religiões e tudo aquilo que eles consideram como "burguês" ou "reacionário"(em pleno século XXI, no Brasil, ainda fazem sucesso tais absurdos envelhecidos).
É preciso colocar a todos de joelhos, confusos e sem rumo para o Estado intervir, da forma que quiser e bem entender, criando uma "nova ordem".Um novo rumo.
As drogas só ajudam a causa pois esta explosão de consumo (que acontece com as drogas legalizadas, como o álcool) está transformando o comportamento das pessoas, desagregando ainda mais o núcleo familiar e tornando os crimes ainda mais violentos, pois potencializam paranóias, agressividades, sofrendo, toda a química cerebral, alterações perigosas para o indivíduo e para aqueles a sua volta.
É o Zeitgeist da nossa era.Um id supervalorizado e um superego desprezado.Em um país continental e com toda uma legislação frouxa, o senhor pode imaginar - se nada mudar - para onde estamos indo...daqui a 10 ou 20 anos.

Caro Observador

Ricardo (Outros)

Quanto ao Brasil nao ser um pais serio, nesse ponto sou obrigado a concordar. Quando a frouxidão das leis idem. Quanto ao P Judiciario, o sr. há de convir que, dos tres poderes constituídos, e o que digamos menos poder possui para impor suas decisões. E um poder desarmado. Quanto a violencia no Pais, existe uma questão sobre a qual o sr. deveria refletir: o aumento dos crimes violentos esta relacionado com a questão das drogas que e influenciada por uma crise na família. Explico: hj em dia as mulheres nao ficam mais em casa, a grande maioria, e as crianças nao recebem educação adequada, ficam meio que largadas. Dai a ser cooptado por um traficante e um passo. Bom, e o que faz o governo e o Judiciario na questão do combate aas drogas? Há uma grande campanha em favor da descriminação das drogas, o que mais cedo ou mais tarde ira ocorrer, e hoje tem juiz concedendo liberdade provisoria a traficantes, seguindo as orientações do STF, que considerou inconstitucional a interpretação de norma que proibia a progressão de regime a esse tipo de crime. Se a repressão nao estava funcionando, imagina com a frouxidão... Enquanto nao houver uma rigorosa política de combate ao trafico de drogas esse tipo de crime a que o sr. se referiu continuara a nos assustar. Na cidadezinha onde cresci um neto degolou a avo após um surto psicotico decorrente do uso de drogas. Em suma, essas coisas acontecem porque: as famílias se desintegraram e o governo nao consegue combater eficazmente as drogas. Quanto a impunidade, para esse tipo de crime ela nao existe, pois geralmente envolve a camada mais simples da população, para qual a Justica e implacável. O problema estava no andar de cima, mas com a prisao do nobre deputado, ontem, as coisa finalmente parecem estar mudando...

Dr. Ricardo(outros)

Observador.. (Economista)

Por consideração me dirijo ao senhor assim; sempre polido e disposto ao esclarecimento e ao bom debate.
Concordo com todo o seu comentário. Mas lembro que o Judiciário tem instrumentos de pressão, como ocorreu na PEC 37, que poderiam mobilizar,tanto o executivo quanto o legislativo, no sentido de termos um sistema penal mais justo, rigoroso e que ajude a minorar o número de crimes contra a vida, cada vez mais bárbaros.
A impunidade e o excesso de garantias está matando as pessoas.
Comecei meu comentário por causa da criança de 5 anos morta, porque chorou demais durante um assalto à sua família.
Em um país sério causaria comoção. O governo se mobilizaria.Aqui já nos anestesiamos e nada acontece.
Não vivemos em um país sério.
Talvez seja o motivo do desalento que senti ao ler a notícia sobre a criança.
Um abraço para o senhor.

Caro Observador

Ricardo (Outros)

Quem fomenta a impunidade, com certeza, e o governo e a classe política. Sou critico do Judiciario, mas essa conta nao pode ser repassada totalmente a esse Poder. Explico: ano após ano o governo arruma meios de afrouxar a legislação penal. E o porque disso: economizar. O sr. como economista sabe quanto custa manter um detento sob a custodia estatal? Pois e, no Brasil existem duzentos mil presos e quatrocentos mil mandados de prisao a serem cumpridos. Nao há vaga pra tanta gente e, com o aumento da violência e do numero de prisões, o que faz o governo? Investe em penas alternativas, eficazes em certos casos, e na legislação mais branda do mundo: basta ver que, mesmo condenado, ninguém cumpre integralmente sua pena, só parte ínfima dela. Anualmente o governo edita decretos anistiando um sem numero de condenados. E mais, só nao sai na rua quem cumpre pena no fechado, por pouco tempo. Na pratica, semi-aberto e aberto e cumprido na rua. Todo feriado milhares de presos voltam as ruas e alguns deles para praticar crimes. E o unico lugar do mundo em que o governo fomenta a criminalidade. Ou seja, isso que revolta o sr. e a todos nada mais e do que o interesse economico. O governo nao quer gastar com a construção de presídios nem com a manutencao de detentos. Para o governo o cidadão de bem nao e o mais importante. O interesse economico esta acima do bem estar da população, o que constitui uma grande ironia, pois a economia visa a propiciar esse bem estar. Abraco

Dr. José machado -devolvendo a pergunta-

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

E o colega poderia me informar quantas ações já foram intentadas com tal finalidade ? Não ? Conhece alguém, então capaz de responder ? Também não? Tá certo, obrigado.

