Consultor Jurídico

Colunas

Direito de Defesa

Felizmente, manifestações são uma espiral sem volta

Comentários de leitores

12 comentários

Sobre o temor de um "novo 64"...

Samuel Cremasco Pavan de Oliveira (Advogado Autônomo)

A respeito da opinião do Prof. Pierpaolo de que não vislumbra qualquer risco de um "novo 64", creio ser conveniente a leitura deste excerto da coluna do Prof. Lenio Streck de hoje:
“Ressurge a Democracia”
“Vive a Nação dias gloriosos. Porque souberam unir-se todos os patriotas, independentemente de vinculações políticas, simpatias ou opinião sobre problemas isolados, para salvar o que é essencial: a democracia, a lei e a ordem. Graças à decisão e ao heroísmo (...) o Brasil livrou-se do Governo irresponsável, que insistia em arrastá-lo para rumos contrários à sua vocação e tradições.
Agora, o Congresso dará o remédio constitucional à situação existente, para que o País continue sua marcha em direção a seu grande destino, sem que os direitos individuais sejam afetados, sem que as liberdades públicas desapareçam, sem que o poder do Estado volte a ser usado em favor da desordem, da indisciplina e de tudo aquilo que nos estava a levar à anarquia (...).
Poderemos, desde hoje, encarar o futuro confiantemente, certos, enfim, de que todos os nossos problemas terão soluções, pois os negócios públicos não mais serão geridos com má-fé, demagogia e insensatez. Este não foi um movimento partidário. Dele participaram todos os setores conscientes da vida política brasileira, pois a ninguém escapava o significado das manobras presidenciais.(...) Era a sorte da democracia no Brasil que estava em jogo.”
Sabem do que se trata? Pois lhes conto. Trata-se do editorial do Jornal O Globo de 2 de abril de 1964. Bingo!

Perspectiva

Joao Eduardo Madureira (Publicitário)

Ao que tudo indica a imprensa e os analistas político sociais internacionais têm um entendimento melhor do fenômeno social atual, traduzido pelas manifestações sociais, do que a imprensa os analistas político sociais domésticos.
Possivelente porque no exterior sejam utilizados quadros referenciais de analise do fenômeno ainda inexistentes no Brasil, pelo menos no que diz respeito a democracia prática.
Essas últimas semanas fazem me lembrar do livro "Os Bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi", do renomado cientista brasileiro José Murilo de Carvalho, lançado pela editora Cia. das Letras.

Gostaria de apertar a mão do piloto da FAB ...

Mig77 (Publicitário)

O Antonio Prata não entendeu nada, este articulista também não porque eles perguntaram errado para seus cérebros, então a resposta veio errada."Não entendi".
A pergunta correta é:Eu estou feliz com meu país?
Os meus estão bem?Os que estão à minha volta estão bem?Pronto!!chegou.. aí mora o problema!Se não convidarem esse povo para a festa, não haverá festa !
Tok ! tok! tok! McFly...Tem alguém aí??
A Dilma ficou perplexa diante das manifestações e boa parte do povo ficou perplexo por ela estar perplexa.
Lendo as opiniões dos comentaristas desta matéria, vejo 2 lados bastante antagônicos.Um quer mudar outro também quer mudar.O primeiro quer mudar em 50 anos, o segundo quer mudar para as próximas eleições.Fico com o segundo.Em 1968, 69, 70 etc, tentamos mudar este país e fomos tachados de comunistas.Vendo esse povo nas ruas hoje, lembro daquela época, sem "comunistas", pq esse povo não quer "implantar a ditadura comunista"
Chora direitinha. (1964 a 2013 quase 50 anos)e o povão nas ruas!!Nesse movimento há gente articulada, desarticulada, sonhadores e revoltados com a herança que nos deixaram os militares, Collor, Itamar, FHC e Lula.Ninguém foi preso no Mensalão, Carlinhos Cachoeira em lua de mel, juiz ganhando R$ 360 mil POR/MÊS, Arruda não chora mais, está feliz, aposentadorias e salários milionárias no Judiciário, Legislativo, Forças Armadas, PM, Copa, pedágios, transporte público, equipamentos modernos de tomografia parados há 5 anos sem instalar, dentistas pegando fogo, arrastões .Aí esse povo cordeiro perguntou para seu pacato cérebro. Pq tenho que pagar por tudo isso?
Perguntou certo !!!A resposta veio certa!!!

Prezado observador (economista)

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Entendi perfeitamente o seu ponto de vista e,nesse sentido, me curvo a ele. Um movimento que eventualmente cause danos ao patrimônio público autorizaria a polícia a sufocá-lo, com base exatamente nessa premissa. Na verdade é tudo que o governo quer, talvez até infiltrando pessoas para que assim ajam, justificando a repressão policial. É claro que isso prejudicaria as reivindicações. Agora, que é difícil sufocar a revolta pelo cinismo generalizado dos nossos governantes isso não resta duvidas que é. Sds.

Excelente análise...

