Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Verba alimentar

STJ permite penhora sobre honorários advocatícios altos

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou Recurso Especial de um advogado que pretendia impedir a penhora de parte de honorários devidos a ele, por se tratar de verba de natureza alimentar. Seguindo o voto do relator, ministro Raul Araújo, a corte entendeu que não é absoluta a impenhorabilidade de verbas de natureza alimentar, como os honorários advocatícios, estabelecida no artigo 649, inciso IV, do Código de Processo Civil.

Para os ministros, “não viola a garantia assegurada ao titular de verba de natureza alimentar a penhora de parcela menor desse montante, insuscetível de comprometer o sustento do favorecido e de sua família, quando o percentual alcançado visa à satisfação de legítimo crédito de terceiro, representado por título executivo”.

Particularidades
As particularidades do caso levaram a Turma a afastar o referido dispositivo do CPC e a própria jurisprudência do STJ. O advogado emitiu quatro cheques em 2009 e nunca pagou a dívida. No ano seguinte, o credor ajuizou ação monitória para constituição de título executivo judicial.

Mesmo devidamente citado por duas vezes, o réu sequer se manifestou. Diante dessas circunstâncias, o juiz determinou a penhora do valor de R$ 35,7 mil nos autos de execução que o réu moveu contra uma empresa de seguros, para recebimento de aproximadamente R$ 800 mil de honorários profissionais. Ele tem direito à metade desse valor.

Somente em razão da penhora é que houve manifestação do réu. De acordo com o ministro Raul Araújo, o artigo 649, inciso IV, do Código de Processo Civil não pode ser aplicado de forma simplista, sem considerar as peculiaridades do caso. Para ele, é possível deduzir que o réu não tem nenhuma intenção de pagar a dívida, valendo-se da lei e da jurisprudência do STJ.

Valor
O montante da dívida e dos honorários que o réu tem a receber também pesou na decisão. O relator concordou com a ponderação feita pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal, de que o réu é credor de aproximadamente R$ 400 mil e que a penhora de R$ 35,7 mil corresponde a menos de 10% da verba honorária.

“Então, embora não se negue a natureza alimentar do crédito sobre o qual houve a penhora, deve-se considerar que, desde antes da propositura da monitória, em abril de 2010, o ora recorrido está frustrando o pagamento da dívida constituída mediante os cheques que emitiu”, analisou Araújo.

O ministro entende que não agride a garantia ao titular de verba alimentar a afetação de uma pequena parte do valor, incapaz de comprometer o sustento pessoal e familiar, mas, por outro lado, suficiente para satisfazer o legítimo crédito de terceiro.

“Nas hipóteses como a dos autos, tem-se crédito de natureza alimentar de elevada soma, o que permite antever-se que o próprio titular da verba pecuniária destinará parte dela para o atendimento de gastos supérfluos e não, exclusivamente, para o suporte de necessidades fundamentais”, afirmou o ministro, no voto.

Devedor contumaz
O ministro concluiu que, ao ponderar sobre as circunstâncias de cada caso concreto, o juiz pode admitir excepcionalmente a penhora de parte menor de verba alimentar maior sem ofender o núcleo essencial dessa garantia.

Isso evita, segundo Araújo, que o devedor contumaz siga frustrando injustamente o legítimo anseio de seu credor, “valendo-se de argumento meramente formal, desprovido de mínima racionalidade prática”.

Ainda em reforço desse entendimento, o ministro destacou que são admitidos os descontos de empréstimos consignados em folha de pagamento que alcançam verbas remuneratórias de nítido caráter alimentar, desde que não ultrapassem determinado percentual dos rendimentos brutos do trabalhador. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 14 de junho de 2013, 15h03

Comentários de leitores

6 comentários

E a solução para

Ricardo (Outros)

o devo, nao nego, pagarei quando puder...

“Mandrake”! “Abracadabra”! O vício se alastra! (1)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Trata-se de mais uma decisão do tipo “Mandrake”, “Abracadabra, do STJ. Parece que aquela Corte já se viciou nisso e não consegue mais viver sem ilusionismo e passes de mágica.
.
Eis o que reza o art. 649, IV, do CPC:
.
“Art. 649. São absolutamente impenhoráveis:
.................................................................................
IV - os vencimentos, subsídios, soldos, salários, remunerações, proventos de aposentadoria, pensões, pecúlios e montepios; as quantias recebidas por liberalidade de terceiro e destinadas ao sustento do devedor e sua família, os ganhos de trabalhador autônomo e os honorários de profissional liberal, observado o disposto no § 3º deste artigo;”
.
A enumeração apositiva completa o sentido do “caput”. Se se quiser, pode-se escrever todo o texto legal em redação direta, eliminando as outras enumerações que não interessam para o caso vertente, de modo que a leitura corrida ficaria assim: “Art. 649. São absolutamente impenhoráveis os honorários de profissional liberal, observado o disposto no § 3º deste artigo;”
.
Pois bem, a lei manda observar o § 3º do mesmo artigo 649. E o que diz este artigo 3º? Resposta: NADA! É inexistente, porque, embora tivesse sido introduzido pela Lei 11.382/2006, seu conteúdo foi vetado, de modo que não há o que observar.
.
Então, a conclusão é a seguinte: a lei, sob cujo império todos estão sujeitos, inclusive e principalmente os juízes, aí incluídos os ministros do STJ e do STF, diz, expressamente, taxativamente, sem nenhuma margem para dúvida que OS HONORÁRIOS de profissional liberal são ABSOLUTAMENTE IMPENHORÁVEIS.
.
(CONTINUA)...

“Mandrake”! “Abracadabra”! O vício se alastra! (2)

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

(CONTINUAÇÃO)...
.
Aí vem o STJ e diz: “Mandrake”! “Abracadabra”!, e pronto, fez uma mágica e alterou a redação da lei para dizer que não, que quando a lei fala que algo é ABSOLUTAMENTE impenhorável, esse “ABSOLUTAMENTE” deve ser interpretado como “relativamente”, quer dizer que o “ABSOLUTAMENTE” previsto na lei não significa absolutamente nada para aqueles que tem o dever ético e moral de respeitar e aplicar a lei e a Constituição. Pelo menos foi isso que juraram solenemente quando tomaram posse do cargo, nos termos do art. 79 da LOMAN.
.
Numa palavra, para o ministro relator e a turma que o acompanhou, “ABSOLUTAMENTE” passou a ser sinônimo de “RELATIVAMENTE”.
.
Depois ficam com rancor e cheios de ranço conosco porque nós mostramos a cara desse ativismo judicial podre, abominável, que invade a competência do legislador para alterar a redação da lei. No caso noticiado esse acinte é NOJENTO e cínico, pois o legislador poderia ter relativizado a impenhorabilidade, e o fez, mas o Presidente da República, no âmbito de sua competência funcional, vetou a alteração. O legislativo poderia ter derrubado o veto, mas não o fez. A competência para derrubar o veto é, de acordo com a Constituição, do Legislativo. Aí vem o STJ e diz: “Mandrake”! “Abracadabra”! e derruba o veto 7 anos depois.
.
Assim não dá. Quando o tribunal que tem por dever aplicar a lei, não só não a aplica, como ainda a modifica, subverte seu conteúdo, altera o sentido único e unívoco das palavras empregadas no texto da lei, então, a segurança jurídica foi para as cucuias. A lei, foi jogada no lixo de forma, aqui sim, ABSOLUTAMENTE CÍNICA!
.
(CONTINUA)...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 22/06/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.