Consultor Jurídico

Notícias

Avaliação desfocada

Estudo aponta falhas nos concursos públicos

Comentários de leitores

14 comentários

Um país de concurseiros

Wagner Brasil (Funcionário público)

Que bom se isso fosse verdade, 1000 000 de candidatos estudaram (presume-se) para o concurso do inss em 2012 no qual eu tive a honra de ser aprovado e de estar trabalhando há 6 meses... por mais que se estude para concursos e não se consiga aprovação, fica o que se aprende, e isso é ruim???? Ele critica a indústria dos concursos, como se ensinar, produzir conhecimento, gerar emprego e renda através do mercado editorial do gênero que cresce a cada dia fosse algo nefasto... nefasto para quem?

Retrocesso rumo ao "acesso"

Wagner Brasil (Funcionário público)

Segundo o pesquisador Fontainha: Os concursos públicos não selecionam os "melhores candidatos". Mas porque os "melhores candidatos" não conseguem passar em concursos? Os "melhores candidatos" não conseguem responder satisfatoriamente perguntas objetivas?
Dr Sérgio Camargo: "Entendo de constitucionalidade duvidosa, pois além de tentar ressuscitar o ‘acesso’ como forma de provimento originário, em que o servidor poderia ‘pular’ de uma carreira para outra, desprestigia a livre e ampla concorrência, necessária ao resgate brasileiro de valores sociais ignorados e perdidos ao longo de nossa história. Num país tão carente de políticas públicas de empregabilidade como o nosso, os cargos, empregos e funções públicos tornaram-se um longa manus da implementação da dignidade humana, sendo para boa parcela da população brasileira a única forma justa, impessoal e isonômica de alcance de uma atividade laboral, permitir acesso de servidores a outras funções, de estudantes do sistema de ensino”, informou Camargo. “Dar tratamento diferenciado a servidores, e alunos da rede de ensino fere frontalmente a igualdade da dignidade da pessoa humana, salvo outro juízo.”

Chororô de acadêmicos

Francisco A. O. Amorim (Servidor)

Conclui-se desta notícia o quanto o meio acadêmico é rancoroso em relação a carreiras que requerem apenas o diploma de formação superior e remunera melhor que a docência nas universidade federais.
Também não pode-se aceitar o argumento de que a subjetividade trará mais transparência aos concursos. Muito pelo contrário! Provas objetivas e assépticas, embora não sejam perfeitas para atrairem os perfis mais adequados aos cargos públicos, certamente são as que garantem acesso mais equânime, pois não há interpretação subjetiva das respostas dos candidatos.
As entrevistas e as questões subjetivas deveriam ser minimizadas. Se há concurseiros peritos em fazer provas, o problema está na falta de ineditismo das questões. Aliás, muito me estranha que as bancas de concursos façam o possível para dificultar o acesso às provas antigas, como se estivessem resguardando-se para o caso de reeditarem questões de certames anteriores.
Realmente, um absurdo o resultado desse estudo, que vai na direção contrária ao que prega os princípios da igualdade, equidade, transparência e isonomia no provimento de cargos públicos.

desmonte

Prætor (Outros)

Realmente, o desmonte da meritocracia e a implantação de um sistema "socialista" e "partidário" no serviço público está chegando às últimas consequências.

