Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sociedades S.A.

Bons líderes inspiram, desafiam e formam sucessores

Por 

Carlos Alberto Bitinas - 03/08/2012 [Spacca]Não é difícil perceber a atratividade que o tema “liderança” exerce sobre as pessoas. Basta observar nas estantes de Administração e Negócios das livrarias a abundância de títulos ofertados.

O tema é mesmo fascinante e muito presente na vida de todos, pois convivemos e somos liderados por pessoas de toda a sorte e espécie. Há líderes na política, nas seitas e religiões, nos esportes, nas comunidades, nas associações, nas famílias, nas escolas, nas empresas, no mundo das artes e da cultura.

Por todos os lados estamos sendo liderados e também somos líderes, mesmo que temporariamente, em muitos papéis que exercemos na vida.

No entanto, de vez em quando, curiosamente, ouve-se a afirmação queixosa de que “não temos líderes” ou que “há falta de líderes”. Penso ser um engano. Talvez não tenhamos lá muitos bons líderes, o que é outra e extensa discussão.

Sou propenso a acompanhar o pensamento e o alerta de Peter Drucker sobre o cuidado a ser tomado com a busca excessiva e com a prática descriteriosa da liderança. O século XX nos dá exemplos do quanto os líderes podem ser perigosos: Hitler, Stalin, Mao, Mussolini, Franco, Salazar, Osama e certamente uma infinidade de anônimos.

Os estudos, pesquisas e teses sobre a liderança nos apresentam aspectos complexos e interessantíssimos que merecem entendimento, tais como: carisma, poder, identificação, relacionamento, personalidade, comportamento, ambiência e por aí afora.

E mais, você já deve ter escutado ou feito estas perguntas para si mesmo: “O líder já nasce pronto?” “O que devo fazer para aprimorar a minha liderança?” Afinal, todos querem ser, pensam ser ou precisam ser bons líderes.

No mar de respostas que podem ser dadas a essas perguntas, há uma fonte preciosa. É o livro O Desafio da Liderança, escrito por dois estudiosos profissionais norte-americanos: James Kouzes e Barry Posner.

Fruto de extensa pesquisa, o livro conclui que a boa liderança se apoia em cinco regras:

- Desafiar o estabelecido;
- Inspirar visões compartilhadas;
- Permitir a ação dos outros;
- Apontar caminhos; e
- Encorajar as pessoas.

Essas cinco regras simples desdobram-se em dez compromissos, que podem ser assumidos por qualquer ser humano bem e seriamente intencionado:

- Procurar oportunidades desafiadoras para mudar, crescer, inovar e melhorar;
- Experimentar, arriscar e aprender com os erros;
- Imaginar um futuro enaltecedor e enobrecedor;
- Arregimentar os outros para uma visão coletiva, com apelo aos valores, interesses, esperanças e sonhos comuns;
- Incentivar a colaboração pela promoção de objetivos cooperativos e desenvolvimento da confiança;
- Fortalecer e apoiar explicitamente as pessoas via distribuição de poder, permissão de escolhas, desenvolvimento de competências, atribuição de tarefas críticas;
- Estabelecer o exemplo com comportamento coerente aos valores estabelecidos;
- Alcançar e valorizar mesmo as pequenas vitórias que promovem o progresso e reforçam os compromissos;
- Reconhecer as contribuições individuais para o êxito de qualquer projeto; e
- Celebrar as realizações da equipe — sempre.

Recomendo a leitura do livro, não sem antes ousar acrescentar um item à lista acima:

- Formar sucessores.

Sim, no plural, pois sempre haverá infinita demanda por líderes, e líderes com excelência.

 é consultor da VOC Gestão e Desenvolvimento de Pessoas, palestrante e professor especializado em gestão de pessoas e desenvolvimento organizacional. Graduado em Administração de Empresas e Economia pela Faap, Coach Executivo & Pessoal certificado pelo ICI - Integrated Coaching Institute, pós-graduado em Gestão Estratégica e Total Quality Management pela FGV-SP, e Comunicação Empresarial pela ESPM; foi Executivo em empresas nacionais e multinacionais e professor convidado em cursos de pós-graduação da FGV/GVlaw-SP, UNISINOS-RS e IICS/CEU-SP, além de vice-presidente do CeaEAE – Centro de Estudos de Administração de Escritórios de Advocacia.

Revista Consultor Jurídico, 22 de fevereiro de 2013, 11h41

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.