Azimute (Consultor)

Sem dúvida, considerações esclarecidas a respeito do que temos pelas ruas de nossas cidades, ultimamente.
E concordo "ipis literis" com a opinião do Dr. Bottini, ao referir que não vê similaridade alguma com o que temos agora, e as agitações dos anos 60. Aquilo lá não teve nada de popular, na verdade. Foi um incitamento, que conduziria os militares ao poder - muitas vantagens para nossa terra, alguns derivativos tristes, para o século XX, dentre eles a censura onipresente, e a repressão endereçada ao inimigo errado.

se. se

Cid Moura (Professor)

se nao hovesse corrupcao.
se o judiciario nao fosse preguiçoso.
se o mp soubesse o lugar que ocupa no mundo.
se nao houvesse BilhOes de reais gastos com futebol.
se nao morresem crianças de fome.
as ruas nao precisariam ser fechadas praetor.
esses anonimos.....

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Observador.. (Economista)

Dr.Fernando:
Entendo seu ponto de vista.Tendo até a concordar.Sou de origem militar e tenho consciência de que, muitas vezes, sem o som da refrega, o outro lado tem dificuldades de entender ou escutar determinados clamores.
Mas acho que, para não se perder o controle e ficarmos reféns de algo ainda obscuro, devemos dançar com cuidado esta valsa dos indignados.

É difícil diferenciar

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Acho muito interessante quando se passa à análise da legalidade e legitimidade de um movimento, desde que pacífico e ordeiro, ou seja,sem vandalismo. Também sou contra o quebra quebra,mas apenas quando se mutila o patrimônio PRIVADO e só esse.Questiono e explico:Por acaso o SUCATEAMENTO dos hospitais públicos, escolas, creches, etc,pelo próprio governo,não seria, IGUALMENTE um ato de VANDALISMO MUDO ? Uma violência dissimulada ?VANDALISMO contra quem paga os impostos,quem trabalha,quem espera um mínimo de decência dos seus governantes ?De quem vota e acredita estar elegendo pessoas de bem ? Se a resposta for SIM, não se deve criticar os VÂNDALOS DO PATRIMÔNIO PÚBLICO,porque estarão fazendo o mesmo que fazem os nossos governantes,com uma diferença em favor dos primeiros:não foram eleitos para cuidar desse patrimônio e nem ganham vultosos salários, que usam para escarnecer a população. Destarte, apesar de contra tais atos, contra os bens privados,não condeno os que dele se valem,em relação aos públicos, porque se aqui milhões de assinaturas não conseguem demover um bandido da presidência do Senado;se condenações pelo STF n/são suficientes para punir ninguém (nem ao menos afastar um mortal da vida pública) e se somente a voz do povo nas ruas não consegue incomodar os acomodados donos deste país loteado, talvez um movimento "MESCLADO" como o que temos visto, seja a melhor ou a única solução.

Atento

Observador.. (Economista)

Quando grupos fecham ruas e impedem outros de transitar nelas, não concordo que seja um gesto pacífico e legítimo.
É o poder.Exercido por aqueles que gritam, berram e ameaçam se deles vc discordar.
Se quisermos um país civilizado, temos que, agora, organizar melhor tais manifestações sem parar a cidade por isso.
Quando alguém ameaça "vou parar a cidade" se não fizerem isto ou aquilo, é tão nocivo e anti-civilizado quanto um estado que dita as regras sem consultar alguém.Faz porquê pode e tem (ou pensa ter) a força.
Ou mudamos para melhor ou entraremos em uma fase mais obscura que não interessa à ninguém.
O Brasil não merece sair pior após a população mostrar que está insatisfeita, justamente, com a desordem e com os desmandos do poder público.
Há maneiras democráticas e civilizadas de se mostrar insatisfação.Não é quebrando patrimônio público, ou propriedade alheia, que faremos um Brasil melhor.E isto de que é "só um grupinho" que barbariza, já está cansando.
Não sei vcs.Eu já cansei de toda espécie de violência que vem junto com desculpas.Daqui a pouco isto irá cansar outros e o país acabará por se dividir.E isto traz algo de bom para uma nação?
Como já escrevi antes, é sempre perigoso flertar com o abismo.

Mártir

Prætor (Outros)

Não há desordeiros suficientes para isto Cid Moura. Mas caso todas as ruas sejam interditadas, seria excelente se você precisasse de socorro médico urgente. Aí você sentiria na pele o resultado de suas ideias obscuras. Um mártir! Ou isso só vale para os outros?

sempre os mesmos

Cid Moura (Professor)

as manifestaçoes devem se organizar melhor. Ao inves de fechar algumas vias, deviam interditar ToDas as as avenidas da cidade. O que farão os reclamões? ficarão reclamando na internet.

Inútil

Prætor (Outros)

Segundo o texto " é bom " quando as manifestações " atrapalham o trânsito "... Parei de ler aí. Vi que não vale a pena.

Comentar

Comentários encerrados em 3/07/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.