Aptidão.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Discordo do comentarista gsantos. Insistir no status quo é afirmar que o modelo atual é bom, quando na verdade o que se vê é mediocridade. Decisões sem fundamentação, uma hermenêutica horrorosa e atuações pífias, tudo típico de país terceiro-mundista.
.
É errado afirmar que qualquer um possa ser um bom juiz, promotor ou defensor público. Seria o mesmo que dizer que eu poderia ser um bom arquiteto ou um bom jogador de futebol. Nem com toda a preparação do mundo! Cada um tem certas aptidões e não há nada de cubano nisso. Pelo contrário, nos países desenvolvidos crianças exploram desde cedo suas potencialidades, descobrindo suas aptidões. Não é mera coincidência que escolas americanas e japonesas, por exemplo, possuem várias atividades extracurriculares. Os "clubs" japoneses, em específico, levam isto ao extremo. Não adianta ler duzentos livros sem ter as qualidades que se esperam de um juiz, promotor ou defensor público, que são distintas. Se talento fosse realmente balela, todos seriam John Marshall ou Cesare Beccaria, mas a dura realidade é que alguns são mais aptos que os outros, e o país não pode preterir os mais aptos em favor dos menos aptos. O importante é que a pessoa encontre o que faz de melhor e explore aquilo. Cada um é bom em algo.
.
Enquanto ao conhecimento jurídico, o comentarista discorda daquilo que ninguém nunca afirmou. Não disse que o conhecimento jurídico era prescindível, mas sim que deveria haver uma ênfase menor, em benefício da aferição de qualidades essenciais.
.
No mais, o fato de discordar das propostas não significa que elas são inconstitucionais. Há uma certa mania em bradar inconstitucionalidade acerca de tudo que não agrada, mas uma coisa não necessariamente se equivale a outra.

espero que nao tenha se perdido muito tempo nessa pesquisa

Cid Moura (Professor)

As propostas sao todas inconstitucionais. A quem interessa a avaliacao subjetiva para ingresso no servico publico? Limitar quem ja fez 3 inscricoes eh o menos importante. As outras proposta sao bem mais inadequadas.

Talento?

George Rumiatto Santos (Procurador Federal)

Essa história de privilegiar talento também é balela.
-
Tem que avaliar o conhecimento jurídico, sim, primordialmente. Quem não quer ler livros que vá procurar outra atividade.
-
Selecionar pelo talento me soa como o ingresso dos cubanos nas universidades. Essa concepção é atrasada.
-
O cidadão bem preparado, com bom conhecimentos jurídicos, pode ser tanto bom juiz como bom promotor, ou defensor público.
-
No mais, cada carreira de Estado já faz a seleção de acordo com o perfil da carreira. E, no geral, cobram isso na 2ª fase, pois a primeira costuma abordar a jurisprudência das Cortes Superiores.
-
Insisto, o projeto é pior que o cenário atual.

Inconstitucional

George Rumiatto Santos (Procurador Federal)

Se levado a cabo o estudo, será inconstitucional.
-
Restringir a participação de quem se inscreveu pela 4ª vez chega a ser ridículo.
-
Concursos por camadas, idem. Um para novatos, outro para servidores, outro para advogados militantes... total quebra de isonomia.
-
O conteúdo das questões hoje exigidas é bem questionável, mas o formato atual, confrontando com o tal estudo, ainda parece bem melhor.
-
Além disso, a ideia de deixar o servidor novo 01 ano só estudando, e depois ser acompanhado por servidor veterano, é mais utópica que a sociedade alternativa do Raul Seixas.
-
Hoje o servidor entra em exercício e vai pegando na marra as minúcias do serviço, com a ajuda de algum outro servidor que, para fazer isso, acaba atrasando seu próprio serviço. A estrutura é precária.

Evolução

Resec (Advogado Autônomo)

Digno de aplausos esse estudo e as propostas apresentadas. É necessário, urgentemente, evoluir o critério de seleção dos juízes, promotores e etc. Não é crível que a seleção ainda se dê pela velha forma, ou seja, privilegiando quem tem tempo para decorar princípios, ler quantidades absurda de livros, deixando de lado a avaliação primordial da aptidão, vocação e talento.

Provas subjetivas com do ENEM!?

