Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reajuste semestral

Mackenzie demite 15% dos professores de Direito

Por 

Até a sexta-feira (21/6), a Faculdade de Direito do Mackenzie pretende demitir 15% de seu quadro de professores. Não foram divulgados nomes nem números, mas os já ex-integrantes do corpo docente afirmam que serão desligadas 35 pessoas do quadro total de professores do curso e as demissões serão diárias até o dia 21, último dia letivo do semestre.

Embora confirme os cortes, a universidade afirmou que eles fazem parte de uma “realocação normal”.  De acordo com a assessoria de imprensa da universidade, a intenção é reorganizar as matérias e concentrá-las nas mãos de menos professores. A faculdade de Direito informa que há disciplinas sob responsabilidade de três ou quatro docentes.

O diretor da faculdade de Direito, José Francisco Siqueira Neto, disse à revista Consultor Jurídico que os cortes fazem parte de uma “reestruturação normal de fim de semestre”. Siqueira não quis dar mais detalhes para evitar que os demitidos fossem informados pela imprensa, já que o processo de demissões ainda não acabou. Comenta-se na faculdade que alguns professores, principalmente os juízes e membros do Ministério Público, só conseguem tempo para dar uma ou duas aulas por semana. A intenção dos cortes, então, seria aproveitar mais o corpo docente e abrir mão daqueles que não têm condições de assumir cargas horárias maiores.

Mas essa versão não é unânime. Alguns professores afirmam que os cortes fazem parte de uma “limpeza ideológica” do curso de Direito. Alegam que, depois de dois anos no cargo, o reitor da universidade, Benedito Guimarães Aguiar Neto, indicou às diretorias apenas professores alinhados com sua ideologia política.

“A versão oficial é que estão fazendo cortes administrativos em função de excessos, mas o direcionamento ideológico é evidente. Estão indo embora magistrados, promotores, procuradores, procuradores do Estado, pessoas que não se sujeitam a esse tipo de viés, que é bem petista, com vinculações claras”, afirmou à ConJur um professor, que preferiu não ser identificado.

Os cortes tornaram-se públicos por causa da demissão do promotor de Justiça Rogério Leão Zagallo, que dava aulas de Processo Penal no Mackenzie. Ele mesmo contou a seus alunos que a faculdade não renovou o contrato. A notícia da demissão veio na mesma semana em que, em sua página no Facebook, chamou pessoas que protestavam contra o aumento da passagem de ônibus em São Paulo de bugios, causou polêmica.

Por causa do episódio, Zagallo se viu obrigado a pedir desculpas e apagar o que falou antes. Todos os ouvidos pela reportagem negaram a existência de qualquer relação entre a demissão e o episódio no Facebook.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2013, 20h58

Comentários de leitores

8 comentários

Sobre a matéria e os comentários

João knox (Advogado Sócio de Escritório - Eleitoral)

A matéria jornalística é objetiva.
As figuras citadas e seus proto defensores preocupam-se em desviar a atenção para o fato principal, qual seja, a demissão de 15% dos professores da Faculdade de Direito entre o seleto grupo de Magistrados, Membros do MP e de Advogados que estranhamente, além de opositores aos atuais mandatários universitários, não se sujeitam ao direcionamento ideológico petista do reitor e diretor, ambos com filiação partidária. Muita coincidência petralha, não acha!
Falam de um programa de pós-graduação que nasceu antes do advento das criaturas citadas. Basta pesquisar.
Chega da milonga que “antes na história deste ......” ouvimos durante 8 anos.
Leia o post sobre a condenação da justiça para a devolução de desconto patronal em contribuições sociais sobre o manto da filantropia (ou “pilantropia”) “http://www.conjur.com.br/2013-mai-15/justica-obriga-oito-universidades-hospital-devolver-bi-uniao, e a promessa, nos corredores da universidade sobre certo advogado petista ligado ao sindicato dos metalúrgicos e ao Marinho que garante obter benesses administrativas das hostes brasilianas.
Não, o Mackenzie não é isso não!

O poder do mito

MSRibeiro (Administrador)

O que há de tão relevante nisso? Eles são o centro do universo? Só porque cobram uma mensalidade cara e são voltados para ensinar os mais abastados são tão importantes assim ? Me formei lá e acho que é uma instituição igual as outras - tinha professor bêbado, tinha professor louco que xingava o aluno, tinha professor que falava pra dentro, tinha professor que colocava estagiária para dar aula, porém o nome é lindo e o título é mais lindo ainda (aliás, meu cachorro quase comeu meu diploma de pele de carneiro com o M estampado !!!).

Inocentes úteis

Daniel1981 (Outros)

Fico impressionado com a ingenuidade de alguns comentaristas por aqui... Como se a disputa ali dentro girasse em torno de direita ou esquerda...está cheio de professores esquerdistas lá, inclusive dois dos demitidos são vermelhos assumidos. Há questões profissionais, mas é óbvio que também há questões políticas e rixas pessoais por trás disso. O Mackenzie tem conseguido ficar nos primeiros lugares no ranking de faculdades de Direito em SP, e à primeira vista soa estranha essa 'necessidade de reforma'. E coincidentemente, todos os que estão sendo demitidos faziam oposição ao recém empossado líder. Desembargadores, juízes e promotores também estão na lista. A faculdade não está sendo transparente com essas medidas, e à primeira vista o que está ficando notório é que trata-se de uma eliminação de oposição - o primeiro passo para uma ditadura.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/06/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.