Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Insatisfação social

Momento de protestos no Brasil é a primavera tropical

Por 

É tempo de nos indignarmos. É o momento de não nos calarmos, o barulho das ruas, o silêncio das autoridades e a perplexidade da sociedade nos colocam no rumo de alternativas sadias para sairmos da crise. A população, refém da criminalidade, a violência enfurecida e a explosão incontida dos delitos, passeatas, movimentos, reivindicações, teria chegado ao momento de uma primavera tropical.

É o recado que consta do movimento jovem que se insurge contra o aumento das tarifas de ônibus e se refere, com desprezo, ao escárnio do arrocho salarial. Estamos diante de um movimento pendular, cujas autoridades perseguem a tranquilidade dos seus cargos e a população, prejudicada, protesta com sentimento de combate, depredações e arruaças.

Qual seria o sentido fundamental para sairmos dessa anomalia latente e tentarmos encontrar uma rápida solução para o estado de crise? O Brasil perdeu a linha de concorrência com as demais nações, entrou na infantilidade do mascarado consumo e agora não consegue reagir com forças, visando combater as mazelas que nos afligem.

A balbúrdia de leis e o macrocenário do entorno nos convencem, cada vez mais, que se trata, parafraseando Alfredo Augusto Becker, de um manicômio judicial formatado por leis, milhões de decisões e a quantidade de processos. São mais de 90 milhões, cujo Superior Tribunal de Justiça, nos seus 25 anos, proferiu mais de 1 milhão de decisões.

Alguma coisa, e grave, está muito errada na nossa sociedade, e isso precisa ser mudado de forma eficiente, enérgica e com bastante capacidade. A falta de crescimento nos empaca, a realidade dos números da criação de empregos não retrata o perfil de contentamento da sociedade, além do que, sofremos os aspectos da inflação em alta, câmbio descontrolado e a Bolsa de Valores em queda livre.

Não há, ao que tudo indica, um plano B, mas sim meras hipóteses e abstrações, o que não muda absolutamente nada nosso sentimento de falta de otimismo a curto prazo. O choque de gestão envolve um curto circuito na forma como o governo vem conduzido sua política, no corte de gastos, no aumento da melhora da infraestrutura e no combate incansável à corrupção.

O modelo de transporte individual está superado, aquele coletivo não pode contar com tanto subsídio e as ferrovias devem sair, e logo, do papel. Atormentam tantos fatos que fazem parte de uma realidade ainda não compreendida e captada pelas autoridades, as quais preferem discutir o pleito de 2014 e não perceber que, para chegar lá, precisam de terreno seguro e boa visibilidade para alcançar reeleições.

O tempo é de renovar o sentido da governabilidade, de enxugar a Constituição com sua reforma e até de se pensar num STRF, Superior Tribunal Federal, dada a criação de mais quatro novos tribunais federais, que, por certo, trarão um volume insustentável para o STJ, que estaria limitado aos tribunais de Justiça do país. Novas ideias, grandes desafios e colocar o Brasil no rumo, tudo isso tem sentido se a governabilidade significar a autoridade para servir ao interesse público.

 é desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 16 de junho de 2013, 7h49

Comentários de leitores

5 comentários

Visão turva do contexto atual

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

O texto comete uma gafe, ou melhor, tem um desfecho incoerente e até reacionário, ao propor a criação de mais um elefante branco – pasmem: “reforma e até de se pensar num STRF, Superior Tribunal Federal, dada a criação de mais quatro novos tribunais federais”. Por favor, data venia, hipocrisia tem limite.
Apenas o estopim foi o movimento contra o aumento de tarifas/passagens de transportes públicos, por sinal de péssima qualidade.
O grande movimento, empós aquele, é de fato contra a precariedade dos serviços públicos, a insegurança, a impunidade geral, a corrupção que assola os três poderes, construção de verdadeiros elefantes brancos (obras faraônicas e improdutivas) frente a falta de boas escolas (educação como prioridade nacional) e hospitais, etc, etc.
Ainda tem gente que não compreende muito bem esses fatos, essa triste realidade brasileira, comprometida apenas com os seus, comprometida com pessoas e partidos políticos, escravos de ideologias totalitárias ultrapassadas.
Um determinado jogador da seleção espanhola, ao sair da zona sul do Rio, ficou pasmo com a miséria, a pobreza. A Espanha com toda a crise, não existe este cenário social macabro. Por sinal, nem mesmo na vizinha Argentina, que se encontra há muito tempo em grave crise social e econômica, apresenta tamanha mazela social.
Os projetos sociais deste país, sempre de ordem assistencialista, são conhecidos mundo afora como esmolas sociais (bolsas família, escola, etc, até reclusão), alimenta o parasitismo/assistencialista com a baixa estima de pessoas que poderiam ter seus empregos. As pessoas, mesmos as mais simples, não querem esmolas, desejam o desenvolvimento, o trabalho, boas escolas, saúde adequada, segurança e perspectivas de oportunidades para si e para os seus.

Meu Deus - Caras Sujas Que Pensam Ser Caras Pintadas

Plinio Marcos Moreira da Rocha (Técnico de Informática)

Prezados,
Apresento o documento “Meu Deus - Caras Sujas Que Pensam Ser Caras Pintadas”, http://pt.scribd.com/doc/148453372/Meu-Deus-Caras-Sujas-Que-Pensam-Ser-Caras-Pintadas , onde estamos reconhecendo minha total ignorância frente ao movimento dos "caras SUJA", que pretensamente, se equiparam aos "Caras Pintadas".
Abraços,
Plinio Marcos

Correção para última frase

Observador.. (Economista)

Que HAJA mais pessoas...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/06/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.