Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Estrutura saturada

TRT-2 propõe descentralizar Justiça Trabalhista

A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, Maria Doralice Novaes, propõe de descentralização da jurisdição da Justiça do Trabalho, com a criação de novos fóruns regionais. Segundo ela, há demanda reprimida nos extremos da cidade, especialmente nas Zonas Leste e Sul e é “preciso levar a Justiça para onde o povo está”.

Doralice entende que não há outra alternativa senão a construção de novas varas trabalhistas. O Fórum Rui Barbosa recebe fluxo diário de 20 mil pessoas e, de acordo com a desembargadora, a sua infraestrutura já está chegando à saturação.

De acordo com a presidente Doralice, o prefeito Fernando Haddad acenou com a possibilidade de instalar novos polos industriais nas Zonas Sul e Leste, o que gerará novas demandas e a Justiça Trabalhista tem de estar preparada para o futuro. Ela pretende que a prefeitura doe terreno ao longo da linha 3 do metrô para construção de um fórum trabalhista da Zona Leste, ainda neste ano.

A proposta foi apresentada pela presidente do TRT-2 durante visita do novo presidente da OAB-SP. Ele pediu à desembargadora os estudos elaborados pela corte, com base no número de empresas, reclamantes e advogados por região da cidade. “Vamos estudar a proposta de descentralização da Justiça Trabalhista para instalação das novas Varas, debatendo com a advocacia trabalhista e procurando trazer ao TRT-2 as contribuições que os colegas apresentarem”, prometeu Costa.

PJe-JT
O processo eletrônico também foi discutido durante o encontro. A desembargadora Doralice disse que pretende ter contato estreito com a Ordem para tratar da questão, já que o assunto é do total interesse da advocacia.

Marcos da Costa ponderou que o processo eletrônico traz vantagens para a prestação jurisdicional e que os advogados têm buscado o uso da tecnologia. “No entanto, se isso ocorre de forma abrupta, gera insegurança profissional”, disse. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB-SP.

Revista Consultor Jurídico, 23 de janeiro de 2013, 16h55

Comentários de leitores

3 comentários

Responsabilidade da JT? Como assim?

André (Professor Universitário)

Vindo de um publicitário, ignorante no meio jurídico - e ao que parece ignorante em política, separação dos poderes, atividades legislativas e judiciárias, diretrizes da nossa Constituição brasileira - até tentei entender qual a ligação que o Mig77 faz entre a atuação-expansão da Justiça do Trabalho com a miséria e violência na periferia de São Paulo? Como assim?

Será???

Rogério Barreiro (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

A ideia da I. Desembargadora Presidente parece favorável aos paulistanos, porém, como já ocorreu no ano de 2012, em que seriam instaladas 30 (trinta) novas varas trabalhistas, desafogando o prédio por ela mencionado, houve intervenção veemente do órgão de classe da advocacia. Respeita-se os entendimentos do órgão, porém, não se pode olhar apenas para os advogados. Os olhos devem estar voltados aos primeiros interessados - os jurisdicionados. Parabéns à MMa. Juíza e boa sorte na lida com a entidade representativa dos advogados.

Só li até aqui...

Mig77 (Publicitário)

....Segundo ela, há demanda reprimida nos extremos da cidade, especialmente nas Zonas Leste e Sul e é “preciso levar a Justiça para onde o povo está”....
Essa senhora não percebe ou faz não perceber que um dos maiores responsáveis pela miséria, violência e todo tipo de desgraça nos extremos das Zonas Leste e Sul é a Justiça do Trabalho.É só praticar o salutar exercício da reflexão !!!

Comentários encerrados em 31/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.