Consultor Jurídico

Artigos

Encarceramento massivo

População carcerária cresceu 6,8% em seis meses

Comentários de leitores

11 comentários

A velha balela

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O comentarista Prætor (Outros) repete aqui o velho discurso dos despostas, que inexplicavelmente encontra ainda hoje forte eco junto à população, notadamente quando encontra os menos cultos. Tal discurso, resume-se a dois pontos: a) há um grande mal a assolar a Humanidade; b) passa controlar essa mal, faz-se necessário suprimir garantias, dar ao agentes do Estado mais poder, e agir violentamente mesmo nos casos em que ordinariamente se recomendaria usar a razão. Esse discurso fez nascer na Alemanha o Nazismo, e praticamente todos os regimes despóticos do século XX. Foi assim que Bush enfiou os EUA em uma guerra injustificável e o país em uma crise quase sem precedentes, destruindo completamente o Iraque. Em relação ao Brasil, qualquer pessoa com um mínimo de discernimento sabe que, em face ao número absurdo de homicídios que temos, há uma diminuta população carcerária cumprindo pena em relação a tal tipo de delito. A maior parte da população carcerária é composta por condenados por tráfico (pobres sem qualificação ou perspectiva, que trabalham se arriscando para suprir a demanda de entorpecentes das classes médias e alta) e furto ou roubo (pobres sem qualificação ou perspectiva, que diante da miséria paralela à extrema riqueza das classes de alto poder aquisitivo incorrem no equívoco de se apropriar do alheio), muito embora a lógica indicasse que as polícias, Ministério Público e Judiciário deveriam estar mais empenhados em coibir os crimes de maior gravidade (estupro, latrocínio, homicídio). Portanto, não devemos "encher as cadeias", mas levar ao encarceramento os verdadeiros culpados, o que não vem sendo feito.

Responder

distorções

Prætor (Outros)

O índice de encarceramento do Brasil, para um país que tem 50.000 homicídios por ano, é baixíssimo. Há uma inegável relação de causa e efeito entre estes dois números, ainda que esta relação não seja exclusiva.
Os número apresentados no artigo, ademais, incluem como "PRESOS", aqueles que estão em regime ABERTO (pasmem!) e até mesmo os em liberdade condicional. Na verdade, o número de presos no Brasil é ridículo.
O Governo Federal faz de tudo para não "gastar" com segurança pública e construção de presídios, como se a preservação da vida dos que serão assassinados não merecesse a destinação de recursos públicos.

Responder

Só tem um 'senão'

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

O Brasil não está fechando as portas das escolas para abrir as das prisões.É que as escolas públicas aqui já não têm portas faz tempo (nem cadeiras, nem mesas, nem quadro negro, nem merenda, nem giz, nem professores aptos, nem telhado no prédio e nem o próprio prédio); ou seja, são 'obras de ficção'. Depois essa estatística carece de atualização, pois se tem notícia, pela mídia e das autoridades, que cerca de 2.000 presos que saíram para passar o Natal com as famílias, se esqueceram que o Natal já terminou e não voltaram para as prisões.

Responder

Nível de alienação

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Na visão do herto (Técnico de Informática) bastaria então que se prendesse qualquer um que as polícias encontrassem pela frente, até completar uma população carcerária de 1,8 milhões, para que o Brasil fosse uma Nação rica e próspera como os EUA.

Responder

a culpa é da defensoria. este modelo caduco de defesa

analucia (Bacharel - Família)

Estado defendendo dá nisso. muito privatizar a assistencia juridica

Responder

a culpa é da defensoria. este modelo caduco de defesa

analucia (Bacharel - Família)

Estado defendendo dá nisso. muito privatizar a assistencia juridica

Responder

Simples Regra de Três

herto (Técnico de Informática)

Os EUA possuem 2.8 milhões de presos de uma população de 300 milhões, logo o Brasil com 200 milhões de habitantes deveria ter 1.86 milhões de presos. PONTO FINAL. Veja se Obama fala em diminuir a população carcerária? Não.

Responder

Prisões cheias versus controle da criminalidade

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Quando os japoneses invadiram a atual Coreia do Norte, podendo então dar vazão ao ódio que cultivavam há mais de um milênio de lutas, a atividade principal passou a ser construção de presídios para encarcerar os próprios coreanos. Milhões permaneceram encarcerados visando satisfazer o bel prazer dos japoneses, enquanto as mulheres foram transformadas em escravas sexuais. Isso nos mostra que cadeias cheias não significa que os verdadeiros culpados estão presos, muito pelo contrário. Como bem coloca o LFG, quanto mais as prisões enchem no Brasil, mais intensa se mostra a criminalidade. Motivo: prende-se quem não devia estar preso, enquanto os verdadeiros bandidos estão todos por aí, bem soltos. Trata-se da conhecida ineficiência do aparelho repressor do Estado, "azeitado" para dar vazão aos anseios de dominação de certos grupos ao invés de aplicar a lei penal.

Responder

Mesa de negociações

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O número de prisões acompanha o crescimento da Defensoria Pública. Na medida em que advogados privados livremente escolhidos pelos acusados vão sendo substituídos por agentes do Estado, em um País na qual TUDO é negociável, a defesa vai ficando cada dia mais frouxa, e as prisões vão ficando cada dia mais cheias. É justamente por isso que a aclamada Defensoria Pública é a única entidade vinculada à prestação da tutela jurisdicional que vem crescendo no Brasil, na medida em que os governantes descobriram que podem colocar na mesa de negociação o empenho dos defensores nas causas, de modo a fornecer-lhes vantagens no cargo em troca de uma atuação pífia ou ineficiente. A atividades das polícia (ocupadas permanentemente em prender inocentes e acobertar delinquentes) e do Ministério Público, nunca estiveram tão fácil.

Responder

Facínoras

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O grande problema, creio eu, é que imiscuída à população brasileira honesta há facínoras cujo desejo não é outro senão o sofrimento do semelhante, criando situações absurdas como a não punição a torturadores enquanto ladrões de galinhas são encarcerados por muitos anos sem julgamento. É a mesma situação que ocorreu na Alemanha nazista, quando milhares apoiaram incondicionalmente Hitler e permitiram que milhões de pessoas fossem exterminadas em massa.

Responder

índice baixo de crescimento.

Prætor (Outros)

Excelente. O ideal é que cresça até o ponto de retirar todos os bandidos da rua. Com meus impostos, quero ver penitenciárias sendo construídas.

Responder



Comentar

Comentários encerrados em 31/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.