Fernando Dantas (Bacharel - Civil)

Estou entendendo, que esse estudo tem viés esquerdista, uma mudança dessa é para beneficiar algum grupos do partido dominante, ou seja, ao PT. Acabaram com o vestibular, pois em vez de melhorar o ensino, para nivelar para baixo, criaram esse tal de ENEM, e todos sabemos como é corrigido a Redação!? Então fiquem sabendo que usam-se um pensamento distorcido da realidade, onde se um aluno fizer uma critica ao atual governo do PT, ou ao modelo político dito de esquerda ou mesmo ditos social, mesmo que ele(o aluno) tenha utilizado corretamente o portugues e as regras da redação,(OLHA QUE A FINALIDADE DA REDAÇÃO, NÃO AFERIR SE O ALUNO ESTÁ ESCREVENDO O CONTEÚDO DO TEXTO TEM UM PENSAMENTO DIFERENTE DO PROFESSOR QUE CORRIGE, MAS SIM, EXPOR SUA CAPACIDADE INTELECTUAL DIANTE DA LÍNGUA PORTUGUESA) ele recebe uma nota baixa, se não, muitas vezes uma nota zero(0). Já pensou, vc não ser aprovado pelo simples fato de uma critica(pelo que você pensa?), e alguém achar que aquilo não está certo, sendo o que vale é o seu(professor que corrigir?) ponto de vista? CUIDADO BRASIL!

interesses

Prætor (Outros)

Pelo que se depreende da reportagem, o tal "estudo" chegou a conclusões sem sentido (fim da prova objetiva na primeira fase, por quê?).
Resta saber quais INTERESSES estão por trás deste "estudo"?

Continuação...

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Ao invés de exigir que candidatos engulam livros de tudo quanto é ramo do Direito, cobrando questões absurdas que demandam horas de leitura de rodapés, seria melhor aferir capacidades de: fundamentação (talvez ajudaria a reduzir o repertório inesgotável de embargos de declaração, bem como nulidades por ausência de fundamentação!), redação e argumentação, sustentação oral, raciocínio lógico, hermenêutica (hermenêutica de verdade, sem que tudo se resuma a princípios esdrúxulos como o da "felicidade") e trabalho eficiente (ter talento para oferecer alta qualidade no menor tempo possível é muito importante nos dias de hoje).
.
O "concursismo" já contamina até mesmo as universidades, que hoje estão se tornando em cursinhos pré-vestibular na versão ensino superior. Retirando o fator "Tício e Mévio foram fazer não sei o quê, não sei onde, qual o princípio aplicável?" dos concursos e passando a selecionar qualidades intrínsecas de grande valia ao país seria um modo de cumprir a verdadeira finalidade do concurso: selecionar os melhores, não apenas os que sabem mais. Como efeito adicional, as faculdades de Direito tornariam a ser novamente academias, deixando de ser meras extensões do ensino secundário.

constitucional?

thiagotsilva (Estudante de Direito)

A reportagem tem seus méritos. No entanto, chamo a atenção para esse posicionamento do estudo:
"Outra proposta é impedir o candidato de se inscrever para o mesmo concurso mais de três vezes. O estudo constatou que acima de um terço dos inscritos não comparece ao certame."
Não dá para criticar "a priori" porque não se tem dados suficientes, mas querendo ou não, de logo, passa a noção de restrição irrazoável.

Concurseiros.

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

Qualquer proposta que tenha como objetivo eliminar ou reduzir ao máximo a categoria de "concurseiro profissional" é bem vinda. Claro, a efetiva implementação de tais propostas deverá ser bem planejada, para que a emenda não saia pior que o soneto, mas qualquer coisa já serve para um início de discussão.
.
Já se passa da hora de selecionar candidatos que realmente tenham aptidão para o cargo, e tanto Ministério Público quanto a magistratura deveriam reavaliar os critérios de escolha em concursos públicos também. As provas devem focar menos o conhecimento jurídico e mais a aptidão para a promotoria ou magistratura. Não que o conhecimento jurídico não seja importante, por óbvio, mas há muita coisa que pode ser aprendida nas escolas institucionais e no exercício da função ("on job training"). Os critérios mais importantes devem sempre ser o talento (no qual se incluem a capacidade de uso apropriado da língua portuguesa e da lógica jurídica) e a aptidão.

Comentar

Comentários encerrados em 4/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.