Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Golpe em servidores

PF prende sete pessoas acusadas de se passar por juízes

A Polícia Federal prendeu nesta terça-feira (22/1) sete pessoas acusadas de integrar quadrilha especializada em aplicar golpes em servidores federais aposentados. Segundo a PF, eles se passavam por desembargadores, juízes, procuradores, advogados ou funcionários do Conselho Nacional de Justiça e cobravam dinheiro das vítimas com a alegação de que se tratava de custas processuais ou honorários advocatícios de processos na Justiça. As prisões ocorreram em Brasília, Belo Horizonte, São Luís e Parauapebas (PA).

Segundo a PF, para executar a fraude os golpistas possuíam arquivos contendo dados pessoais dos servidores públicos (RG, CPF, telefone, endereço etc.). Com esses dados os estelionatários conseguiam, além de estabelecer um vínculo de confiança, se passar por funcionários do Poder Judiciário, detentores de informações privilegiadas.

A investigação resultou de pedido do próprio CNJ, que encaminhou à Polícia Federal notícias recebidas pela Ouvidoria com relatos dessas tentativas de golpe. De 2010 até hoje, a Ouvidoria do CNJ recebeu 116 relatos de cidadãos de quase todos os estados, que receberam cobranças de valores entre R$ 9 mil e R$ 87 mil por estelionatários, com a promessa de acelerar processos judiciais ou obter acordos que favorecessem os autores da ação. De acordo com o conselheiro Wellington Cabral Saraiva, ouvidor do CNJ, nenhum juiz ou servidor do Poder Judiciário pode cobrar valores a título pessoal para o andamento de processos ou a celebração de acordo.

"É dever do próprio Judiciário levar adiante os processos iniciados pelos cidadãos. Se houver necessidade de pagar custas, elas devem ser recolhidas em guias oficiais, nos estabelecimentos bancários. Toda cobrança indevida feita a um cidadão deve ser comunicada ao Ministério Público, à polícia ou ao próprio CNJ", disse o conselheiro. Com informações da Assessoria de Imprensa da PF e do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 22 de janeiro de 2013, 20h30

Comentários de leitores

3 comentários

Ganância da vítima

Lúcida (Servidor)

“Não se pode enganar um homem honesto”, dizia W.C.Fields.

Extorsão

Luiz Pereira Neto - OAB.RJ 37.843 (Advogado Autônomo - Empresarial)

O nome deste golpe é EXTORSÃO , e , na maioria das vezes , é fadado ao sucesso , por receio , intimidação ou mêdo das vítimas , ainda mais , identificando-se como "juiz de carreira" ...

Golpe

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Trata-se de uma versão mais moderna do golpe do bilhete premiado. Na verdade, isso não deveria ser crime já que o estelionatário conta sempre com a malícia da suposta vítima, que quer enriquecer rápido ou ter uma vantagem pessoal que sabe ser ilícita.

Comentários encerrados em 30/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.