Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Representante da advocacia

Plenário do Senado aprova Gisela Gondin para o CNJ

O Plenário do Senado aprovou, na quarta-feira (5/6), a indicação da conselheira federal da Ordem dos Advogados do Brasil por Santa Catarina Gisela Gondin Ramos para uma vaga no Conselho Nacional de Justiça. Ela foi eleita pelo Conselho Federal da OAB em 8 de abril para atuar como representante da classe no CNJ. No plenário, recebeu 49 votos favoráveis e cinco contrários.

Sabatinada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do órgão em 15 de maio, Gisela falou sobre a criação de quatro novos tribunais regionais federais, o pagamento de auxílio-moradia e o uso de algemas em prisões no Brasil. Outro ponto abordado foi a resolução do CNJ que proíbe os cartórios de se recusarem a fazer a habilitação, celebração de casamento civil ou de conversão de união estável em casamento entre pessoas do mesmo sexo. O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, acompanhou a sabatina da mesa da CCJ do Senado, juntamente com integrantes da diretoria da entidade.

Natural de Florianópolis, Gisela Gondin é advogada militante desde 1981, formada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Na seccional catarinense da OAB, foi conselheira e integrou a diretoria no triênio 1998/2000. Atuou como conselheira federal nos triênios 2004/2007 e 2007/2010. Ocupa novamente a vaga no Conselho Federal desde o ano passado. É autora de inúmeras obras jurídicas e membro efetivo do Instituto dos Advogados do Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 6 de junho de 2013, 16h52

Comentários de leitores

3 comentários

Estaremos bem repreentados

Jean Spinato (Advogado Autônomo)

A Dra. Gisela é uma valorosa integrante dos quadros da nossa OAB, cuja trajetória e dedicação profissional honra a classe dos advogados.
Possui todas as qualidades para exercer com brilhantismo o cargo junto ao CNJ.

Até que enfim!!

sricardosouza (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Finalmente a OAB indicou uma Advogada para integrar o CNJ, possibilitando que as mulheres da advocacia também possam colaborar para o aperfeiçoamento do Judiciário brasileiro. Parabéns ao Conselho Federal da Ordem, pela merecida escolha.

Diutadura na Ordem

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Resta saber quando a advocacia brasileira vai pode indicar membros para o CNJ.

Comentários encerrados em 14/06/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.