Consultor Jurídico

Notícias

Notas Curtas

Juízes se reúnem para discutir fragilidades da Justiça

Comentários de leitores

5 comentários

Nem querem ouvir

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Posisso nem querem ouvir falar em Assembleia Nacional constituinte! Como são cínicos e mentirosos. Essá é a verdadeira caractrerística dos deuzinhos que julgam as causas dos brasileiros.

E o anteprojeto da nova lei orgânica da magistratura?

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

O ínclito, destemido Ministro Joaquim Barbosa, sempre preste em apontar as falhas nos outros poderes, resta a grande pergunta, por que ele não aproveita a sua boa fama e envia ao Congresso o Anteprojeto da Nova Lei Orgânica da Magistratura Nacional, qual nenhum presidente do STF faz, desde 1988?
Medo do Congresso?

Parece piada

JUNIOR - CONSULTOR NEGÓCIOS (Professor)

Deveriam se reunir para empreender esforços para
acabar com o auxílio-alimentação que muitos recebem, já que possuem subsídio e que acabaram de ter tal auxílio chancelado no cnj. Os protestantes deveriam saber que juízes ganham mais de 20 mil e ganham ainda auxílio-alimentação.

Chorando de barriga cheia

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Ora, o que nós temos visto de efetivo na magistratura brasileira nos últimos anos? A resposta é uma só: uma intensa atuação ideológica e parcial, visando satisfazer aos interesses dos próprios magistrados. Os que estão deixando a magistratura, em regra, o fazem porque conseguiram se articular politicamente, não raro prolatando decisões parciais visando se favorecer pessoas ou entidades, de modo a conseguir funções mais bem remuneradas e de menores responsabilidade (que não alcançariam se não tivesse usado o cargo de magistrado para isso). Essa "evasão" que os magistrados sistematicamente repetem, assim, na prática não existe. A cada novo concurso da magistratura há milhares de candidatos, que se digladiam por uma vaga a todo custo e a qualquer preço.

Dias parados na Justiça: Chega!!!

Budeu (Advogado Autônomo - Empresarial)

Com todo o respeito, não haverá solução ao Judiciário enquanto permanecer interrompendo seus trabalhos. Essa, sim, é a grande fragilidade da Justiça. Ora, vejamos o exemplo do TRT da 15ª região, tem parado às 15hs no dias em que haverá protesto. E hoje, pasmem, irá para de trabalhar às 16hs por causa do jogo do Brasil (Portaria GP 34/2013, de 25.06.13.)
Ah, tenha a santa paciência....
E no TJSP passaram a atender advogados a partir das 11hs e nada mudou. Agora alterarão novamente o horário de atendimento. Com todo o respeito, de nada vai adiantar novamente, enquanto emendarem todos os feriados.
Depois têm coragem em falar que os processos não andam por culpa dos advogados.
Mais do que protestarmos por educação, saúde e segurança, devemos exigir um Judiciário que funcione efetivamente.

Comentar

Comentários encerrados em 4/07/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.