Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fila no atendimento

CNJ nega liminar para suspender fim do expediente às 19h

Por 

O Conselho Nacional de Justiça negou nesta terça-feira (23/7) liminar pedindo para suspender a eficácia do comunicado do Tribunal de Justiça de São Paulo, no qual informa que o tribunal encerrará o expediente às 19h mesmo que haja fila ou vista no balcão. O advogado Marcos Alves Pintar, autor do pedido, afirmou que irá recorrer da decisão no Supremo Tribunal Federal.

O Pedido de Providência foi instaurado nesta segunda-feira (22/7), dia em que o comunicado foi publicado no site do TJ-SP. Nele, Pintar alega que a medida adotada pelo tribunal é um atentado ao princípio da eficiência administrativa, que causará prejuízo aos jurisdicionados e à imagem da Justiça junto à população. “Isso porque, incumbe ao Poder Judiciário propiciar condições de atendimento adequado às partes e aos advogados, o que significa dizer que não devem ocorrer filas”, explica.

Na inicial, Pintar explica que devido à falta de estrutura do Judiciário paulista, as filas são inevitáveis, e que não é possível importa aos jurisdicionados e advogados a responsabilidade por essa falta de estrutura. “Se o advogado ou mesmo a parte dá entrada no fórum às 17:30 horas para efetuar o protocolamento e uma ou mais petições, e não é atendido no tempo adequado, inconcebível que essa falha do serviço judiciário (representada pela fila) se converta em prejuízos ao jurisdicionado ao se deixar de atendê-lo, ensejando inclusive a intempestividade do peticionamento”, argumenta.

O advogado narra sua experiência no Fórum Central da Comarca de São José de Rio Preto, onde alega que já permaneceu mais de duas horas aguardando o atendimento no protocolo de petições. De acordo com ele, devido a essas filas, nem sempre é possível o atendimento até às 19h, quando os servidores continuavam a receber no protocolo as petições mesmo após o encerramento do horário de expediente, evitando-se que a falha do serviço judiciário prejudicasse a parte com alegações de intempestividade.

Marcos Alves Pintar pede que concessão de liminar para que todos os que estiverem aguardando atendimento até às 19h sejam atendidos e que seja afastada, em definitivo, a norma do TJ-SP.

Ao analisar o pedido, o conselheiro Guilherme Calmon considerou que o término às 19h, conforme estipulado pelo TJ-SP, é plenamente razoável para satisfazer a demanda do público. Ele diz ainda que o horário definido está de acordo com decisão proferida pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, determinando aos tribunais brasileiros que mantenham, até decisão definitiva, o horário de atendimento ao público até às 18h, no mínimo.

“O próprio fato de a questão estar judicializada na Suprema Corte e pendente de deslinde definitivo inviabiliza a medida postulada”, complementa Guilherme Calmon ao negar a liminar.

Para o advogado Marcos Alves Pintar, a decisão não apreciou o pedido corretamente. Ele explica que seu inconformismo se resume aos casos nas quais o advogado comparece para protocolar uma petição antes do horário de encerramento do expediente, e não consegue protocolar porque há filas. “O não atendimento, nestes casos, pode levar à intempestividade do peticionamento, com prejuízo aos advogados e aos jurisdicionados”, diz.

Pintar diz que planeja ingressar com um Mandado de Segurança no STF, pedindo que a liminar seja deferida ou que seja determinado ao relator reapreciar o pedido levando em consideração o que foi requerido na inicial.

Ineficiência do Judiciário
O Movimento de Defesa da Advocacia (MDA), afirmou em nota que o comunicado do TJ-SP causa preocupação e que não contribui para o bom atendimento às partes e seus representantes, “de vez que desloca para os usuários do Poder Judiciário problemas organizacionais internos da Corte que jamais poderiam ser transferidos aos cidadãos e seus representantes”.

De acordo com a nota, o cidadão têm direito constitucional de pleno acesso à Justiça e não pode ser punido com a decretação da perda de cumprimento de seus prazos processuais porque a Corte se recusa a atestar que esses mesmos cidadãos lá se encontram à espera do atendimento a que têm direito.

“Admitir como válidas e justificáveis as disposições desse "Comunicado" significaria também admitir que o cidadão será punido pela própria ineficiência do serviço público, o que não se pode evidentemente conceber em nosso Estado Democrático de Direito”, conclui a nota.

Clique aqui para ler a petição incial.
Clique aqui para ler a decisão do CNJ.

*Notícia atualizada no dia 24/7 para acréscimo de informações.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 23 de julho de 2013, 16h05

Comentários de leitores

23 comentários

Fogueira das vaidades.rsss

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Prætor (Outros)= juiz = funcionário público.
.
Tem juiz que além de deixar tudo para última hora, para cumprir prazos, não cumpre as Leis e, as vezes, MENTEM nos autos PRAETOR...
.
É simples. Em qq repartição pública ou de atendimento público, a porta fecha e quem estiver dentro ou na fila é atendido.
.
Mas o TJSP, em represália pois foi obrigado a voltar o prazo anterior (liminar STF), quis dar um "troco". FOGUEIRA DAS VAIDADES. rssssssss
.
Se a pessoa entra em um banco (Caixa, por x.) e chega 16:00 (aqui em SP é esse o horário) a funcionário não atende quen JÁ está na fila? Lógico que atende.
.
Vamos aplicar a Lei?
É simples:
.
LEI FEDERAL 8.906
É direito do advogado.
VI - ingressar livremente:
c) em qualquer edifício ou recinto em que funcione repartição judicial ou outro serviço público onde o advogado deva praticar ato ou colher prova ou informação útil ao exercício da atividade profissional, DENTRO DO EXPEDIENTE OU FORA DELE, e ser atendido, desde que se ache presente qualquer servidor ou empregado;
.
O que vale mais, Lei ou ato administrativo do TJSP?
Fácil não?

Fogueira das vaidades.rsss

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Prætor (Outros)= juiz = funcionário público.
.
Tem juiz que além de deixar tudo para última hora, para cumprir prazos, não cumpre as Leis e, as vezes, MENTEM nos autos PRAETOR...
.
É simples. Em qq repartição pública ou de atendimento público, a porta fecha e quem estiver dentro ou na fila é atendido.
.
Mas o TJSP, em represália pois foi obrigado a voltar o prazo anterior (liminar STF), quis dar um "troco". FOGUEIRA DAS VAIDADES. rssssssss
.
Se a pessoa entra em um banco (Caixa, por x.) e chega 16:00 (aqui em SP é esse o horário) a funcionário não atende quen JÁ está na fila? Lógico que atende.
.
Vamos aplicar a Lei?
É simples:
.
LEI FEDERAL 8.906
É direito do advogado.
VI - ingressar livremente:
c) em qualquer edifício ou recinto em que funcione repartição judicial ou outro serviço público onde o advogado deva praticar ato ou colher prova ou informação útil ao exercício da atividade profissional, DENTRO DO EXPEDIENTE OU FORA DELE, e ser atendido, desde que se ache presente qualquer servidor ou empregado;
.
O que vale mais, Lei ou ato administrativo do TJSP?
Fácil não?

bem decidido

Prætor (Outros)

A cultura do "deixar para a última hora" sofreu um grande revés com a acertada decisão do TJSP respaldada pelo CNJ.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/07/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.