Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Segurança da Presidência

Evento com Dilma é transferido da OAB por segurança

Por questões de segurança, a cerimônia em memória das vítimas do Holocausto com a participação da presidente Dilma Rousseff, que estava marcada para esta quarta-feira (30/1) no prédio da Ordem dos Advogados do Brasil, foi transferida de local. A decisão foi do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, a partir de laudo do Corpo de Bombeiros.

O prédio da OAB está localizado próximo à área central de Brasília, na Avenida L2. Laudo do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal concluiu que "é de parecer que o local não oferece as condições mínimas de segurança contra incêndio e pânico" e recomendou à entidade que sejam instalados sistema de sinalização de segurança, entre outras ações.

Segundo o presidente da OAB, Ophir Cavalcanti, "o prédio vem sendo vistoriado regularmente e o Corpo de Bombeiros nunca contestou nada. Além de já ter acolhido outros presidentes da República, possui brigada de incêndio própria”. Segundo ele, "o laudo se limitou a exigências pontuais, que foram prontamente atendidas e que em nada afetariam a segurança da presidenta Dilma".

O episódio de transferência de local de cerimônia com a presidente Dilma ocorre dias depois da tragédia em Santa Maria (RS) que causou a morte de 235 pessoas vítimas do incêndio na Boate Kiss, na madrugada do último domingo (26/1).

A cerimônia foi transferida para o Hotel Golden Tulip, próximo ao Palácio da Alvorada. O horário estava marcado para as 19h. O evento é organizado pela Confederação Israelita do Brasil (Conib) para relembrar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, data instituída pela Organização das Nações Unidas.

A cerimônia homenageará Aracy Guimarães Rosa, mulher do escritor João Guimarães Rosa, que foi funcionária do consulado brasileiro em Hamburgo, na Alemanha, e Luis Martins de Souza Dantas, embaixador brasileiro na França. Os dois, nas décadas de 1930 e 1940, salvaram centenas de judeus, ao obter vistos para o Brasil contrariando ordens superiores. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 30 de janeiro de 2013, 21h48

Comentários de leitores

4 comentários

Prof. Dr. Jose Antonio Lomonaco

Prof. Dr. Jose Antonio Lomonaco (Advogado Sócio de Escritório)

Na falta do que fazer, o GSI fica procurando pelo em ovo. Apreciaria se o GSI enviasse, agora, para todos nós, a próxima piada, porque esta, meu amigo, doeu!

Fobias

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

O descaso das autoridades e a corrupção generalizada na fiscalização são ítens da tragégia. Agora vem a fobia e retaliação disfarçada. Essa elite não tem conserto mesmo.

Hum.

Brecailo (Advogado Autônomo - Consumidor)

O Dr. Tal continua com a teoria da conspiração: "A verdade está lá fora."

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/02/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.