Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Noticiário Jurídico

A Justiça e o Direito nos jornais desta segunda-feira

O Senado já gastou R$ 714 mil para discutir a reforma de cinco códigos e leis brasileiras, mas nenhuma das propostas ainda saiu do papel. Estão em debate os códigos Penal, Civil, Eleitoral, direito do consumidor e o pacto federativo, entre outros. Só em passagens aéreas para a participação de especialistas convidados, o Senado desembolsou R$ 603,9 mil. Os especialistas não recebem salário para integrar as comissões. Em contrapartida, têm as despesas relacionadas ao trabalho bancadas pelo Senado. Entre os notáveis chamados para discutir as mudanças, estão juristas e ex-ministros como Nelson Jobim e Everardo Maciel. As informações são da Folha de S.Paulo.


Internação compulsória
As internações compulsórias ou involuntárias de dependentes químicos na região da Cracolândia, em São Paulo, começam nesta segunda-feira (21/1) por meio do trabalho conjunto de profissionais da saúde, do Ministério Público, do Tribunal de Justiça de São Paulo e da Ordem dos Advogados do Brasil. A medida foi oficializada pelo governo do Estado no último dia 11, com o objetivo de dar apoio aos usuários de drogas, fornecendo principalmente tratamento ambulatorial e fazendo o maior número possível de internações voluntárias. As informações são da Agência Brasil.


Cobrança difícil
Um ano depois de firmar um acordo com o Tribunal Superior Eleitoral para impor aos prefeitos cassados por crimes eleitorais os custos da nova eleição, a Advocacia-Geral da União luta na Justiça para reaver R$ 1 milhão devidos pelos prefeitos cassados e enquadrados na norma. Até o momento, menos de 10% desse total foram pagos. “Muitos devedores não pagam enquanto não forem à Justiça. Essa é uma matéria nova para as procuradorias. As primeiras ações foram ajuizadas de julho do ano passado para cá”, informa o diretor de Patrimônio e Probidade da AGU, Renato Dantas. AGU já ajuizou 23 processos contra prefeitos que perderam o cargo. As informações são do jornal Correio Braziliense.


Novas estatísticas
O Tribunal Superior Eleitoral quer ter estatística sobre raça e cor dos candidatos, dado que atualmente não existe. Segundo o tribunal, a sugestão de agregar ao sistema de registro de candidaturas a opção para o candidato declarar a sua cor foi encaminhada ao grupo de estatística, que está analisando a viabilidade e o formato da produção desse dado para as Eleições 2014. A assessora política do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), Eliana Graça, diz que a entidade tentou implantar a medida por meio de articulação no Congresso Nacional, mas não obteve sucesso. As informações são da Agência Brasil.


"Sociedade racista"
Em entrevista ao portal G1, o ministro Carlos Alberto Reis de Paula, eleito para presidir o Tribunal Superior do Trabalho, qualifica a sociedade brasileira como "racista e discriminatória". "É racista, discriminatória e usa de discriminação por um motivo muito simples: uma questão cultural", disse. O ministro defende as cotas nas universidades, porém afirma que é contra nos concursos públicos. “O problema de cota não pode ser uma esmola. Cota é uma questão de justiça social, é uma forma de reparar, mas não fazendo doações”, afirmou. Na entrevista, o ministro fala que a jornada de trabalho não é excessiva no Brasil e defende que não é a quantidade de benefícios dado aos trabalhadores que encarece a mão-de-obra.


Ações contra cigarro
A coluna Radar on-line, do jornalista Lauro Jardim, publicada na site da Veja, afirma que a Souza Cruz venceu todas ações movidas por fumantes no Judiciário. “Foram arquivadas 55 ações movidas por ex-viciados e seus familiares contra a Souza Cruz, um recorde na história da companhia”, diz Lauro Jardim. Segundo o colunista, desde 1996, quando o primeiro processo deste tipo foi julgado 442 decisões definitivas já foram dadas. Os ex-fumantes perderam todas as disputas.


OPINIÃO
Concorrência desleal
Em editorial, o jornal O Estado de S. Paulo, afirma que o veto parcial ao projeto de lei de conversão da Medida Provisória 578, a presidente Dilma Rousseff impediu a concretização de uma esperta manobra executada por alguns congressistas, e apoiada pela maioria deles, que instituía um novo programa de refinanciamento de dívidas tributárias. De acordo com o jornal, o veto de Dilma evitou que a manobra tivesse êxito, porém “além de espertos, os parlamentares são insistentes: há outros projetos da mesma natureza tramitando no Congresso”. Segundo o editorial, os programas de parcelamento de dívidas tributárias faz com que contribuintes que a duras penas recolhem os tributos no prazo sejam prejudicados pela concorrência desleal que lhes fazem os maus pagadores de impostos.

Revista Consultor Jurídico, 21 de janeiro de 2013, 11h02

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.