Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova diretoria

Novo presidente da Amagis quer valorização dos juízes

A união da classe e a valorização dos juízes mineiros foi a tônica do discurso de posse do novo presidente da Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis), Herbert Carneiro, que aconteceu última quinta-feira (3/1). Ele substitui no cargo o juiz Bruno Terra.

Herbert Carneiro disse que seu primeiro compromisso é com a defesa intransigente dos direitos, da independência, da segurança e da saúde dos magistrados. Para tanto, ele afirmou que a diretoria foi composta por colegas que conhecem e vivem a magistratura e são dedicados às suas causas.

“Haveremos de lutar sempre, de maneira compartilhada, com diálogo e entendimento na busca de nossos objetivos comuns”, disse o novo presidente, complementando que a construção das conquistas deve ser permanente e coletiva para ser legítima e vitoriosa.

Para a gestão que se inicia, um dos pontos de trabalho destacados por Herbert Carneiro foi a questão do reajuste dos subsídios. “Nenhuma outra categoria está há sete anos com os salários congelados. Não reivindicamos reajuste, mas tão somente a reposição das perdas, que, no período, ultrapassam os 30% de defasagem. Isso é direito constitucional e não deve ser tratado como favor ou meio de troca”, afirmou.

O vice-governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, presente ao evento, declarou que acompanha de perto e sabe da importância do trabalho desenvolvido pela Amagis, no sentido de defender os interesses da magistratura. “A diretoria empossada, tendo à frente o desembargador Herbert Carneiro, está credenciada para fazer valer a importância da magistratura mineira e obter novas conquistas”, afirmou Alberto Pinto Coelho, destacando a relevância da correção dos subsídios e da melhoria das condições de trabalho dos magistrados, denominados por ele como sacerdotes da paz e da justiça social.  

Para a vice-presidente administrativa da Amagis, Luzia Divina de Paula Peixoto, o momento é de união de toda a magistratura mineira, uma vez que os propósitos são comuns à classe, e, segundo ela, neste ano será votada a Lei de Organização e Divisão Judiciária, e a Lei Orgânica da Magistratura Nacional também deverá entrar na pauta.

Além da posse da nova diretoria, durante a sessão administrativa também foram eleitos como presidente, vice-presidente e secretário do Conselho Deliberativo da Amagis o juiz José Aluísio Neves da Silva, o juiz José Roberto Sterse e o juiz Antônio Carlos Parreira, respectivamente. Com informações da Assessoria de Imprensa da Amagis.

Revista Consultor Jurídico, 7 de janeiro de 2013, 16h50

Comentários de leitores

1 comentário

Regime de dominação

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O que significa exatamente "união da classe"? Isso quer dizer, por exemplo, que se um juiz move uma ação de danos morais contra um jurisdicionado, que o acusa de ter manipulado a decisão, a indenização deve ser fixada em 1 milhão de reais?

Comentários encerrados em 15/01/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.