Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vantagens e obrigações

Para magistratura, debate sobre férias é simplista

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho de Brasília, Renato Henry Sant'anna, respondeu o editorial da Folha de S.Paulo, com o título “Injustiça nas Férias”, publicado nesta segunda-feira (18/2), que critica a concessão de 60 dias de férias anuais para juízes.

Segundo Sant’anna, “trata-se de direito legalmente previsto para os juízes e membros do Ministério Público, justificando-se sua inclusão no sistema de vantagens e obrigações dos magistrados brasileiros, que impõe aos juízes limitações que não existem para outros trabalhadores”.

Entre as limitações, o juiz do Trabalho menciona a proibição de poder deixar o cargo de juiz ou desembargador para ingressar em um emprego melhor remunerado sem cumprir três anos de afastamento de sua área de especialização; e a proibição do exercício de qualquer atividade político-partidária.

Segundo o editorial, a argumentação usual da magistratura destaca a delicadeza de seu trabalho, que consiste em tomar decisões que surtem grande efeito na vida dos jurisdicionados, causando elevado estresse. No texto também é mencionado que o professor de Direito Constitucional da Fundação Getulio Vargas do Rio de Janeiro, Joaquim Falcão, fez um estudo sobre o impacto das férias da magistratura, e concluiu que o magistrado trabalha 20% a menos que um servidor público, e 30% a menos que um trabalhador da iniciativa privada. De acordo com os cálculos de Falcão, se folgassem apenas 30 dias, os magistrados produziriam 2 milhões a mais de decisões.

“Os juízes do Trabalho esperam que o debate do assunto siga por caminhos menos simplistas, permitindo-se o livre fluxo de ideias e que o objetivo seja a melhoria da atividade judicial”, afirmou Sant’anna, na resposta — publicada pelo jornal nesta terça-feira (19/2).

Revista Consultor Jurídico, 19 de fevereiro de 2013, 16h46

Comentários de leitores

19 comentários

Conclusão

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Quando chegarem a uma conclusão, talvez encontrarão um juiz robótico (alta tecnologia) que não precisará de férias nem de uma hora; apenas de conserto. Tem-se que acabar com os espúrios jeitinhos, estancá-los, para que a sociedade queira participar de um verdadeiro debate sobre o tema, não de mais uma falácia, como sempre acontece.

O que é, e o que deveria ser

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A alegação dos juízes de que o trabalho deles é por demais delicado, exigindo assim um descanso maior, é um insulto a todo cidadão honesto. Ora, qualquer um que possui algum contato com o Poder Judiciário sabe que as decisões dos juízes brasileiros são, em regra, de baixíssima qualidade. Até se pode concordar que a função de julgar, quando bem realizada, é mesmo extremamente desgastante, mas não se pode dizer que todos os juízes brasileiros proferem sentenças e decisões de real qualidade.

E os jornalistas?

Recel (Servidor)

Engraçado... A jornada de trabalho dos jornalistas é de 5 horas, pela CLT. Façam as contas e verão que o juiz, mesmo com 60 dias de férias, ainda trabalha mais que o jornalista que escreveu essa matéria.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/02/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.