Advogato79 (Advogado Assalariado - Ambiental)

Observador.. (Economista)

Com todo o respeito ao seu comentário, sendo a ampla maioria - dos operadores do Direito - "do bem", por que nada muda há anos?Será culpa, exclusivamente, dos políticos?
Ou se distanciaram (não sei quantos) da cruel realidade do dia-a-dia, preocupando-se com teorias, discussões e debates em alto nível(o que pode ser positivo também)mas esquecendo-se de que o estudo do direito não é um fim em si mesmo?Tem o propósito de pacificar a vida em sociedade e nos lembrar que temos limites e regras para que - alguns - não voltem à barbárie (como já está acontecendo no país).
Ou pessoas incendiadas, bebês mortos no colo do pai, crianças assassinadas porque estavam chorando não são um sinal de que algo anda MUITO errado por aqui?
E quanto aos juízes, desembargadores, promotores etc, quantos acabam sendo punidos além da aposentadoria?
São muitos os casos quando há ofensas à lei?

Para Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Advogato79 (Advogado Assalariado - Ambiental)

Colega,
Eu até admitiria seu comentário se vc não fosse formado em Direito. Como vc deveria saber, NO ÂMBITO ADMINISTRATIVO, a aposentadoria compulsória é a maior pena. Mas, obviamente, como vc deveria saber também, basta ajuizar a respectiva ação de perda do cargo que haverá a demissão.
As prerrogativas de juízes e promotores de justiça existem em todo o mundo e não são destinadas a garantir impunidade. Ao contrário, são dirigidas aos juizes e promotores honestos, para blindá-los contra influências do poder dominante.
Evidente que juizes e promotores que praticam ilegalidades acabam se beneficiando das garantias, porém há maneiras de demiti-los. Basta aplicá-las corretamente!
O resto é demagogia!
Tanto a Advocacia, quanto o Ministério Público e o Poder Judiciário, são formados por pessoas, em sua imensa maioria, de bem.

Oportunidade

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Chegou a hora e oportunidade de se implementar as mudanças que a população brasileira exige. Esses nefastos exemplos de autoridades é condenável. Agora, uma tribunal que se diz paladino, como STF, que entorta e deturpa a legislação,quando quer, não faz nenhuma questão de cortar na própria carne. Condenou corruptos mesmo que em atropelo aos ditames jurídicos, deu direitos aos LGBTS, greve aos funcionáçrios públicos, não tem peito para dispensar a bem do serviço público, tais marginais travestidos de autoridades. Isso é só a ponta do iceberg. A orgia não é só no poder legislativo não; os outros poderes também sempre foram e estão completamente contaminados, exigindo-se total assepsia.

Pois é preclaro 'observador-economista'

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

A punição de autoridades, no Brasil, vem na forma de "prêmio" -ganhar salário integral sem trabalhar- É uma maravilha e até um meio rápido de ir pescar mais cedo, para quem quer se aposentar logo.Não dá para entender como alguém, pilhado em desmandos administrativos, julgado e condenado por eles,possa ser beneficiado com "aposentadoria". Chamam a isso de Justiça ? Bem, por aqui é assim. Agora pergunto o seguinte: com tais exemplos canhestros,vindos de cima,como pretender que o povo tenha respeito,civilidade, se abstenha da prática de delitos e viva uma vida digna? Essa pergunta, talvez, nenhuma Nação do mundo, possa responder.É por isso que seremos eternamente um "país do futuro" , mesmo sabendo que esse futuro jamais chegará.

Punição ou prêmio para desembargadores bandidos?

Proberto (Técnico de Informática)

No mínimo, cabe questionar onde foi parar o dinheiro manipulado pelos doutos bandidos. Aposentadoria é pouco para essa corja. Temos que exigir o ressarcimento a quem de direito do dinheiro desviado. Ou não?

Local apropriado

Observador.. (Economista)

Talvez não seja nesta notícia.Mas irei escrever assim mesmo.
Li, hoje de manhã, algo que me deixou desanimado.Desanimado com o país e com o judiciário e nosso sistema penal.
Posso estar enganado.Mas tenho a sensação de viver em um país onde o excesso de garantias se transformou em impunidade; impunidade,esta, que está tornando, nosso país, uma terra de seres frios, muitas vezes cruéis e, a cada dia mais comum, selvagens.
Li hoje que uma criança de 5 anos foi morta, durante um assalto em SP, porque chorava muito.E a família não teve dinheiro suficiente para atender os desejos de quem assaltava.5 anos.O que se pode falar?O que se escreve sobre isto?Algum sino irá dobrar por ela?Já nos acostumamos com o que deveria nos causar asco e repúdio extremos.
E se alguém se descontrola, clama por justiça em um país claramente injusto, com 50.0000 homicídos/ano, vão dizer que "não se pode fazer nada no calor da emoção".E isto ouço há anos.Anos.Tanto sangue inocente já foi derramado.
Mas não podemos fazer nada no calor da emoção...dizem.
Não entendo meu país.Não entendo nossos juristas (vênias devidas à quem merecer).Preferem se ater à uma teoria fria, que se mostra injusta e por vezes desumana, do que mudar, termos um sistema mais justo, que puna - de fato - aqueles que cometem atrocidades e não tem qualquer respeito pelo bem maior de todos nós...a vida.
Mais uma criança se foi, neste país estranho com muita gente esquisita.Não foi possível protegê-la.
Horrível.
A impunidade, a mesma que transforma aposentadoria em punição, nos tornou um país violento, difícil de compreender e, muitas vezes, despido de qualquer civilidade.

Comentar

Comentários encerrados em 5/07/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.